s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Possuir ou ser possuído

Possuir ou ser possuído

Luciano Pires -

O Lhakpa é o que está com a camisa do Brasil nr. 9... Ou melhor, é o mais feliz de todos.

Em minha palestra O Meu Everest conto como foi a aventura de seguir a trilha a caminho do Campo Base da maior montanha do mundo, uma desafiadora caminhada de 100 km e altitudes de até 5.500 metros. A estrutura que nos acompanhava era completa, com carregadores, guias e Iaques, os primos dos bois que servem como animais de carga na região.

Os seis guias regionais eram da etnia sherpa, que habita as regiões montanhosas do Nepal. Os Sherpas são originários do Tibete e na língua deles, shyar significa “leste” e Pa significa “povo”. Povo do leste. O “meu” guia era o Lhakpa, que cuidava para que o brasileiro maluco não se matasse na montanha. Lhakpa quer dizer “quarta-feira” no idioma deles…

Bem, aquele povo é sofrido, vive numa dureza atroz e muitos se dedicam a guiar os turistas nas duas temporadas de escalada (abril-maio e outubro-novembro), obtendo renda para garantir a subsistência durante o ano.
Para aliviar a caminhada, levei comigo um CD Player, trambolho que usávamos pra ouvir música antes de aparecer o Mp3.  E na mochila, CDs de Raul Seixas, Caetano, uns sambas e outras coisinhas. Aquele precioso aparelho teve um papel importantíssimo na caminhada, pois me injetou ânimo, ritmo e entusiasmo quando eu mais precisava deles.

De quando em quando os sherpas pediam para ouvir um pouco e se divertiam com sons que para eles eram estranhos. Era evidente o fascínio que eles tinham pelo CD player.

Quando terminamos a viagem, eu estava no quarto da pousada na cidade de Lukla e o Lhakpa chegou carregando parte de minhas coisas. Começava ali um ritual de despedida. Mostrando a coleção de CDs, pedi que escolhesse um de presente. Ele ficou atônito, abriu um imenso sorriso e pegou a trilha sonora do filme The Commitments, agradecendo efusivamente.

Então peguei o CD player e entreguei a ele.

-Take it. It´s yours.

A expressão que ele fez foi de uma felicidade incontida, como se tivesse recebido um automóvel de presente!  Um CD Player! Para um sherpa na região do Vale do Khumbu no Nepal. Em 2001! Aquilo era o máximo!

Enquanto eu o observava flutuando escada abaixo, crescia em mim uma sensação de paz e felicidade. Eu estava mais feliz do que ele e isso me deixou surpreso!

Esta semana, lendo sobre a cultura de algumas tribos indígenas dos Estados Unidos tive uma perspectiva diferente sobre a felicidade que senti naquele dia no Nepal.

Os velhos índios dizem que quando você dá para alguém algo que é importante para você, sua vida é renovada. Esse gesto significa que você possui as coisas, não são as coisas que possuem você.

Quem não consegue se desfazer de suas posses, será destruído por elas.
Descobri que o que me deu paz e felicidade não foi presentear o Lhakpa com meu precioso CD Player.

Foi a sensação de liberdade.

Luciano Pires