s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Operação Padrão

Operação Padrão

Luciano Pires -

OPERAÇÃO PADRÃO

Um amigo me explica como está sendo desenvolvido o processo de “lean manufacturing”, ou “manufatura enxuta” na sua empresa. Essa é a moda da hora, um processo que prevê produzir mais com menos recursos. Tem resultados assombrosos, obtendo índices de produtividade crescente com menos gente, menos máquinas, menos operações, menos espaço, menos tempo.
O que chamou a atenção foi quando ele me contou que criaram um time apelidado de “swat”, para analisar as mudanças necessárias e implementa-as imediatamente. O grupo não usa o processo de compras normal, não espera para mudar as coisas, resolve os problemas imediatamente. Quebra as normas burocráticas para obter o resultado necessário. Imediatamente.
O irônico é que a empresa passa, neste momento por um processo de burocratização insano. Depois dos escândalos fiscais das grandes corporações, foram criados procedimentos para garantir a integridade fiscal do negócio que exigem um nível de documentação que está engessando as empresas. Uma compra que era feita na hora, hoje leva uma semana. Uma contratação resolvida em minutos, hoje leva dias.
A pressão pela transparência das transações está fazendo com que as responsabilidades sejam pulverizadas. A tomada de decisão que ontem era feita por uma pessoa hoje é de um departamento. Tem gente no jurídico, no RH, na auditoria, na contabilidade, especializando-se em garantir que as normas sejam seguidas à risca. Normas…
E os processos começam a ficar complicados, demorados. O senso de urgência desaparece. A eficiência operacional cresce, mas a capacidade de resposta ao mercado, aos clientes e à concorrência, é pulverizada.
É então que o sistema começa a criar soluções como a tal “swat”, feita para driblar os processos paquidérmicos que o mesmo sistema criou.
Não é o samba do crioulo doido?
Normas…
Lembrei-me daquela placa com limite de velocidade de 40 por hora num lugar onde perfeitamente podemos chegar a 80. Normas. Lembrei-me das operações-padrão nos aeroportos ou na polícia federal. Todos os vôos atrasam. As filas ficam quilométricas. Gasta-se horas num processo que normalmente leva minutos. A razão?
Normas seguidas à risca… Sempre as normas…
Quem é que vai ganhar esse jogo, hein?
A burocracia selvagem e burra baseada na desconfiança mútua? Ou o discurso do “foco no cliente”, da velocidade de decisão e da inovação?
Não sei.
Mas talvez seja hora de entender que o controle é inimigo da imaginação.