s
Artigos Café Brasil
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Conhecimento sempre significou poder. Transitamos ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Em 2013, o neurocientista Thomas Insel criticou o lançamento do DSM-5. Ele escreveu que “diferentemente das definições de isquemia cardíaca, linfoma e Aids, os diagnósticos do DSM são ...

Ver mais

Ciência e Mito na Pandemia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Neste tempo de controvérsias de todos os tipos a respeito do Covid-19, é preciso perceber que há vários grupos econômicos com forte interesse em um ou outro tipo de biopolítica – as ...

Ver mais

O essencial e o acessório
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O essencial e o acessório Em 1984 ocorreu uma ampla reforma curricular nos cursos de ciências econômicas que instituiu uma série de mudanças a serem obedecidas por todos os cursos ministrados no ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Tudo o que é possível de ser tornado coletivo em grande ...

Ver mais

Cafezinho 360 – Sobre políticos e educadores
Cafezinho 360 – Sobre políticos e educadores
Em política, quem pensa em eternidades é atropelado ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…

Luciano Pires -

Resumo da história: Balram é um garoto miserável, vivendo num povoado miserável no interior da Índia, onde é explorado pela avó, a matriarca da família. Seu sonho é servir um patrão poderoso, que ele encontra em Ashok, filho caçula de um mafioso que explora a região. Ashok é casado com Pinky, que foi criada nos EUA desde criança e contesta a cultura machista e autoritária do pai do marido. Balram começa um processo para escapar da vida miserável, experimentando o choque entre as castas sociais e pagando um preço alto por isso.
Pronto. Esse é o pano de fundo para um dos mais instigantes filmes que assisti nos últimos tempos. Na verdade, não me lembro de ficar tão entusiasmado com um filme desde Tropa de Elite e Cidade de Deus. O filme é sensacional.
Primeiro porque nos joga dentro da realidade miserável do interior da Índia, esfregando em nossa cara a realidade de quem vive para sobreviver. Somente para sobreviver. A miséria, o lixo, a desesperança, os problemas sociais, a corrupção, a violência, estão ali estampados – na verdade, escarrados – na cara da gente.
Segundo, porque a narrativa é irresistivelmente bem-humorada, com uma direção inteligente, cinematografia de primeira e um ator principal que é arrasador. O jovem Adarsh Gourav, que iniciou a carreira em 2017, é como o Alexandre Rodrigues que interpretou o Buscapé de Cidade de Deus, o ator que incorpora o personagem que vive dentro de si. Fica evidente que Adarsh está representando uma realidade que conhece perfeitamente. Conhece tanto que consegue caricaturar a realidade. Ele narra a história, que caminha em flashs entre passado e presente, com uma graça que torna impossível não torcer por ele o tempo todo. Exatamente como fizemos com o Buscapé. A cena em que ele se vê forçado a assinar uma declaração, é simplesmente genial. Por meio de close-ups que chegam a deformar o riso sem graça de Balram, o diretor nos deixa absolutamente empáticos com o garoto. A sensação é que aquela situação surreal está acontecendo conosco! Sensacional.
O filme é um grande comentário sócio-político sobre a divisão em castas e entre os pobres e ricos na Índia. Talvez lá esteja o maior contraste entre classes no planeta. As tradições sociais da cultura indiana estão explícitas, exploradas com um humor e acidez que torna difícil acreditar que o diretor do filme não é indiano. E não é. Ramin Bahrani é um cineasta americano-iraniano, que consegue nos remeter para a realidade do terceiro mundo como só quem tem um pé naquela cultura conseguiria.
A grande ironia é que o filme se desenvolve a partir de uma série de e-mails que o protagonista endereça ao Premier da China que está para visitar Bangarole na Índia. Ele crê, e explicita, que o tempo do homem branco passou, o futuro é dos amarelos e marrons. E o tempo todo esfrega essa ideia em nossa cara. Balram termina bem-sucedido (não é spoiler, já que o filme começa com ele no presente, lembrando sua história), e sua história mostra como a ideia da meritocracia pode ser relativa, dependendo da sociedade na qual você vive.
Outro ponto fundamental é o foco no individualismo de Balram. Ele é um solitário, batalha contra tudo e todos, não aceita se juntar a grupos, nem engole ideias coletivistas. Ele só vê sucesso, e não acredita que para isso dependa de um programa de televisão que o deixe rico. Tem uma referência deliciosa aqui.
As cenas que envolvem Pink, a esposa rebelde de Ashok, mostram o tamanho do abismo cultural a ser ainda vencido pela sociedade indiana. Ela quer mudar as coisas, age a respeito, coloca-se em risco, mas percebe que não poderá fazer nada contra aquela cultura. E a exposição do sistema corrupto indiano, com direito a malas de propina, deixa claro que não somos muito diferentes, quando se coloca em perspectiva o poder. Onde há poder, há injustiça, corrupção, inveja e ganância. Aqui ou na Índia.
Não perca. Para mim esse é o maior lançamento do ano, e Adarsh Gourav merece, no mínimo, uma indicação ao Oscar.