s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Sexta Feira 13 e o impeachment

Sexta Feira 13 e o impeachment

Luciano Pires -

Quem assistiu Sexta Feira 13 sabe como funcionam os filmes de horror produzidos em série: Jason Voorhees, o monstro, mata um monte de gente até ser derrotado. Mas quando achamos que está tudo bem e o mocinho beija a mocinha, Jason levanta e ataca outra vez para ser morto pelo mocinho mais uma vez. E no próximo filme ele volta. Mais forte.

Publiquei esta semana em meu Facebook um artigo de Dora Kramer chamado “Calma no Brasil” em que ela defende que “a interrupção de um mandato de um presidente da República não é assunto a ser tratado à luz de vontades. Requer consistência, fundamento, seriedade.”. E manifestei que fazia minhas as palavras dela.

Pronto! Em segundos chegaram dezenas de comentários de gente furiosa, me condenando por não querer tirar a Dilma de lá, por “jogar água na fervura”, por proteger o PT e outras acusações sempre embasadas na emoção. Mas em questões políticas eu não me baseio em emoção, veja só:

O Jurista Ives Gandra publicou um artigo sobre seu parecer de que há elementos suficientes para começar um processo de impeachment contra Dilma Rousseff, baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente. Pronto, todo mundo ficou assanhado. Mas poucos repararam na forma como ele encerra o artigo: “Não deixei, todavia, de esclarecer que o julgamento do ‘impeachment’ pelo Congresso é mais político que jurídico, lembrando o caso do Presidente Collor, que afastado da presidência pelo Congresso, foi absolvido pela Suprema Corte.”.

Impeachment é política, não é matemática, muito menos emoção. Fernando Collor, além de perder todo apoio, tinha contra si um PT raivoso e um PSDB muito diferente desse saco de bundões de hoje. Caiu, pois havia forças muito maiores que as que o apoiavam.

Não é o caso de Dilma que, apesar de parecer sozinha, tem sim o apoio do PT com todos seus tentáculos. E seu marqueteiro.

Se o pedido de impeachment não for embasado com consistência, fundamento e seriedade em provas concretas e não apenas em indícios, o PT e seus serviçais terão munição para começar uma guerra política, com Dilma (e Lula, é claro) como mártir e você como golpista. E terão dezenas de milhões de brasileiros com eles. Quase conseguiram isso com o Mensalão, mesmo com a tonelada de provas em mãos! Imagine com um processo baseado em indícios…

Um processo baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente vai gerar discussões por anos a fio e o que sairá daí é imprevisível. E cá entre nós, em termos de organização política o PT dá de relho em todo mundo. Estamos diante da possibilidade de repetir o que aconteceu na Venezuela, quando um movimento afoito derrubou Hugo Chávez, que voltou em seguida com mais força e transformou o país num inferno.

Jason ressuscitou. Mais forte.

Quem leu o texto de Dora Kramer sem derrubar o disjuntor, leu isto: “Se mais adiante vierem a aparecer fatos que indiquem a responsabilidade da presidente em quaisquer crimes serão outros quinhentos”. Taí. Não é para não ir às ruas, não é para ficar de braços cruzados esperando, não é para poupar o PT. É para focar a energia onde o resultado é certo,  na pressão para a revelação de provas concretas, para a aceleração das investigações, para o surgimento de fatos indiscutíveis que não deem aos estrategistas do PT, que são muito melhores que eu, você e todos os opositores juntos, tudo que eles querem para iniciar sua “guerra santa”.

Todo esse barulho, gritaria, emoção é lindo de ver, serve como instrumento de pressão e cria um clima importante, mas só os bobinhos acham que impeachment é decidido nas ruas.

Não é.

Meu imperativo categórico é tirar o PT do poder, mas quero fazer direito, com fogo, água, serra elétrica e estaca.

Ou o Jason volta. Mais forte.

Quer que eu desenhe?