Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Brasis
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Brasis  “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça, fingindo não ver o que está vendo?” Bob Dylan Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

O marisco

O marisco

Luciano Pires -

Nos últimos 12 anos, os assassinatos no Estado de São Paulo recuaram 72%! De 35,27 a cada 100 mil habitantes em 1999, para 9,9 a cada 100 mil, em 2011. A cidade de São Paulo terminará 2012 com pouco mais de 10 mortos a cada 100 mil habitantes. Enquanto isso o Rio de Janeiro tem 24,3 mortos por 100 mil, mas ninguém fala em caos na segurança pública. Salvador tem mais de 55 mortos por 100 mil, mas não aparece nas primeiras páginas dos jornais. João Pessoa tem 80 mortos por 100 mil, mas o Ministro da Justiça não vai lá insinuar que o governo do estado é incompetente.

É um escândalo.

Em 2010 no auditório de um dos CEUS na cidade de São Paulo, diante de cerca de 300 policiais militares, preparei-me para fazer minha palestra GENTE NUTRITIVA, num evento de um dos comandos regionais da PM. Vários policiais foram condecorados por atos de bravura, e cada um deles tinha na plateia sua família. Era evidente o orgulho com que recebiam as condecorações. E então o Comandante, emocionado, fez uma homenagem póstuma a uma policial que, aos 30 anos de idade, perdeu a vida num enfrentamento com bandidos. Senti um misto de angústia e perplexidade ao imaginar como será estar ao lado da esposa e filhos, ouvindo a história de um colega seu que morreu numa situação como aquelas que você vivencia diariamente.

Comecei minha apresentação comentando o nome da palestra. O que é que “Gente Nutritiva” tinha a ver com 350 policiais fardados e armados? Bem, sem as fardas e armas, aquelas pessoas eram gente igual à gente, que sente frio e fome, calor e medo, amor e ódio. Gente normal que, por sua função, recebe da sociedade a autoridade sobre outras pessoas normais. Gente que pode ser, sim, nutritiva mesmo de arma na mão. Conversei com eles e seus familiares e saí de lá feliz por ter conhecido um lado da polícia que eu desconhecia: o lado dos seres humanos, que a gente não vê na imprensa, onde a polícia aparece quase que exclusivamente como a corporação que congrega gente perigosa que abusa da autoridade e mata.

É inevitável lembrar aquela experiência nestes dias violentos em que bandidos decretaram a caça a policiais em São Paulo. Morreram quantos já? 90? 100? E onde é que esses mortos foram chorados? Não vi choro na imprensa e nem político fazendo discurso para as famílias. Não vi videoclipes na televisão com o pianinho ao fundo enquanto aparecem as lágrimas da viúva do policial. Não vi representantes de entidades de defesa dos direitos humanos preocupados com os filhos dos que foram mortos pela bandidagem. Por que para esses corajosos defensores dos oprimidos, policiais mortos não merecem lágrimas? Porque são eles os criminosos?

Dentro de uma corporação com mais de 90 mil homens e mulheres é normal que existam desonestos, aproveitadores e até bandidos. Mas imaginar que esses são a maioria é abusar da estupidez.

Aquelas pessoas comuns debaixo das fardas, assim como você, estão sendo usadas – mais uma vez – como peças de um jogo político que tem por objetivo único a conquista do governo do Estado de São Paulo. Não importa se estão morrendo, não importa se São Paulo tem a política de segurança pública mais bem sucedida do país. Não importa o que acontece de fato. Só importa a versão do fato.

Na briga do rochedo com o mar, quem se ferra é o marisco, lembra?

O marisco é você.

Luciano Pires