s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Oportunismo Disciplinado

Oportunismo Disciplinado

Luciano Pires -

OPORTUNISMO DISCIPLINADO

 Você já refletiu sobre a forma como nós brasileiros administramos nossos projetos? De um lado, a indisciplina coletiva que beira a irresponsabilidade. De outro um potencial criativo capaz de soluções inacreditáveis.


Brasileiros não se adaptam a planos longos e complexos. Brasileiros querem fazer. Querem ação. E pagam um preço alto por isso.


Mesmo quando obtemos sucesso é difícil explicar nossas ações. Aos olhos dos estadunidenses, japoneses, alemães e outros “primeiromundistas”, somos pouco confiáveis e indisciplinados. Jogamos com uma taxa de risco que lhes é inaceitável. E se der errado?


Mas somos treinados a viver no risco. Nossos planos, quando existem, têm milhares de brechas para um “jeitinho”, enlouquecendo as pessoas mais, digamos, cartesianas.


Flexibilidade, seu nome é Brasil.


Existe outra explicação para as escolas de samba, por exemplo? Pois adotei esse estilo de administração brasileiro, que chamo de “Oportunismo Disciplinado”. Trabalho com a equação “sessenta por quarenta”. Meus planos têm 60% das variáveis sob controle. As outras 40% eu guardo para as oportunidades. O preço disso é manter-se antenado todo o tempo. De repente aparece algo que não estava no plano ou no orçamento, mas é tão bom que tem que ser aproveitado. Pois encaixe-se no plano.


Meu plano é flexível, aberto às oportunidades. E como essa atitude não faz “parte do plano”, mas “É” o plano, as oportunidades surgem naturalmente.  Mais que isso: conto com elas.


Foi assim que surgiu minha viagem ao Everest. O meu livro Brasileiros Pocotó. A minha ação de recuperação do Copersucar. O meu site. A Melô do Pocotó. O meu programa de rádio… E centenas e centenas de coisas que fiz.


Se meu plano fosse 100% definido, ao qual eu estivesse amarrado como um estadunidense, japonês ou alemão, duvido que eu estivesse aqui, escrevendo estas linhas.


Talvez eu fosse hoje um alto executivo de multinacional, trabalhando nos EUA e cuidando de atividades globais. Bem colocado na vida, respeitado, celebrado e… Infeliz.


Foi o “oportunismo disciplinado” que me transformou num executivo / escritor / radialista / montanhista / cartunista / conferencista / provocador e o que mais aparecer pela frente…


Mais que resultado dos 60% de organização e controle, sou os 40% flexibilizados, improvisados e irreverentes. Mas disciplinados.


Que interessante… Não fosse pelo “disciplinado” eu diria que sou um… Brasileiro…