s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Recuperando do trauma

Recuperando do trauma

Luciano Pires -

Que dias… que dias! Não lembro de ter passado tanto tempo assistindo TV Câmara, TV Justiça, Globonews e acessando sites de noticiário político. A cada segundo é uma novidade, uma manobra, um susto. E os atos de loucura política acontecem em meio ao cenário de loucura econômica e ética. A imagem que faço é a do passageiro dentro do avião numa área de violenta turbulência, quando sua vida passa diante dos olhos e o pavor de que o avião caia repentinamente é real. Estamos nessa situação. Mas uma hora a turbulência passará e alguém terá de fechar os compartimentos de bagagem, recolher pertences caídos, acalmar os mais apavorados e retomar a rotina do voo de cruzeiro.

Uma hora o susto passa. E o que será que vem depois?

Os especialistas dizem que o primeiro estágio do processo de recuperação de situações traumáticas é religar o disjuntor. O corpo humano é como um sistema elétrico que, ao receber uma carga muito grande de energia, ativa seus disjuntores para se autoproteger. Numa situação traumática, perdemos de 50 a 90% da capacidade cerebral. É o momento de não tomar decisões importantes, aquelas do calor da hora, que serão invariavelmente instintivas, todas buscando nos livrar do perigo. E, mesmo fisicamente, saímos da normalidade. O que doía, para de doer, o que nunca doeu começa a doer. O sono fica irregular, o apetite aumenta ou cai…

– Pô, esse não sou eu!

Caiu o disjuntor. E ele é religado aos poucos, quando os sintomas começam a desaparecer após o trauma. Portanto, o primeiro estágio é reconhecer que os disjuntores caíram e precisam ser religados.

Num segundo estágio, vem a expressão dos sentimentos, para nos livrarmos da dor e da angústia. É quando falamos a respeito, botamos pra fora. Todo mundo tem uma história mais triste pra contar, sobre como sofreu com o trauma. Expressar esses sentimentos é como a válvula da panela de pressão… E a gente faz isso falando, escrevendo, desenhando, dançando, cantando.  E se passamos pelo trauma em grupo, é importante que cada um saiba ouvir a história do outro. Esse é um processo de alívio coletivo, e é importante saber que estamos lidando com ondas de emoções. Quanto mais deixamos que as ondas fluam, menos as chances delas se transformarem num tsunami.

Terceiro estágio: a ação construtiva.  Passou o susto, passou a onda? Disjuntor religado? Hora de partir para a ação. É o momento em que recuperamos a sensação de controle sobre nosso destino, deixando para trás o sentimento de impotência. É a hora de juntar os cacos, de mostrar que você se importa, de começar a reconstrução. É quando você pode fazer toda a diferença para alguém que está numa situação de ainda mais descontrole que a sua. E nesse momento, nenhum gesto, por mais insignificante que pareça, é pequeno. É hora de parar com o mimimi e partir para fazer a diferença.

O quarto estágio é o da reintegração. Estamos de volta à luta. É quando precisamos ficar de olho nas oportunidades criadas pela crise, pelo momento do trauma. Dependendo de como você encarar as coisas, a crise será uma professora fenomenal. Se você conseguir aprender com ela, sairá experiente, mais forte, mais esperto, mais conectado, com o couro endurecido. É por isso que os velhinhos de 60 anos se mostram relativamente calmos diante da crise, enquanto a garotada de 30 anos acha que o mundo vai acabar. A experiência cria a armadura emocional.

Os sustos e traumas destes dias intensos são um gigantesco processo de depuração. Estamos limpando o Brasil da sujeira evidente, varrendo a casa, botando o lixo pra fora. Depois vamos ter que passar aspirador nos cantos, tirar teias de aranha escondidas, jogar veneno nas traças e polir metais. Mas primeiro sai a sujeira grossa, o que será sempre traumático.

Quem escolhe sair do trauma por conta própria, religando os disjuntores, aprendendo com a experiência e abraçando as oportunidades, consegue olhar pra trás e se sentir mais forte para enfrentar o próximo. Ou até mesmo para evitar que o próximo aconteça.

E, como sempre escrevo, isso é uma escolha.