s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Poder e responsabilidade

Poder e responsabilidade

Luciano Pires -

Patrick Snay, 69, era diretor da Gulliver Preparatory School em Miami, Florida. Quando seu contrato de trabalho não foi renovado para o período 2010/11, processou a escola por discriminação etária. Acharam que ele estava velho demais para o cargo. Em Novembro de 2011 ele e a escola entraram em acordo. Snay receberia US$10.000 em salários atrasados, uma indenização de US$80.000 e mais US$60.000 para seus advogados.?Mas antes que a tinta do acordo secasse, a filha de Snay postou para seus 1.200 amigos no Facebook o seguinte: “Mamãe e papai ganharam a causa contra a Gulliver. A Gulliver agora está oficialmente pagando minhas férias de verão na Europa. SUCK IT.”?”Suck it” é nosso popular “chupa”. O post foi visto por dezenas de estudantes da Gulliver, chegando à diretoria da escola que alegou quebra da cláusula de confidencialidade. E o Sr. Snay perdeu os 80 mil dólares…

A filha de Snay tinha 1.200 amigos no Facebook. Você consegue imaginar alguém em contato com 1.200 amigos em 1990? 1980? 1970? Impossível. Não havia como fazê-lo, estávamos limitados a quem conseguíamos alcançar por carta, telegrama, telefone e email. Ninguém conseguia se comunicar diretamente com 1.200 pessoas com um simples toque numa tecla. Essa capacidade surgiu quando os Facebooks tornaram-se acessíveis. E isso é uma maravilha.

Com 100 curtidores, amigos ou seguidores, você já é um potencial formador de opinião, alguém capaz de contribuir positivamente compartilhando opiniões e conhecimento, coisa que só jornalistas e escritores podiam fazer, indiretamente, pouco tempo atrás. Mas com essa capacidade vem uma coisinha chamada responsabilidade, que muita gente relega para segundo plano. Especialmente os mais jovens.

Em minha palestra O Meu Everest falo de duas palavrinhas que tem tudo a ver com essa questão da responsabilidade: impacto e influência. Que impacto causo nas pessoas com as quais tenho contato? Que influência exerço sobre elas? Se eu fizer isto, o que é que vai acontecer na sequência? E se eu fizer aquilo, que reação terão as pessoas afetadas? O que aconteceu antes da minha tomada de decisão? O que acontecerá depois? Impacto e influência.

Não sei como você faz, eu ajo assim: sempre que vou tocar no botão “enter” para enviar um email, publicar um post, terminar um texto, releio tudo que escrevi e presto atenção no meu estômago. Se ele gelar, eu leio de novo e mais uma vez. Imagino que sou outra pessoa lendo aquilo. Se me sentir incomodado, deixo de lado para reler mais tarde, suavizando alguma passagem mais dura, complementando uma informação, revendo algum conceito ou simplesmente desistindo da postagem. O exercício é de responsabilidade moral: estou tratando as outras pessoas da forma como gostaria de ser tratado por elas? A filha do Sr. Snay não tomou esse cuidado. Ela tripudiou sobre a escola, achando que estava falando com um grupo de amigos. E estava mesmo, mas num ambiente onde sua falta de responsabilidade moral virou falta de responsabilidade legal. E deu no que deu.

Com os “Facebooks” à mão, você é muito mais poderoso do que pensa. Mas poder traz responsabilidades.

Você tem a força. Cuidado com ela.

Luciano Pires