s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

#ORGULHOEVERGONHA

#ORGULHOEVERGONHA

Luciano Pires -

Elaboro este texto no dia 9 de Julho de 2014, quarta feira das cinzas, tentando aplacar os sentimentos desta manhã de ressaca dos 7 x 1 que a Alemanha aplicou na Seleção Brasileira em eliminatória da Copa do Mundo. Não apenas pelo jogo, que é inexplicável, mas pelo momento que vivemos no país.

Escrevi muito tempo atrás e repito: a Copa no Brasil seria exatamente como o Carnaval na Marquês de Sapucaí, no dia do evento fazemos o maior espetáculo da terra, quebra um carro aqui, cai um destaque ali, mas no geral é maravilhoso. Dois dias depois as fantasias desmancham, as cores desbotam, os brilhos esmaecem, a cola solta, a tinta descasca, os ferros enferrujam e o que não é descartável fica empilhado num terreno baldio, deteriorando. E a turma vai pagando as contas até recomeçar tudo no ano que vem.

Antes da Copa vimos manifestações por todos os lados pregando o desastre, dizendo que tudo daria errado. Matérias pelos jornais estrangeiros dando conta dos perigos de vir ao Brasil, da prostituição, da miséria, da corrupção, dos desmandos. Por ver nas críticas, várias delas injustas, um fundo de verdade, senti vergonha.

Passada a Copa os estrangeiros retornam para suas casas deslumbrados com o Brasil, com a festa, com nossa simpatia, nosso sol, praias, educação e alegria. Os estádios ficaram lindos, os jogos foram emocionantes, com talento e drama na medida exata (até os 7 x 1, pelo menos). A Copa do Mundo no Brasil, assim como o desfile das escolas na Marquês de Sapucaí, foi um sucesso. E isso me enche de orgulho.

Mas quando penso na prioridade que demos à Copa enquanto problemas fundamentais continuam de lado, sinto vergonha.

E o espetáculo da torcida e dos jogadores no momento do hino? Como não se arrepiar, não se emocionar, não cantar junto? Me deu orgulho!

Mas acabou, hoje é quarta feira das cinzas do Massacre do Mineirão. Os 7 x1 foram o tapa que o mocinho dá na mocinha descontrolada para ela acordar para a realidade.

E agora? Não tem juiz pra botar a culpa. Não tem gramado pra botar a culpa. Não tem onde botar a culpa, a não ser em nós mesmos. É hora de retornar à realidade, aos problemas que todos conhecemos, e agora com os 7 x 1 nas costas. Que vergonha.

Mas o Massacre do Mineirão pode ser pedagógico: talvez – eu disse talvez – extrapole o futebol e contribua para acabar com a arrogância, o “jeitinho”, o “a gente se vira”, o “na hora dá certo”. Para mostrar que é impossível levar um sonho adiante sem gente capaz de colocar em prática um plano. Mostrar que o “mais ou menos” é pouco, que talento é fundamental, mas sem disciplina e aplicação fica dependendo da sorte. E que talvez Deus não seja só brasileiro.

– Mas gente, Copa do Mundo é só futebol, que é só um jogo!

Verdade. Mas a Copa do Mundo no Brasil foi também uma metáfora sobre orgulho e vergonha.

Lembro-me então que um leitor chamado Claudio, ao comentar um artigo em que eu falava do orgulho e da vergonha de ser brasileiro, soltou esta pérola: “… se tenho orgulho ou vergonha do meu país? Acho que tenho vergulho. Ou orgonha. Vale ter vergonha e orgulho ao mesmo tempo?”

Vergulho e orgonha… Taí. Tenho orgonha de ser brasileiro.

E se tivéssemos conquistado o hexa eu teria vergulho.

O que, no fim, dá na mesma.

Luciano Pires