Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Brasis
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Brasis  “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça, fingindo não ver o que está vendo?” Bob Dylan Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

Que Baratinho!

Que Baratinho!

Luciano Pires -


QUE BARATINHO!



Cai o avião da Gol e descobrimos que nossa estrutura de controle do tráfego aéreo é inadequada, ultrapassada e que não é digna de confiança. A explicação? Cortaram os investimentos necessários para a modernização do setor.
Janeiro chega, e com ele as chuvas, as enchentes e as imagens de casas inundadas, gente desabrigada e autoridades atarantadas. Todo ano é a mesma coisa. A explicação? Cortaram os investimentos necessários.
O trânsito na cidade de São Paulo está caótico. Mais caótico. Horas e horas perdidas em locomoção transformam a nossa vida num inferno. A explicação? Não fizeram os investimentos necessários no Rodoanel.
As estradas brasileiras estão um horror. Buraco dentro de buraco e a operação tapa buraco é um buraco. Explicação: não fizeram os investimentos…
E a cratera do Metrô? Especula-se que, por redução de custos, alguns materiais ou procedimentos aproximaram-se perigosamente do limite de segurança. E também já disseram que não havia fiscalização do governo, pois isso implicaria em aumento nos custos da obra. Deu no que deu.
Um amigo tem uma consultoria e participou de uma concorrência numa grande multinacional. Ganhou mas não levou. O pessoal de compras da multinacional, ao contrário dos engenheiros, optou por um dos concorrentes. Mais baratinho.
Uma amiga é a coordenadora de eventos de uma multinacional. No último evento quase enlouqueceu. Não contrataram seus fornecedores de confiança. O departamento de compras da multinacional escolheu outros, mais baratinhos. Resultado: as recepcionistas eram fracas e a distribuição de materiais foi uma confusão. E minha amiga ainda teve de pegar vassoura e rodo para limpar os banheiros, pois a empresa de limpeza contratada – bem baratinha – fez serviço de porco…
Em todos esses casos posso até ver um executivo, todo orgulhoso, mostrando na reunião de resultados, as planilhas com as economias decorrentes da redução nos gastos com produtos e serviços, da troca de fornecedores e assim vai. Tudo pela redução de custos. A planilha é linda, toda azul. Mas só contabiliza o que dá para contar: os números. Na tabela não aparece nenhuma conseqüência do enxugamento de custos e de investimentos, a não ser o volume da redução. Passageiros largados no aeroporto, mais de 100 mortos no acidente, horas perdidas no trânsito, gente soterrada, treinamentos mal-executados, péssima qualidade de produtos e de atendimento, clientes insatisfeitos ou em risco, nada disso aparece na planilha. Só aparece a redução de custos.
As conseqüências infelizmente escapam à capacidade de entendimento dos executivos e empresários à frente dessas decisões. Vejam o caso da TAM, que era um paradigma de eficiência, crescimento e qualidade. De uma hora para outra se transformou no modelo do atraso, da desorganização e da falta de comunicação com os clientes. Que planilha terá mostrado esse risco naquela reunião de resultados em que foram aprovadas as reduções de custos? Nenhuma. E, se bobear, o cara que aprovou as reduções nem está mais no cargo para ser responsabilizado. Foi promovido por bons serviços prestados. Ou contratado por outra empresa para implantar seu modelo de “êxito” administrativo. E quem paga o pato é o atendente no balcão de embarque, o motorista do caminhão, o peão da obra ou o subalterno que obedecia ordens.
É impossível reduzir custos e investimentos indefinidamente sem pagar um preço. A questão é que esse “pagar” implica em conseqüências às quais as cabecinhas não dão importância… Se bobear, nem entendem. Quanto vale uma vida? Para as cabecinhas, vale a indenização à vítima. E uma reputação? Para as cabecinhas, nada. Não dá para contabilizar… É necessário cortar custos? Claro que sim. Você já deve ter ouvido que custo é como unha: se deixar, não pára de crescer. Tem que cortar sempre. Mas quando cortamos custos a qualquer custo, sem inteligência para distinguir entre a gordura e os músculos necessários para garantir o futuro, cavamos a nossa cova.
Tomara que o enterro seja baratinho.