s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Porque escrevo

Porque escrevo

Luciano Pires -

Eu escrevo. Escrevo desde que me lembro, mesmo sem nunca ter sido um grande aluno de português. Meu domínio da gramática só dá pro gasto. Tenho dificuldades com vírgulas, com crases, com o porquê, o porque, o por que e o por quê e com diversos outros detalhes que fazem com que a cada publicação de um texto, um frio no estômago apareça: “Qual cagada fiz dessa vez?”

Acho que melhorei muito com o tempo e ainda vou melhorar, mas tomei a decisão de expor meu português claudicante quando me deparei com o mesmo tipo de angústia em outros escritores. A maioria, muito mais importantes do que jamais serei. Para não fugir à regra, encontrei conforto no mestre Rubem Alves, que um dia aliviou meu sono ao escrever assim:

“Cheguei onde estou por caminhos que não planejei. É um lugar feliz com o qual nunca sonhei. Nunca me passou pela ideia que eu viria a ser escritor… Sou ruim em gramática, erro a acentuação. E há mesmo uma pessoa que se dedicava a escrever-me longas cartas para corrigir meu português. Parou de escrever. Acho que desistiu. Como é bem sabido, sou um mau aluno, especialmente quando o professor quer ensinar-me coisas que eu não quero aprender. Pena que o dito professor voluntário, nunca tivesse feito comentário algum sobre o que eu escrevia…“

Rubem nunca entendeu a razão de alguém comentar os erros de português e não comentar o conteúdo do texto. Mas isso é uma escolha. Ou não?

E então recebo um email assim: “Luciano, sou advogada na cidade de Franca/SP, e lhe escrevi há muito tempo sobre um processo em que a TIM enviou um aparelho celular sem o consentimento da minha cliente. Além disso, a referida empresa telefônica emitiu várias faturas, sendo que ainda negativou o nome dela. Por causa disso, ingressamos com uma ação declaratória de inexigibilidade de débito cumulada com pedido de indenização por danos morais em 2008. Uma semana após ter ingressado com a ação, li um artigo seu chamado “A Vendetta” em que você disse ter publicado um texto reclamando da TIM, que tentava lhe empurrar um telefone celular que você não havia pedido. Juntei dois artigos que você escreveu sobre o fato e tenho certeza que eles auxiliaram o convencimento do juiz que, depois de 4 anos, proferiu a sentença em favor da minha cliente, condenando a empresa TIM a pagar o valor de R$ 10.000,00 que atualizados chegaram no quantia de R$ 14.077,76. Demorou bastante, mas a justiça foi feita (atente-se que a minha cliente era idosa e tinha prioridade no julgamento do processo).”

Pois é… Nunca tenho ideia do que acontece com um texto depois que ele é lançado para o mundo. Sei que tem gente que gosta, tem gente que detesta e eventualmente tem gente que faz o que fez a advogada acima, dando uma utilidade que eu jamais imaginaria a um simples desabafo. É então que as minhas vírgulas mal colocadas, concordâncias discordantes e pontuações sôfregas perdem importância diante do impacto causado pelo texto.

Como diz meu amigo Minás, “a língua é feita por quem fala e por quem escreve. Aos gramáticos só resta tentar botar ordem na suruba. E aos filólogos, cavucar origens, paleontologicamente.”

O jeito é continuar estudando e aprendendo. Quero escrever cada vez mais corretamente, quero respeitar a gramática, mas sem deixar que a busca pela perfeição me cale.

O final daquele texto de Rubem Alves é meu mote de vida:

“Concordo mesmo é com Patativa do Assaré: ‘É melhor escrever errado a coisa certa do que escrever certo a coisa errada …’”.

Luciano Pires