s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Quando um não quer.

Quando um não quer.

Luciano Pires -

Você já deve estar cansado de saber que a área de comentários das mídias sociais é o portal do inferno, não é? Xingamentos, bate-bocas, demonstrações de intolerância, uma vitrine para a ignorância, que levou Umberto Eco a dizer, em 2015:

“As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade. Diziam imediatamente a eles para calar a boca, enquanto agora eles têm o mesmo direito à fala que um ganhador do Prêmio Nobel”

Quando todos falam o que querem, o potencial para confrontos e conflitos é infinito. Eu tenho uma página com mais de 200 curtidores no Facebook, e ali publico uma coisa mortífera chamada… opinião. No começo eu chegava a responder a comentários, mas depois parei. Não dá, consome um tempo imenso que eu deveria dedicar àquilo que faço melhor: escrever e gravar podcasts e palestrar. Prefiro fazer as provocações e assistir aos debates.

Mas esta semana aconteceu algo didático.

Fiz uma postagem (https://www.facebook.com/luciano.pires/posts/792188160935394) reproduzindo um artigo que trata das mentiras que a imprensa fala sobre Donald Trump, dizendo:

– Vá vendo aí como fazem você de trouxa.

Uma leitora respondeu assim:

Katharina: E o que garante que tudo que você lê é verdade? O que te faz acreditar que você está imune?

O comentário  me pareceu uma clara provocação. Ela estava dizendo que eu “me acho”, que dei a entender que sou imune a ser enganado, embora eu não tenha dito nada disso. O “você é trouxa” é minha forma de provocar o leitor. Tem uma ferroada aí que dói, tira a pessoa da pasmaceira.

Uma coisa que me deixa particularmente irritado é quando as pessoas comentam dizendo “você disse isso”, ou “ você quis dizer aquilo”. Fico puto. A frase certa é “eu entendi que você disse isso”, ou “entendi que você quis dizer aquilo”. Notou a diferença? Você reconhece a possibilidade de ter entendido errado.

Minha primeira reação foi responder com uma típica patada facebooqueana tipo :

Onde foi que eu escrevi que sou imune? Você precisa aprender a interpretar textos.

Esse tipo de resposta eu sei que reação traria. Preferi deixar a questão descansar um pouco para responder de forma mais positiva. Voltei ao post umas duas ou três vezes, até responder assim:

Luciano: Nada. Eu sou só mais um trouxa, Katharina.

Respondi com uma dose de ironia, sem ataca-la, apenas me colocando na mesma posição dela e desarmando os espíritos. A resposta foi assim:

Katharina: É como me sinto. Em todos os aspectos.

Pronto. Não havia mais enfrentamento, apenas a manifestação de nossa vulnerabilidade. Dei o próximo passo, oferecendo alguma dica:

Luciano:  Katharina,  assista isto: https://www.youtube.com/watch?v=x-9EW-BKtBM&t=7s 002 – A teoria dos 4 Rês. 

Ela respondeu assim:

Katharina:  Vou assistir, sim. Obrigada pela atenção.

Passados alguns minutos, novo comentário após assistir o vídeo:

Katharina:  Filtrar as informações e olhar tudo com desconfiança. Tem que ser um exercício diário para evitar que aceitemos tudo como verdades absolutas. O problema é somos bombardeados por uma carga cavalar de informações provenientes de todos os veículos de comunicação, muitos dos quais são partidários defendendo seus interesses próprios. Muitas vezes, motivados por a nossa ideologia, selecionamos apenas as informações que coadunam com os nossos próprios interesses e descartamos aquelas que contradizem ou confrontam as nossas convicções. Nesse caso, nos tornamos vítimas em potenciais de informações distorcidas. Adorei o vídeo, muito obrigada pela atenção.

Pronto. O que tinha potencial para se transformar num confronto, acabou numa amável troca de comentários com um agradecimento sincero no final.

É assim que deveria ser nas mídias sociais, em vez de xingar ou enfrentar, cada um contribuindo para construir uma espiral de distribuição de conteúdo, de crescimento, movida pela gentileza.

Como faço isso? Ora, apenas sigo o que ouvi de meus pais durante minha infância:

– Quando um não quer, dois não brigam.

Que bobagem, não é?

É. Experimente.