s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Que Baratinho!

Que Baratinho!

Luciano Pires -


QUE BARATINHO!



Cai o avião da Gol e descobrimos que nossa estrutura de controle do tráfego aéreo é inadequada, ultrapassada e que não é digna de confiança. A explicação? Cortaram os investimentos necessários para a modernização do setor.
Janeiro chega, e com ele as chuvas, as enchentes e as imagens de casas inundadas, gente desabrigada e autoridades atarantadas. Todo ano é a mesma coisa. A explicação? Cortaram os investimentos necessários.
O trânsito na cidade de São Paulo está caótico. Mais caótico. Horas e horas perdidas em locomoção transformam a nossa vida num inferno. A explicação? Não fizeram os investimentos necessários no Rodoanel.
As estradas brasileiras estão um horror. Buraco dentro de buraco e a operação tapa buraco é um buraco. Explicação: não fizeram os investimentos…
E a cratera do Metrô? Especula-se que, por redução de custos, alguns materiais ou procedimentos aproximaram-se perigosamente do limite de segurança. E também já disseram que não havia fiscalização do governo, pois isso implicaria em aumento nos custos da obra. Deu no que deu.
Um amigo tem uma consultoria e participou de uma concorrência numa grande multinacional. Ganhou mas não levou. O pessoal de compras da multinacional, ao contrário dos engenheiros, optou por um dos concorrentes. Mais baratinho.
Uma amiga é a coordenadora de eventos de uma multinacional. No último evento quase enlouqueceu. Não contrataram seus fornecedores de confiança. O departamento de compras da multinacional escolheu outros, mais baratinhos. Resultado: as recepcionistas eram fracas e a distribuição de materiais foi uma confusão. E minha amiga ainda teve de pegar vassoura e rodo para limpar os banheiros, pois a empresa de limpeza contratada – bem baratinha – fez serviço de porco…
Em todos esses casos posso até ver um executivo, todo orgulhoso, mostrando na reunião de resultados, as planilhas com as economias decorrentes da redução nos gastos com produtos e serviços, da troca de fornecedores e assim vai. Tudo pela redução de custos. A planilha é linda, toda azul. Mas só contabiliza o que dá para contar: os números. Na tabela não aparece nenhuma conseqüência do enxugamento de custos e de investimentos, a não ser o volume da redução. Passageiros largados no aeroporto, mais de 100 mortos no acidente, horas perdidas no trânsito, gente soterrada, treinamentos mal-executados, péssima qualidade de produtos e de atendimento, clientes insatisfeitos ou em risco, nada disso aparece na planilha. Só aparece a redução de custos.
As conseqüências infelizmente escapam à capacidade de entendimento dos executivos e empresários à frente dessas decisões. Vejam o caso da TAM, que era um paradigma de eficiência, crescimento e qualidade. De uma hora para outra se transformou no modelo do atraso, da desorganização e da falta de comunicação com os clientes. Que planilha terá mostrado esse risco naquela reunião de resultados em que foram aprovadas as reduções de custos? Nenhuma. E, se bobear, o cara que aprovou as reduções nem está mais no cargo para ser responsabilizado. Foi promovido por bons serviços prestados. Ou contratado por outra empresa para implantar seu modelo de “êxito” administrativo. E quem paga o pato é o atendente no balcão de embarque, o motorista do caminhão, o peão da obra ou o subalterno que obedecia ordens.
É impossível reduzir custos e investimentos indefinidamente sem pagar um preço. A questão é que esse “pagar” implica em conseqüências às quais as cabecinhas não dão importância… Se bobear, nem entendem. Quanto vale uma vida? Para as cabecinhas, vale a indenização à vítima. E uma reputação? Para as cabecinhas, nada. Não dá para contabilizar… É necessário cortar custos? Claro que sim. Você já deve ter ouvido que custo é como unha: se deixar, não pára de crescer. Tem que cortar sempre. Mas quando cortamos custos a qualquer custo, sem inteligência para distinguir entre a gordura e os músculos necessários para garantir o futuro, cavamos a nossa cova.
Tomara que o enterro seja baratinho.