s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

O Quarto Do Poeta

O Quarto Do Poeta

Luciano Pires -

– Eu amo o mundo! Eu detesto o mundo! Eu creio em Deus! Deus é um absurdo! Eu vou me matar! Eu quero viver!
– Você é louco?
– Não, sou poeta.


Esse é o poema “Simultaneidade” de Mario Quintana, poeta gaúcho cuja obra é reverenciada por todos os que têm sensibilidade para perceber as sutilezas da alma. Escrevi este texto na Casa de Cultura Mario Quintana, em Porto Alegre, enquanto preparava-me para realizar uma palestra.
Originalmente um hotel construído no início do século passado, a Casa de Cultura Mario Quintana transformou-se num grande centro voltado à preservação e incentivo das artes. Localizada no centro de Porto Alegre, conta com dezenas de salas de leitura, teatros, ateliês e auditórios. E promove eventos diariamente. É um banho de cultura, num país que precisa desesperadamente de cultura.
Mas lá existe um lugar mágico. Um quarto do antigo hotel, onde viveu Mario Quintana por vários anos, está preservado. É o “quarto do poeta”.
Numa pequena sala, por uma parede de vidro, pode-se ver o quarto simples, com os pertences do poeta que faleceu em 1994 aos 88 anos.
Fascinado, me atrevi a perguntar se era possível entrar no quarto. Como eu era o palestrante do dia, a resposta foi “sim”. O diretor foi buscar a chave e meu estômago foi ficando gelado… Pedi para entrar sozinho e para que o diretor fechasse a porta.
Pronto. Eu estava dentro de um santuário.
Em silêncio, caminhei pelo quarto minúsculo.
Ali, uma velha máquina de escrever. Toquei nas teclas. Do lado, alguns livros. Toquei na bengala encostada na cadeira. Não me atrevi a sentar na poltrona. Na parede, fotos de Greta Garbo, Cecília Meirelles, Charles Chaplin… A cama, pequenina, com o lençol bordado… Um cinzeiro cheio de bitucas. Uma garrafa de água mineral. Sobre uma mesa, uma velha TV destoando do ambiente. Emocionei-me ao tocar nas folhas de caderno onde, com sua letra, estavam escritos alguns poemas.
Simples. Admiravelmente simples. Assim era o poeta. Para causar impacto sobre nossas vidas precisou apenas de poucos pertences e um tímido quarto de hotel.
O poeta não fez planos de marketing.
O poeta fez arte. E tornou-se eterno.
Saí do quarto emocionado. Em silêncio, lembrando do “Poeminha do Contra”, do grande, simples e solitário Mario Quintana:


Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!