s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Perguntas

Perguntas

Luciano Pires -

O que mais chamou a atenção no “depoimento” de Carlinhos Cachoeira à CPMI foi a presença de um dos maiores advogados criminalistas brasileiros, Marcio Thomaz Bastos, ao lado do bicheiro. Thomaz Bastos tem um histórico de defesa de réus “incômodos”: o médico Roger Abdelmassih, acusado de molestar sexualmente dezenas de pacientes; os estudantes acusados de afogar outro estudante na piscina da USP em 1999, e os estudantes que colocaram fogo e mataram um índio em Brasília em 1997. Todos estão em liberdade, mesmo que vigiada. Foi também Ministro da Justiça entre 2003 e 2007 durante o governo Lula.

Marcio Thomaz Bastos é uma referência do Direito brasileiro. E lá estava, junto ao bicheiro, impassível e sem demonstrar constrangimento. Era um profissional no cumprimento do dever, que não foi designado para o caso, mas contratado. Podia não aceitar, mas aceitou, cobrando R$ 15 milhões pelo “serviço”. E ficam as perguntas: o que o levou a dedicar seus talentos, habilidades e credibilidade, desenvolvidos ao longo de mais de meio século de estudos e trabalho, à defesa de alguém que é evidentemente culpado de um dos grandes escândalos nacionais? Como é que ele lida com os dilemas morais? Por que, com tantas causas para escolher, ele optou justamente por essa? Até onde ele irá para defender o bicheiro?

Esse assunto tem a ver com uma interessante discussão de ordem filosófica sobre o Direito. A sociedade é testada pela forma como trata os marginais, inclusive os piores criminosos. Quando um culpado de um crime terrível recebe um julgamento justo, ficamos aliviados: isso é garantia de que o sistema funciona. Se o sistema começar a contornar as leis porque o culpado é mau, temos que ficar preocupados e inseguros. Não importa o criminoso, o sistema tem que ser honesto e é o advogado de defesa a única peça entre o cliente e o poder do estado. Sem o advogado de defesa resta o despotismo, quando ninguém tem segurança jurídica. Portanto, os piores criminosos deveriam ter sempre os melhores advogados, caso contrário o sistema estaria em desequilíbrio. Ponto.

Quem conhece o assunto diz que o advogado experiente não julga seu cliente, apenas o defende. Quem julga é o júri. Mas será possível ser analítico, lógico e objetivo diante de casos como o de Cachoeira, Roger Abdelmassih ou dos garotos que botaram fogo no índio, sem ser afetado por dilemas morais, ideologias, valores e convicções? Serão os advogados treinados para tratar como questão meramente técnica aquilo que acham ofensivo ou repugnante? Ou não acham? Haja sangue frio…

A professora de Direito da Universidade de Stanford, Barbara Babcock, em seu livro “Defendendo o Culpado”, elencou algumas possíveis motivações que poderiam explicar a escolha de Thomaz Bastos:

A razão do “lixeiro”: alguém tem que fazer o trabalho sujo; a razão legalista ou positivista: a verdade não pode ser conhecida, a culpa é uma conclusão legal; a razão do ativista político: muitos dos que cometeram crimes foram vítimas de injustiças e opressão; a razão humanitária: muitos dos criminosos estão em desvantagem e devem ser tratados com humanidade e respeito. E por fim, a razão egotista: o trabalho da defesa é mais interessante, desafiador e compensador que o trabalho de rotina feito pela maioria dos advogados.

Muito bem. Não consigo reconhecer uma explicação para a dupla Thomaz Bastos e Cachoeira em nenhuma das razões acima. Nem mesmo na explicação filosófica sobre Direito e Justiça. Além disso, Thomaz Bastos já é rico, portanto não será pelos R$ 15 milhões que ele assumiu a bronca.

Sobra uma razão: Thomaz Bastos está protegendo amigos, o Cachoeira é apenas uma peça secundária do tabuleiro.

E então vem a pergunta: mas que amigos? A pista está na famosa frase dita por Hal Holbrook no filme “Todos os homens do Presidente”:

– Siga o dinheiro.

Luciano Pires