s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

O Cara Do Espelho

O Cara Do Espelho

Luciano Pires -


O CARA DO ESPELHO





Sabe como eu voto? No dia da eleição acordo cedo, vou pro banheiro e me olho no espelho. Aí converso com o cara que está me encarando.


– Meu, que diferença faz um insignificante voto entre milhões?


– Seu pequeno e insignificante voto vai mexer no governo.


– Que governo?


– O governo da democracia recente; das dificuldades econômicas; do Congresso paralisado; da corrupção, escândalos; povo imerso na apatia política… Seu voto vai mexer na economia dos déficits públicos crescentes; inflação à espreita; pressões especulativas sobre a moeda; crises cambiais; juros internos excessivos; indicadores econômicos e sociais desastrosos; desemprego; dívida interna avassaladora; indisciplina e evasão fiscal… Seu votinho mexerá na ordem jurídica com códigos obsoletos; sistema judiciário em descalabro administrativo; justiça inacessível para a maioria da população; desafios abertos à ordem institucional; reformas emperradas pelo corporativismo; envolvimento com o crime organizado… Seu insignificante voto vai mexer na saúde das instituições públicas em colapso; filas; superlotação hospitalar; medicamentos caríssimos, pirataria; doenças e endemias fora de controle; mortalidade infantil ainda elevada… Seu pobre votinho vai mexer na segurança ineficaz, na corrupção e no descrédito da polícia; assaltos, seqüestros, roubos a mão armada, fraudes e crimes de colarinho branco; crime organizado; uso indiscriminado e ilegal de armas; taxas de homicídio das mais elevadas do planeta; corporativismo e competição nas instituições de segurança pública… Seu microvoto vai mexer na educação dos milhões de crianças fora da escola; altos índices de evasão escolar; escolas mal-equipadas, improvisadas; professores desatualizados, sem recursos, mal pagos, despreparados; universidades fracas; ensino pago visto como um grande negócio… Aquele seu votinho vai mexer no trânsito dos milhares de mortos e feridos em acidentes; frota em estado precário; assaltos, furtos de cargas, seqüestros de caminhões e latrocínios; da inexistência de um registro unificado de veículos; códigos de trânsito conflitantes, vulneráveis à impunidade e à corrupção; estradas em abandono… Seu invisível voto mexerá no trabalho, no mercado de mão de obra em declínio; automação, crises cambiais, concorrência predatória de empresas de fora da região, afetando a geração e a estabilidade do emprego; migrações internas malsucedidas, hordas de moradores de rua, favelas, etc… Seu votico mexerá nos salários e na seguridade, no salário mínimo irrisório; na mão de obra sem registro; legislação e encargos trabalhistas que estimulam o subemprego; sistemas de seguridade social decrépitos e com déficits brutais; aposentados à míngua; reformas previdenciárias emperradas…


– Chega, pô! Talvez meu voto não seja tão insignificante assim!


– Pois é… Os problemas são tantos, tão grandes, tão complexos, que você não tem o direito de ficar de fora da busca de soluções. Não tem o direito de achar que, apenas pagando seus impostos, já faz o suficiente. O Brasil dos seus sonhos ainda tem de ser construído. E ninguém vai fazê-lo por você. Tem que participar! E seu voto é o primeiro passo…


O cara do espelho me manda então para o local da votação, encarando aquele dia como a grande festa da democracia. Ele me alerta e ajuda a escapar da confusão ideológica que teima em desqualificar o exercício do voto pois “tem de acabar com tudo o que está aí”. Ele me ensinou a ler os jornais, a assistir à televisão, ouvir o rádio e perceber a manipulação de interesses por trás da enxurrada de declarações, escândalos e análises “isentas”. Com ele aprendi que é impossível viver sem política. Que política é uma arte e que, se no Brasil virou o circo que está aí, a culpa é minha também, afinal o agente das mudanças sou eu!


O cara do espelho um dia me disse que, se quero um Brasil ético, voto no ético. Se quero um Brasil honesto, voto no que não rouba. Se quero um Brasil culto, voto na não ignorância. Se quero um Brasil unido, voto em quem não prega o ódio. Se quero um Brasil digno, voto em quem me respeita… E naquele dia discuti com ele.


– Ah, mas não existe político ético, honesto, culto…


– Ah, não, é? Só tem bandido? E quem colocou eles lá?


– Não fui eu!


– Foi sim… No tempo em que você tratava seu voto como se fosse merda.


– …



Viu como é simples?


É assim que eu voto.