s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

O Macaco E O Baixo

O Macaco E O Baixo

Luciano Pires -

Em 1975 um conjunto chamado “10 CC” lançou uma música com grande sucesso : “I’m not in Love”. No arranjo chamava atenção o baixo. Ele era o instrumento mais importante. Era algo diferente, instigante até. Lembro-me de ver meu amigo Chiquinho com outros músicos estudando o arranjo e vibrando com o baixo. Mas um dia o Chico apareceu indignado. Contou que estava conversando com um conhecido músico sobre a tal música, quando o cara disse:


– A música é legal. O que estraga é aquele baixo…

“Onde já se viu? “ disse o Chico. “O baixo era a alma da música e aquele idiota não percebeu!” E o Chico foi embora resmungando… Fiquei com aquilo na cabeça. Um músico que não conseguia perceber um detalhe que fazia toda a diferença. Ou será que ele apenas não entendeu? O fato é que o detalhe principal foi deixado de lado pelo profissional.

Tempos depois, quando eu era diretor de arte aprendi uma historinha famosa no meio publicitário : a do criativo que bolou uma propaganda muito boa, que tinha como peça principal aquela cena dramática em que King Kong está sobre o Empire State Building em Nova Iorque, sendo atacado por meia dúzia de aviões. Ao apresentar a propaganda para o cliente ele ouve o seguinte:

– Excelente! Ótimo! Mas vou pedir uma mudancinha. Tire o macaco.

Você já passou por isso, hein? Ver o detalhe fundamental ser esquecido, não compreendido ou simplesmente ignorado por um míope profissional?

Pois estou vendo isso acontecer outra vez. Falei com alguns amigos que trabalham em grandes empresas. Perguntei como estavam as coisas e eles disseram que este foi um ano excelente para os negócios, mas que estava terminando de maneira melancólica. Estão cortando o cafezinho, fechando os departamentos de marketing, parando com os eventos, cortando os bônus e até as doações para creches. E as comemorações de final de ano dançaram!

– Poxa, mas nem um jantarzinho?

– Não! É a crise!

Veja só: as empresas têm um ano fantástico e estragam tudo no final, criando um clima de terror. O que deveria ser uma celebração pelos bons resultados vira tristeza. E a equipe que foi motivada a “dar o melhor de si”, ”superar as expectativas” e “performar”, termina o ano broxada, com gosto de derrota na boca. Mesmo que as metas tenham sido atingidas ou até ultrapassadas.
Em nome da “crise que vem aí” fica proibido celebrar as vitórias.

Burrice.

Celebrações cumprem um papel fundamental para as equipes e pessoas. São quando as pessoas percebem que fazem parte de um time ganhador. É quando mostramos que nossos planos estão dando certo. É quando calamos a boca dos urubus que jogam contra. É quando estreitamos laços. As celebrações das vitórias, pequenas ou grandes, são multiplicadores, momentos que ficam gravados. O bônus vai passar. O salário será gasto. Mas a emoção daquela celebração autêntica, respeitosa e bem feita nunca mais será esquecida.

Mas isso é pedir demais para os míopes profissionais, não é? Para eles o macaco, o baixo e festinhas são bobagens. Despesas.

Sabe que nome dou para essas decisões de pequenos executivos que administram suas empresas como contadores, jamais como líderes?

Miopia empresarial.

Ah, na sua empresa não é assim? Sorte sua. Você faz parte de uma minoria que ainda consegue enxergar longe. Aproveite, viu? Do jeito que as coisas estão, logo logo aparece uma cabecinha pra acabar com a festinha, o macaco e o baixo.

E só restarão as planilhas.