s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

O Montanhista

O Montanhista

Luciano Pires -

Um amigo está escalando o Everest. Carlos Morey, que conheci quando estava me preparando para a caminhada ao Campo Base da maior montanha do mundo, levou a sério um plano ambicioso: escalar cada uma das montanhas mais altas de cada continente. E só falta o Everest.


Quem nunca foi para a montanha dificilmente entende o que alguém vai fazer lá. Uma coisa que as pessoas sempre me perguntam é se me tornei mais “espiritual”, se algo mudou no meu jeito de ver a vida em função da viagem. Se encontrei Deus.
Explico que não fui para lá com esse objetivo. Deus ou Maomé ou Buda ou Jeová ou qualquer outra referência religiosa ou de valores são coisas pessoais, que têm as mesmas raízes e um só fundamento: o respeito ao semelhante.
Caminhando na trilha do Everest mergulhei em mim e estive muito próximo de um estado religioso. Ao contemplar a natureza selvagem também. Ao observar a energia das pessoas que vivem numa região inóspita e miserável, com alegria e gentileza inigualáveis, idem.


Lembro-me da história de um alto executivo que trabalhava na costa Oeste dos EUA. Um dia, recebeu um convite para transferir-se para outra empresa, em Nova Iorque, a cerca de 4.500 de quilômetros de distância. Quem o convidou passou a seguinte instrução:


– Venha para cá conversar. Mas você deve vir de trem. Numa cabine só sua. Sem livros, TV, rádio, revistas ou jornais.


O executivo estranhou, mas atendeu. Durante horas permaneceu sozinho com seus pensamentos. Nada para distrair a atenção. Apenas refletindo. No trem, teve muito tempo para raciocinar a respeito e entendeu a instrução “absurda” de seu amigo. Foram aquelas horas de concentração que lhe permitiram avaliar profundamente a proposta, as conseqüências e os riscos. Quando chegou a NY, já tinha tomado a decisão que mudaria sua vida: aceitou a proposta.

Sabe aquela parada que a gente dá para um cafezinho? Aquele momento mágico em que relaxamos e que, muitas vezes, é o momento em que surgem as idéias, a inspiração? O Everest foi meu cafezão.
Eram horas de caminhada diária. Concentração nos passos, na respiração. Um ritmo que me colocava num estado mental muito próximo da meditação. Usei aquele tempo para pensar na vida. Questionar a razão de suportar coisas que me desagradavam. Imaginar que eu seria capaz de realizar coisas que achava impossíveis…


A trilha do Everest me deu inclusive a resposta para uma questão que me agoniava. Durante pelo menos oito anos, morei num extremo da cidade de São Paulo e trabalhei noutro. Eram quase 90 quilômetros entre ida e volta, que me tomavam por dia cerca de três horas, num trânsito infernal. Por muito tempo questionei o absurdo de jogar fora três horas diárias de alguns dos anos mais produtivos de minha vida.
Na trilha do Everest percebi que aquela rotina diária no trânsito não era improdutiva. Aquelas eram horas preciosas de reflexão, de criação. Muito do que realizei nasceu dos momentos em que me vi só, no trânsito, quase em estado de meditação. Imagino que essa seja a recompensa dos que vão para o Caminho de Santiago. Dos navegadores solitários. Dos montanhistas. Dos corredores. Dos esportistas de alto desempenho.


Reflexão.


Foi isso que a trilha do Everest me proporcionou. O bastante para mudar minha vida. Por isso vou pras montanhas.


A aventura do Carlos Morey está sendo acompanhada no blog www.omeueverest.com.br/blog . Se você tiver tempo, passe por lá e deixe uma mensagem pra ele.