s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Os monstros da negatividade

Os monstros da negatividade

Luciano Pires -

Nesta manhã de 12 de maio de 2016, minutos após a notícia do afastamento de Dilma Rousseff pelo Senado, me sinto num daqueles diálogos:

– Bom dia!

– Bom dia pra você, pra mim tá uma merda!

– Você está bonita hoje!

– Eu não estava bonita ontem?

Imagino que todo brasileiro esteja descontente com os caminhos que o país tomou até aqui. Imagino que ninguém esteja satisfeito com os números da economia ou dos indicadores sociais. Entendo que ninguém se conforma com os 11 milhões de desempregados. Compreendo que todos estejam indignados com as comprovações da corrupção em todos os setores. Acredito que todos os brasileiros querem mudança, aliás, urgem por mudanças. Não dá para continuar como está.

E então nos mobilizamos, vamos às ruas, demonstramos que quem quer a mudança é a maioria, todos os passos que a lei exige são seguidos, direito de defesa é dado a todos os acusados em todas as etapas do processo e, por decisão da maioria, a mudança acontece.

E o que vejo, especialmente nas mídias sociais, é a quantidade assustadora de gente com pensamento negativo sob todas as formas, imputando motivações e intenções negativas a qualquer um que se diz esperançoso, manifestando incredulidade com qualquer um que decida participar da mudança, pessimistas apostando que nada dará certo, desconfiança, má vontade, aversão a risco e frustração. Embora a gente tenha de lidar de quando em quando com essas pessoas negativas, elas têm de lidar consigo mesmas todo o tempo. E isso é uma fonte inesgotável de angústia. No fundo os monstros da negatividade pensam assim:

– Se as pessoas agissem como eu quero, aí sim as coisas andariam bem.

Sentiu a arrogância dos que se sentem acima dos demais, capazes de entender o que os outros não entendem, de enxergar o que outros não enxergam, certos de que são capazes de prever o futuro pessimista que os ignorantes que acham que “agora vai” não têm?

Os que assaltam as áreas de comentários com suas ideias negativas são incapazes de perceber sua atitude destrutiva no momento em que precisamos nos unir para construir. As coisas não estão indo do jeito que a pessoa quer e como ela não tem maturidade para compreender esse sentimento interno de frustração, nem para comunica-lo de forma produtiva, faz o que aprendeu quando criança: chora. Esperneia. Birra. Foi o que sobrou para os que experimentam a angústia de não ter controle sobre sua vida. Para os que precisam admitir a consciência de sua impotência.

E o pior: quem está pessimista em relação a seu futuro, jamais conseguirá contribuir para o sucesso dos outros. Aliás, culpar esses outros, o sistema, as elites, os elementos externos, é o que existe em comum nos monstros da negatividade.

Para quem está em outra vibe, apostando na mudança, aceitar os negativos esperando que, com o tempo, mudarão de visão, é uma atitude passiva que alimenta o monstro da negatividade, que se sentirá justificado, ficará mais forte e violento, apostando que em algum momento dirá o “eu avisei!”. E inconscientemente, até mesmo trabalham para isso!

Apenas reconhecer e tolerar o direito do outro de ser negativo, não muda nada.

O que fazer então?

Bem, primeiro cuidar de sua armadura emocional para não se contaminar com os negativos. Proteger sua energia, sua motivação para mudar.

Depois demonstrar sua segurança, deixar claro que você escolheu outro caminho e – se possível – explicar a razão. Mostrar que você prefere aceitar os riscos e ter a chance de acertar a permanecer no ressentimento passivo. O negativo não sabe mais que você, não pode adivinhar o futuro, só pode se alimentar de suas angústias e gerar energia negativa para que as coisas não mudem.

“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra disso? Essa frase arrogante foi dita por um monstro da negatividade. Não quero gente assim por perto. Não preciso de gente assim por perto. Neste momento, quero gente positiva, que contamina os outros com sua energia boa. Gente que fará bem para mim.

Entendido? Neste texto falei como agirei de dentro pra fora para participar do momento de mudança do Brasil e vencer os monstros da negatividade.

Agora preciso trabalhar.

Tem mais um monte de bandido pra botar na cadeia.