s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça

Quem faz nossa cabeça

Luciano Pires -

Bauru, 2 de abril de 1964. Eu tinha 8 anos de idade e me lembro de ver na capa da Folha de São Paulo a foto de um soldado de capacete, com sua arma em mãos, a postos. Pesquisei no acervo da Folha e reencontrei aquela capa:

folha 64 2

Infelizmente a qualidade de reprodução está muito ruim, não é possível ver os detalhes da foto, mas eles estão vívidos em minha memória. Fascinante! A foto em questão, com o título “Vigiando a Dutra” tem esta legenda: “Em Caçapava, no trecho existente da rodovia Presidente Dutra, a entrada da cidade, soldados do 6º. BI vigiam a estrada. As tropas fiéis ao general Kruel têm o controle total da região do Vale do Paraíba.”

Lá se vão 53 anos, mas fiquei tão impressionado com a imagem daquele soldado, que ela permanece viva, clara em minha memória. Seria aquilo a guerra? Não me lembro se perguntei a meus pais o que estava acontecendo, e como os acontecimentos daquele momento estavam muito acima de minha capacidade de compreensão, deixei a coisa pra lá. Só muito mais tarde fui entender o significado não só daquela imagem, mas daquele período da história do Brasil.

Volto a essa história para lembrar como, naquela época, as narrativas eram feitas dentro de nossos círculos familiares e de amizades. Era no seio da família que aprendíamos porque acontecia o que acontecia. As narrativas familiares permitiam que entendêssemos como e onde nos encaixávamos dentro daquele mundo. E eram narrativas ricas, que misturavam fatos da realidade com histórias, tradições e lendas, não só do Brasil, mas de nossos antepassados. No meu caso, com avô vindo de Portugal, com valores portugueses.

E assim fui montando minha compreensão do mundo.

Hoje as narrativas familiares perderam o espaço para uma cultura voltada ao consumo. Se meu avô, meu tio, minha mãe, ao contar uma história, queriam desenvolver meu senso moral, ajudando que eu encontrasse meu lugar no mundo, quem conta as histórias hoje quer que eu compre uma sandália, um shampoo, um automóvel… ou uma ideia. Com 8, 18, 28, 38 ou 68 anos de idade, estou sendo treinado a separar as coisas entre aquilo que o dono da narrativa diz que é o bem e o mal. E meus pais, meus parentes, meus amigos, provavelmente não têm tempo nem preparo para substituir a narrativa do consumo, pela narrativa que me solidifica a moral.

As crianças encontram seu lugar no mundo baseadas nas marcas dos produtos que usam, no vocabulário da tribo que escolheram, no comportamento que imita ídolos invariavelmente ligados à troca de algum produto por nosso dinheiro. Uma criança com oito anos de idade, tendo na bagagem umas 8 mil horas de televisão, mais 8 mil de internet, está anos luz à frente do ingênuo Lucianinho lá da Bauru de 1964. Ela jamais será impactada pela simples foto de um soldado sentado na grama vigiando uma estrada… Treinada, ela precisa de som, movimento, cores, velocidade, e situações extremas. As narrativas não pertencem mais às famílias, mas a agentes do consumo, da política, das ideologias, através das mídias e de alguns formadores de opinião próximos.

E assim crescemos, expostos às cores, aos barulhos, ao excesso, aos  gritos dos que tentam nos convencer que problemas complexos podem ter soluções simplórias. E o discurso deles é sempre muito, muito sedutor. otimista. Fácil de entender.

Onde quero chegar? Apenas provocar reflexões.

Imagino uma criança de oito anos, vendo na capa da Folha de hoje, em cores, a foto dos ônibus pegando fogo no Rio de Janeiro. Ou dos encapuzados destruindo orelhões. Ou dos milhares de automóveis parados diante de algumas dezenas de pessoas que queimam pneus.

Imagino essa criança perguntando aos pais por que aquilo está acontecendo.

Tenho medo da resposta.