s
Artigos Café Brasil
Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Conhecimento sempre significou poder. Transitamos ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Em 2013, o neurocientista Thomas Insel criticou o lançamento do DSM-5. Ele escreveu que “diferentemente das definições de isquemia cardíaca, linfoma e Aids, os diagnósticos do DSM são ...

Ver mais

Ciência e Mito na Pandemia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Neste tempo de controvérsias de todos os tipos a respeito do Covid-19, é preciso perceber que há vários grupos econômicos com forte interesse em um ou outro tipo de biopolítica – as ...

Ver mais

O essencial e o acessório
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O essencial e o acessório Em 1984 ocorreu uma ampla reforma curricular nos cursos de ciências econômicas que instituiu uma série de mudanças a serem obedecidas por todos os cursos ministrados no ...

Ver mais

Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
O viés de confirmação leva ao isolacionismo ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Tudo o que é possível de ser tornado coletivo em grande ...

Ver mais

O Irlandês

O Irlandês

Luciano Pires -

Assisti O Irlandês, o novo filme de Martin Scorcese, na Netflix. Três horas e meia de cinema, que assisti de uma tacada só. E acho que nunca fiz isso fora de um cinema. Foram as maratonas de séries que me deram essa “habilidade”, rarararara.

Vamos lá, sem spoilers.

É um baita filme. Conta uma história que vai do final da II Guerra, passa pelos anos 70 e chega até os dias de hoje.

Eu fui obrigado a repetir os primeiros 45 segundos do filme, só para apreciar a transição de uma imagem de um filme antigo, gravado em 16 ou 8 mm, para o cinema digital atual, quando uma câmera percorre as dependências de um asilo, onde encontraremos Frank Sheeran, já em avançada idade, interpretado por Robert De Niro, que nos conduzirá pela trama.

O Irlandês é a história de uma vida, não uma história de um acontecimento ou período, como nos clássicos anteriores de Scorcese Os Bons Companheiros ou Casino. Por isso o ritmo é mais lento e os recursos que o diretor e o roteirista utilizam são muito diferentes daqueles aos quais estamos acostumados a ver nos filmes atuais, feitos para segurar atenção de quem quer novidades a cada três minutos.

O plot: De Niro, como Frank Sheeran, entra no submundo da máfia pelas mãos de Russel Buffalino, interpretado pelo grande Joe Pesci. Russel apresenta Frank para Jimmy Hoffa, interpretado por Al Pacino. Daí se desenvolve uma história de amizade que levará a um final surpreendente. E mais não digo.

Jimmy Hoffa é um personagem real, um chefe sindical poderosíssimo que desapareceu sem deixar vestígios em 1975. O filme conta o que teria acontecido com ele.

Assistimos a uma trama que a cada momento cruza com grandes acontecimentos históricos. A eleição de Kennedy e seu assassinato. A invasão da baía dos Porcos em Cuba, a crise dos mísseis russos. É muito interessante ver como os autores amarram a história com cada um desses acontecimentos, fazendo com que os personagens sejam não só espectadores, mas protagonistas dos fatos.

Comecei a assistir o filme esperando uma história da Máfia e encontrei a história de um ser humano, que aprende a usar a brutalidade como ferramenta para crescer num ambiente agressivo, e que ao final da vida começa um processo de busca de redenção. As cenas de De Niro sofrendo as consequências da velhice, das limitações de locomoção ao confinamento a uma cadeira de rodas, são impactantes e, de certa maneira, o que mais me marcou no filme. Coisa de idade.

E é impossível não imaginar que esse filme é um exercício do próprio Scorcese, um home velho, olhando para trás e revendo sua vida. Tem de tudo que Scorcese sempre usou em seus filmes: violência, valores cristãos, laços familiares, tradições, traições, a igreja … e a cultura italiana. Tá tudo lá.

Como contação de história, o roteiro de Steven Zaillian é brilhante. E como cinematografia, temos uma aula de cinema. Saborosa, completa. Até mesmo ao congelar os personagens e colocar um letreiro indicando quem eram e que fim levaram. Me fez ir para o Google mais de uma vez…

Sobre os atores, o trio principal é para ser assistido de joelhos, mesmo que De Niro pareça estar interpretando… De Niro e suas caretas. É sempre um show. Joe Pesci, que havia sido exuberante em Os Bons Companheiros, pela histrionice, brutalidade e loucura do personagem, aqui é o mesmo exuberante, mas pela forma contida. Fiquei esperando que ele explodisse a qualquer momento… Al Pacino está ótimo! Também esperei um “Say hello to my little firend!” rararararara. Até mesmo Harvey Keitel, que faz pouco mais que uma ponta, é uma presença marcante.

O que de melhor o cinema pode nos dar, está ali. Inclusive nos efeitos especiais.

É fácil maquiar um ator para que ele pareça mais velho, desde que você não seja o maquiador que fez Guy Pearce ter 100 anos em Prometeus, mas maquiar um ator para parecer mais jovem é uma encrenca. Por isso, normalmente se contrata autores jovens, como o próprio De Niro interpretando o personagem de Marlon Brando na juventude em O Poderoso Chefão II.
Em O Irlandês, o diretor optou por rejuvenescer Joe Pesci, De Niro e Pacino, com efeitos especiais. Deu certo, mas não engana… Fiquei o tempo todo incomodado com um “tem algo estranho” em cada cena. Dá pra sacar que existe algo ali. Não compromete o filme, e de certa forma é fascinante, mostrando que a tecnologia está quase lá.

A trilha sonora… bem, é um Scorcese. E eu pulei da cadeira logo no começo, ao ouvir Delicado, do brasileiríssimo Waldir Azevedo, numa gravação de Percy Faith, que fez sucesso em 1952…

Diferente dos outros filmes de Scorcese, a música abriu espaço para momentos de silêncio e contemplação. A substituição do vigor da juventude e dos rocks, pela quietude da reflexão. Em muitos momentos me peguei quieto, observando o personagem de De Niro, sem qualquer música de suspense ao fundo. É como se o diretor, que na juventude nos mostrou cenas de ação e vigor, agora esteja revelando a idade e diminuindo o ritmo ao contar sua história.

Se em Coringa você vê a vida transformando um homem pacato num monstro, agora você vê quem um dia foi um monstro, envelhecendo para se tornar um homem angustiado em busca de perdão por seu passado.

Olha, eu me senti em alguns momentos assistindo os filmes anteriores de Scorcese, homenageando outros filmes de Máfia (até me pareceu que numa cena de restaurante, a música usa os primeiros acordes da melodia imortal de O Poderoso Chefão). Me lembrei muito de Era Uma Vez Na América, de Sergio Leone.

A cena final é impactante pela solidão, a noção de que “é o fim”, que representa.

E o pavor de que o mesmo possa se repetir comigo.

O Irlandês é um PUTA filme, para ser degustado. Se você conhece cinema, vai se lambuzar.

Mas se você pensa que cinema é “Vingadores”, vai achar chato e cansativo.

Azar seu.