s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Os Meninos Maluquinhos

Os Meninos Maluquinhos

Luciano Pires -

Parece mentira: 303 quilômetros por hora! Na Rio-Santos! Essa é a marca do Recorde Brasileiro de Velocidade, batido em 1991. Naquele ano eu era o Gerente de Marketing da Albarus, que estava lançando os anéis de pistão Perfect Circle. Coube a mim coordenar a quebra do recorde como parte dos eventos para promover a marca. O piloto foi o Fabinho Sotto Mayor e as imagens daquele Opala Stock Car voando baixo sobre a Rio-Santos de 20 anos atrás são de arrepiar, especialmente quando o capô voa longe. Uma revista deu destaque para o feito com uma matéria cujo título foi “O menino maluquinho”.

Depois do evento mantive contato com o Fabinho até ele mudar-se de São Paulo. Nunca mais nos vimos. Esta semana, após participar de um programa de televisão, mudei a rota de retorno para casa, só para passar pela lanchonete Oregon, no bairro de Pinheiros, aqui em São Paulo. Ali, desde os anos 80, devoro o melhor cheese-egg-salada do mundo! Já era tarde da noite, fiz meu pedido e… quem entra pela porta, também sozinho, também desviando do caminho para comer um cheese-salada? O Fabinho! Foi um reencontro delicioso, relembramos daquelas loucuras de 1991 e assim que pude corri pro Youtube para rever o pequeno documentário que realizamos na época, e que você pode assistir aqui: http://bit.ly/ch1mHH

Rever aquelas imagens dá um frio no estômago. Como é que fizemos uma maluquice daquelas? Na ondulada pista de asfalto da Rio-Santos? Com condições mínimas de segurança, chances enormes de um acidente envolvendo o carro, o piloto e as centenas de pessoas que assistiam o evento? Olho aquilo e não consigo não exclamar:

– Como éramos malucos! Hoje eu não correria aquele risco!

Pois é. Em 1991 eu tinha 35 anos, era um garotão, cheio de energia, de invenções, de vontade de fazer acontecer. Metia os peitos mesmo, correndo riscos e quebrando paradigmas. E quando encontrava outro maluco como o Fabinho, dava naquilo…
Hoje tenho uma percepção diferente sobre até onde vale a pena chegar. A verdade é que amadureci e agora dou valor ao que 20 anos atrás passaria batido. Mas não acho que isso tenha me tornado um “cagão”. No entanto, para a garotada de 35 anos devo ser o tiozinho que empata as coisas, que não faz e que não deixa fazer, que acha defeito em tudo, que tem medo de correr riscos.
Hoje, tenho uma percepção diferente sobre até onde vale a pena chegar. Mas não acho que isso tenha me tornado um “cagão”. A verdade é que amadureci e agora dou valor ao que 20 anos atrás passaria batido. Mas para a garotada de 35 anos, devo ser o tiozinho que empata as coisas, que não faz e que não deixa fazer, que acha defeito em tudo, que tem medo de correr riscos.

Pois é. Essa é mais uma das maravilhas da vida: o amadurecimento nos protege. Evita que ultrapassemos nossos limites pois, como alguém disse uma vez, “depois dos cinqüenta, todo salto é mortal”.
Passei a lidar com medos que nunca tive e com a perspectiva de ficar paralisado por eles. Mas a maturidade fez com que eu percebesse que aquele frio na barriga, que paralisa muita gente, na verdade é um aviso.
Para alguns significa medo: Pare! Não se arrisque! Seja prudente!
Mas para outros significa estar muito perto de tentar algo que “não se faz”. Ir para onde não se vai. Sair fora da média.

Tai uma grande lição destas duas décadas, que acho que no fundo é o que acontece com os grandes pilotos como o Fabinho: aprendi a usar o medo a meu favor.

Por isso continuo um menino maluquinho.