s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Passarinhos

Passarinhos

Luciano Pires -



PASSARINHOS 



Ilustração de Eldes -www.eldes.com

São três. Piando o dia todo, num ninho construído na janela do meu escritório. Acho que são sanhaços. “Preciso mostrar pras crianças!”.



Aí lembro que meu filho tem vinte e um anos, não vai se animar a correr pra ver os passarinhos. Mas a outra “criança”, minha filha, ainda tem quinze. Pode dar samba. Lá vou eu… Falo dos passarinhos, esperando uma reação de criança de seis anos, que arregala os olhos, corre pra ver e nos enche de perguntas. Mas ela está ocupada no MSN, trocando mensagens ininteligíveis com outros vinte e quatro amigos e amigas. Ao mesmo tempo.



Solta um grunhido. Parece ser uma expressão de “legal”. Nenhum olho arregalado. Nenhum pedido insistente de “me leva lá…”.



É… Houve um tempo em que eu cuidava ao contar as coisas, para que os pequenos pentelhos não grudassem em mim até que eu lhes mostrasse a novidade. Hoje não dão mais bola. Viraram adultos. Não têm tempo para baboseiras tipo “filhote-de-passarinho-na-janela-do-escritório”. Não há mais graça em contar-lhes as novidades e esperar uma reação. Dá saudade daquela época em que um prosaico besouro, uma borboleta, um cacho de abelhas, era assunto para a semana inteira. Hoje, não mais.



Pois sinto falta.



Sinto falta dos pequeninos detalhes prosaicos. Sinto falta daqueles mini seres curiosos para quem tudo é novidade, tudo é possível, tudo é normal. Como daquela vez em que eu e minha filha, que tinha quatro anos, fomos jogar veneno num formigueiro no jardim. Agachados olhávamos as centenas de saúvas carregando as folhas para dentro do buraco. Expliquei a ela:



– “Gabi, neste saco tem veneno que parece comida. A gente espalha em volta do formigueiro, as formigas pensam que é comida, levam lá pra dentro e morrem todas”.



Espalhei o veneno, sem reparar que estava úmido. Esperamos, esperamos e as formigas, nada. Exclamei:



– “Ué, mas elas não estão levando o veneno pra dentro”. E a Gabi, do alto da genialidade de seus quatro anos soltou a frase inesquecível:



– “Também, né. Você falou alto!”.



Emudeci até entender o que estava claro! Falei em voz alta que a comida era veneno e as formigas ouviram! E não são burras a ponto de comer veneno! Burro era eu!



Pois é disso que sinto falta. De surpreender e ser surpreendido. Mas não por um tsunami, dólares na cueca ou torres gêmeas desabando na televisão de meu quarto.



Sinto falta de ser surpreendido pela singeleza da frase desconcertante de uma criança.



Ou por três passarinhos na janela do escritório.