s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Os suspeitos

Os suspeitos

Luciano Pires -

Na TV Record, reportagem mostra bandidos mantendo dois jovens como reféns numa loja. Na imagem em quase close, os bandidos aparecem com uma pistola e uma faca, ameaçando matar as vítimas. A negociação dura mais de uma hora até que, ajudada por parentes dos bandidos, a polícia rende os vagab… ops! os infratores. E a repórter da Record informa:

– Os suspeitos estão algemados e são colocados no camburão.

“Suspeitos?”. O que será que os bandidos deveriam fazer para deixar de ser “suspeitos”?

Isso me lembrou de um texto publicado no www.sandrofortunato.com.br chamado MANIA DE SUPOSTO:

“Suposto(a) foi a palavra mágica que a imprensa resolveu adotar para minimizar – ao menos para si mesma no caso de processos – os males causados pelo débil jornalismo que vem sendo feito na última década e meia. O denuncismo (mais que uma mania, uma praga), a sede louca por apontar coisas erradas, fez esquecer um dos princípios básicos do jornalismo: apurar a veracidade de uma informação. E para não voltar a ter esse trabalho, a saída foi passar para o campo da suposição.

Se tudo é hipotético, o que está sendo feito é ficção. O suposto assassino…, a suposta propina…, o suposto caso…, o suposto uso irregular… Isso é fofoca disfarçada de jornalismo. Nada é apurado. Nada é checado. Nada é confirmado. Joga-se o ‘suposto’ no ar e, se não for verdade… quem disse que era? Era apenas suposição.

O emprego do termo não blinda a imagem de ninguém no caso de a suposição vir a se mostrar inverídica. Por outro lado, se é verdadeira, não tem credibilidade alguma, afinal, não passa de uma teoria sem comprovação.

Por supuesto, o suposto é mais uma forma de empobrecer o já lastimável jornalismo que vem sendo feito desde os anos 1990. Qual será a próxima degradação?”

O Sandro fala do uso do “suposto” como uma garantia por jornalistas com preguiça de apurar. Mas acho que é mais que isso. Até hoje tem gente que fala do “suposto” mensalão.

Aquela jornalista da Record foi muito mais longe. Diante da imagem dos bandidos, ali ao vivo, com a arma apontada para a cabeça das vítimas, ameaçando matá-las, chamou os vagab… ops! infratores, de “suspeitos”. O “suposto”, assim como o “suspeito”, se é que um dia foi ferramenta para proteger os preguiçosos de acusações de erro, hoje representa um dos problemas fundamentais de nossos dias: a incapacidade de chamar as coisas pelo nome que elas têm.

Suspeito que isso não tenha nada a ver com “garantia contra um erro futuro”. Nem com preguiça. Tem a ver com engenharia social, com manipulação ideológica, com a Janela de Overton.

Mas pensando bem, no fundo, no fundo, não suspeito.

Tenho certeza que tem a ver com burrice.

Luciano Pires