s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Pequenos Abnegados

Pequenos Abnegados

Luciano Pires -

Em meu texto anterior, falei dos milhares de pessoas que, praticamente sozinhas, desenvolvem projetos de inclusão social e de mudanças na sociedade. Pequenos abnegados que dedicam parte de sua vida para mudar o futuro dos menos afortunados. E falei também de milhares de entidades que desenvolvem projetos mais ou menos ambiciosos por todo canto.
Como palestrante, viajo este país de cabo a rabo e conheço uma realidade muito distante daquele Brasil inviável que a televisão despeja em nossas salas toda noite.
E terminei o texto dizendo que a grande pauta de discussão no Brasil deveria ser “Conectividade”. Conectividade!
Esse termo entrou na moda com a chegada dos computadores. Normalmente define-se conectividade como a capacidade de comunicação dos dispositivos de hardware ou software com outros hardwares ou softwares. Mas quero sair do mundo dos computadores para entrar no mundo dos sentidos e atitudes. No mundo de carne e osso, de sentimentos e percepções.
Lembram-se do “a união faz a força?”. Ouço esse ditado desde pequenininho e sempre o reconheci como uma receita para fazer acontecer. Sozinho, consigo muito pouco, mas se eu me juntar a outras pessoas na busca de um mesmo objetivo, fico mais forte e aumento minhas chances de chegar lá. Os “príncipes” conhecem muito bem esse jogo. Adotam a política do “dividir para conquistar”. Sabem que grupos ordenados e coordenados são perigosos. E fazem de tudo para que eles não se formem. Mas, espertamente, ajudam a formação dos grupos que são de seu interesse. É assim que o Brasil encontra-se hoje nas mãos de minorias barulhentas mas organizadas, que definem os rumos da maioria silenciosa e… desconectada. Conectividade!
Já pensou se aquela ONG da Bahia se juntar a outra ONG do Rio Grande do Sul? E se o grupo de trainees da Amcham se juntar ao comitê de jovens executivos da Fiesp? Que também se juntaria ao comitê equivalente de Santa Catarina, de Mato Grosso, do Rio Grande do Norte? E se o Fórum Criativo Brasileiro, lá de Aracaju, juntar-se àquele grupo que discute inovação em Joinville?
Mas infelizmente eles não se falam. E quando se falam, raramente conseguem combinar suas idéias e prioridades. Dificilmente conseguem superar os jogos políticos, o sentimento de “minha idéia” e a necessidade de disciplina coletiva. Não conseguem a tal “liga”. E voltam às suas casas onde, mais uma vez sozinhos, tentarão derrubar castelos.
E assim temos milhões de pequenos esforços honestos e válidos sendo devorados pelo sistema que destrói as tentativas de fazer acontecer dos pequenos abnegados. Canso de ver gente com brilho nos olhos, com energia e tesão, dizendo-se cansada. Canso de ver projetos deliciosos consumindo o tempo e os recursos de milhares de pessoas e obtendo um resultado que pouca mudança substancial traz ao país. Projetos que resolvem problemas de umas poucas pessoas, mas jamais atingem a raiz das questões. Para isso, há que se ter força. Poder. Capacidade de mobilização. Voz. Impacto. Um vetor econômico que revele ganhos se a situação mudar.
Mas como conseguir percepção de valor para as questões intangíveis? Isso é praticamente impossível de se obter quando você é apenas um pequeno abnegado – não é parente de autoridade, sobrinho do empresário, não tem trânsito na mídia e nem dinheiro no banco. Como são 99% dos pequenos abnegados.
Conectividade, meus caros. Só assim os milhões de pequenos abnegados se transformarão na grande maré de mudanças capaz de colocar este país nos trilhos.
Mas o desafio é grande demais. Exige generosidade. Senso de comunidade. Disciplina. Capacidade para trabalhar em grupo. Grandeza para aceitar idéias que vêm de outras pessoas. Honestidade de propósito. Ética…
Enfim, os atributos que fazem os grandes abnegados.