s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

O Choque

O Choque

Luciano Pires -

O CHOQUE


A vida toda aprendi que o Brasil é um país abençoado por Deus e bonito por natureza. “Nestepaíz” não tem terremoto, tufão, tsunami nem vulcão. Tem sol que não acaba mais. Em se plantando, tudo dá. Tem água como nenhum outro. Tem vento. Tem terra, terra e mais terra. Aprendi também que o Brasil é o país do futuro, que tem o maior estoque de energia renovável do planeta, que estaria em situação privilegiada quando o petróleo faltasse, bla bla bla. Num evento promovido pelo Movimento Brasil Competitivo em Brasília, alguns técnicos dos Estados Unidos foram unânimes: o Brasil está com a faca e o queijo na mão quando se fala em energia renovável. E é isso que temos de explorar. Em se tratando de Brasil, Deus fez sua parte. Agora é a vez dos brasileiros…
Aí, chocado, leio uma notícia: comparado com os 32 países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, as tarifas de energia elétrica brasileiras só perdem para a Itália, o Japão e a Turquia. Pelos dados da Agência Nacional de Energia Elétrica, a tarifa para a indústria em dezembro de 2005 estava em torno de US$107 por MW/h, já considerando os impostos médios de 35% praticados no Brasil. A tarifa industrial na Itália estava em torno de US$170,40. No Japão era de US$134,80. E na Turquia US$108,10. Os Estados Unidos, cuja eletricidade provém de combustíveis fósseis não renováveis como carvão, petróleo e gás natural, praticam uma tarifa inferior à metade da brasileira, em torno de US$52 por MW/h. Na França, onde a maior parte da eletricidade é gerada em usinas nucleares, a tarifa é de US$52,60. A menor tarifa industrial é a da África do Sul, com a média de US$23,40 por MW/h. No Brasil, cerca de 90% da energia elétrica é gerada por hidrelétricas, cujo combustível é a água, renovável. Isso deveria implicar custos mais baixos, mas as tarifas brasileiras são praticamente o dobro das vigentes nos dois outros países onde as hidrelétricas predominam: Noruega (US$42,60) e Canadá (US$56,10). Quando leio essas comparações em dólares, fico cismado. Dólar é dólar em qualquer lugar do mundo, mas o dólar não representa o poder de compra das sociedades não dolarizadas. Fui, então, buscar o “Hamburger Standard” conforme a revista The Economist, que se baseia no conceito de paridade do poder de compra: um dólar deveria comprar a mesma quantidade de determinado produto em qualquer país. Um Big Mac é um Big Mac em qualquer lugar do mundo: os mesmos ingredientes, o mesmo tamanho, o mesmo sistema e tempo de preparo, tudo igual. Se o Big Mac fosse transformado em moeda, seria a forma mais justa de comparar os valores, pois seriam eliminados vários fatores que provocam distorções nos cálculos. Pois fiz a conta, pagando em Big Macs. Um MW/h no Japão, equivale a 63 Big Macs. Na Itália, 46. Na Turquia, 40. No Brasil, 36. No Canadá, 18. Nos EUA, 17.  Na França, 14. Na África do Sul, 12. Ou seja: não muda nada. A energia brasileira é uma das mais caras do mundo em dólares. Ou em Big Macs…
Não conheço a questão da energia. Mas como consumidor, tenho perguntas. Simplórias e ingênuas: quem é que fixa os preços da energia no país? Tem alguma fiscalização? Que critério define esses valores? E com valores como esses, como é que ainda tivemos um apagão? E a todo momento somos lembrados de que pode haver outro? Pra onde vão os investimentos?… E por aí vai… Ingênuo, né? Mas necessário.
Volto então àquela questão que tratei no artigo A Entropia: alguém tem de tocar o alarme. O sistema está tão viciado, tão largado, a sociedade está tão excluída dos processos, que nos tornamos meros espectadores da incompetência, da ganância, da desonestidade, da irresponsabilidade, da falta de civilidade, da hipocrisia e do amadorismo social dos que nos dirigem. Sejam eles do PSDB, do PT, do PMDB ou da PQP.
A República dos Políticos está velha. Desatualizada. É má. Incompetente. Burra. Não pode assumir as rédeas.
O Brasil precisa de um choque.
Ou de Deus, pra fazer a parte que caberia aos brasileiros…