s
Artigos Café Brasil
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Você já ouviu falar em autoilusão? A forma como nós ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

John Williamson e o Consenso de Washington
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
John Williamson e o “Consenso de Washington” “O Consenso de Washington já foi “aquela babaquice” reproduzida por Marcos Lisboa no início do governo Lula, citando a famigerada entrevista de Maria ...

Ver mais

Comércio Eletrônico no Brasil e que fazer em 2021
Michel Torres
No início de abril passávamos pela primeira experiência de fechamento do comércio na maioria das cidades no Brasil em função da pandemia do COVID-19. Esse grande desafio global estava apenas ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Não tenho tempo de vida para amizades supérfluas.

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Cafezinho 373 – oladocheio.com
Cafezinho 373 – oladocheio.com
Venha para o lado dos que querem construir.

Ver mais

Os Preçonhentos

Os Preçonhentos

Luciano Pires -

OS PREÇONHENTOS


Alguns conhecidos voltaram da China impressionados. Um determinado produto que o Brasil fabrica um milhão de unidades, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões… A qualidade já é equivalente. E a velocidade de reação é impressionante. Os chineses colocam qualquer produto no mercado em questão de semanas… Com preços que são uma fração dos praticados aqui.


Uma das fábricas está de mudança para o interior, pois os salários da região onde está instalada estão altos demais: 100 dólares. Um operário brasileiro equivalente ganha 300 dólares no mínimo. Que acrescidos de impostos e benefícios, representam quase 600 dólares. Comparados com os 100 dólares dos chineses, que recebem praticamente zero benefícios…


Hora extra? Na China? Esqueça. O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego, que trabalha horas extras sabendo que nada vai receber…


Essa é a armadilha chinesa. Que não é uma estratégia comercial, mas de poder. Os chineses estão tirando proveito da atitude dos marqueteiros ocidentais, que preferem terceirizar a produção e ficar com o que “agrega valor”: a marca. Dificilmente você adquire nas grandes redes dos Estados Unidos um produto feito nos Estados Unidos. É tudo “made in China”, com rótulo estadunidense. Empresas ganham rios de dinheiro comprando dos chineses por centavos e vendendo por centenas… Mesmo ao custo do fechamento de suas fábricas.


É o que chamo de “estratégia preçonhenta”.


Enquanto os ocidentais terceirizam as táticas e ganham no curto prazo, a China assimila as táticas para dominar no longo prazo. As grandes potências mercadológicas que fiquem com as marcas, o design… Os chineses ficarão com a produção, desmantelando aos poucos os parques industriais ocidentais. Em breve, por exemplo, não haverá mais fábricas de tênis pelo mundo. Só na China. Que então aumentará seus preços, produzindo um “choque da manufatura”, como foi o do petróleo. E o mundo perceberá que reerguer suas fábricas terá custo proibitivo. Perceberá que tornou-se refém do dragão que ele mesmo alimentou. Dragão que aumentará ainda mais os preços, pois quem manda é ele, que tem fábricas, inventários e empregos… Uma inversão de jogo que terá o impacto de uma bomba atômica. Chinesa.


Nesse dia, os executivos “preçonhentos” tristemente olharão para os esqueletos de suas antigas fábricas, para os técnicos aposentados jogando bocha na esquina, para as sucatas de seus parques fabris desmontados. E lembrarão com saudades do tempo em que ganharam dinheiro comprando baratinho dos chineses e vendendo caro a seus conterrâneos…


E então, entristecidos, abrirão suas marmitas e almoçarão suas marcas.