s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Os suspeitos

Os suspeitos

Luciano Pires -

Na TV Record, reportagem mostra bandidos mantendo dois jovens como reféns numa loja. Na imagem em quase close, os bandidos aparecem com uma pistola e uma faca, ameaçando matar as vítimas. A negociação dura mais de uma hora até que, ajudada por parentes dos bandidos, a polícia rende os vagab… ops! os infratores. E a repórter da Record informa:

– Os suspeitos estão algemados e são colocados no camburão.

“Suspeitos?”. O que será que os bandidos deveriam fazer para deixar de ser “suspeitos”?

Isso me lembrou de um texto publicado no www.sandrofortunato.com.br chamado MANIA DE SUPOSTO:

“Suposto(a) foi a palavra mágica que a imprensa resolveu adotar para minimizar – ao menos para si mesma no caso de processos – os males causados pelo débil jornalismo que vem sendo feito na última década e meia. O denuncismo (mais que uma mania, uma praga), a sede louca por apontar coisas erradas, fez esquecer um dos princípios básicos do jornalismo: apurar a veracidade de uma informação. E para não voltar a ter esse trabalho, a saída foi passar para o campo da suposição.

Se tudo é hipotético, o que está sendo feito é ficção. O suposto assassino…, a suposta propina…, o suposto caso…, o suposto uso irregular… Isso é fofoca disfarçada de jornalismo. Nada é apurado. Nada é checado. Nada é confirmado. Joga-se o ‘suposto’ no ar e, se não for verdade… quem disse que era? Era apenas suposição.

O emprego do termo não blinda a imagem de ninguém no caso de a suposição vir a se mostrar inverídica. Por outro lado, se é verdadeira, não tem credibilidade alguma, afinal, não passa de uma teoria sem comprovação.

Por supuesto, o suposto é mais uma forma de empobrecer o já lastimável jornalismo que vem sendo feito desde os anos 1990. Qual será a próxima degradação?”

O Sandro fala do uso do “suposto” como uma garantia por jornalistas com preguiça de apurar. Mas acho que é mais que isso. Até hoje tem gente que fala do “suposto” mensalão.

Aquela jornalista da Record foi muito mais longe. Diante da imagem dos bandidos, ali ao vivo, com a arma apontada para a cabeça das vítimas, ameaçando matá-las, chamou os vagab… ops! infratores, de “suspeitos”. O “suposto”, assim como o “suspeito”, se é que um dia foi ferramenta para proteger os preguiçosos de acusações de erro, hoje representa um dos problemas fundamentais de nossos dias: a incapacidade de chamar as coisas pelo nome que elas têm.

Suspeito que isso não tenha nada a ver com “garantia contra um erro futuro”. Nem com preguiça. Tem a ver com engenharia social, com manipulação ideológica, com a Janela de Overton.

Mas pensando bem, no fundo, no fundo, não suspeito.

Tenho certeza que tem a ver com burrice.

Luciano Pires