Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

O Vampiro

O Vampiro

Luciano Pires -


O VAMPIRO


 Lá estava eu, caminhando pela avenida Paulista em meio a três mil pessoas, num domingo friorento, na passeata do Dia pela Dignidade Nacional. Muita emoção, discursos inflamados e um clima de indignação genuína (opa!) no ar. Lá pelas tantas, o carro de som começa a tocar “Pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré. Os cinqüentões foram invadidos pelas lembranças de um tempo em que tinham mais cabelo e menos barriga e saiam às ruas combatendo a repressão. E então alguém começa a gritar:


– O povo. Unido. Jamais será vencido!


Como uma onda, o grito toma conta da multidão. E logo estamos todos, a plenos pulmões, enchendo a Avenida Paulista com o grito indignado:


– O POVO! UNIDO! JAMAIS SERÁ VENCIDO!


Foi emocionante. Não nego que meus olhos ficaram marejados e eu torci para estar participando do começo de um movimento capaz de provocar mudanças. Voltei para casa esperançoso, liguei a televisão e… Nada. Nadica. Néris de pitibiribas. Descobri que o evento do qual participei e que mobilizou milhares de pessoas em várias cidades do Brasil, simplesmente não aconteceu. Foi uma ilusão. A Fátima Bernardes não falou dele. Nem o Bonner. Nem o Bial… E se não deu na Globo, não aconteceu!


Mas pouco tempo depois, ouço outra vez o grito popular:


– O POVO! UNIDO! JAMAIS SERÁ VENCIDO!


Desta vez foi o MLST – Movimento pela Libertação dos Sem Terra, invadindo a Câmara em Brasília e proporcionando um deprimente espetáculo de manipulação popular, ódio e intolerância. Eram apenas 500 pessoas. Na verdade, 50 arruaceiros conduzindo uma manada que provavelmente não sabia o que estava fazendo. Os “inocentes úteis” dos anos sessenta e setenta revividos. E deu em todos os jornais. Em todas as rádios. Em todas as televisões…


Me senti um bocó de mola, ouvindo os invasores da Câmara gritando as mesmas palavras de ordem que eu gritei na Paulista. Eu, bobão, em meio a milhares de amadores, num evento que não aconteceu. Eles, profissionais, com apenas 500 pessoas, promovendo um evento que ocupa todos os espaços da mídia. Ambos tinham objetivos claros e organização. Mas um foi sucesso de mídia. E o outro, um fiasco.


Afinal, qual a diferença entre os “amadores” da Avenida Paulista e os profissionais do MLST? Pense um pouco…


Minha amiga, meu amigo, a diferença foi o… Sangue. Sangue.


A manifestação que seguiu as regras da civilidade, não chamou nenhuma atenção da mídia. A mídia não está interessada no conteúdo, mas na forma. A manifestação pacífica e ordeira foi invisível.


O outro evento, no entanto, selvagem, agressivo, quebrou as regras e a lei. Derramou sangue. E, do jeitinho que seus organizadores queriam, tornou-se visível e conquistou espaço nobre nas televisões, jornais e revistas.


Conclusão?


A mídia é um vampiro. Precisa de sangue. Ama o sangue. Vive de sangue.


A mídia, sem qualquer responsabilidade com a cidadania, não percebe que fechando os olhos aos movimentos legítimos e ordeiros para dar espaço apenas à anarquia, está passando uma mensagem perigosa:


– Quer ser ouvido? Traga-me sangue!


A mídia promove o sangue.


– Ah, mas sempre foi assim…


Sempre foi?


Então torça para que esse sangue nunca seja de alguém que você conhece.