s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Sobre posse e acesso

Sobre posse e acesso

Luciano Pires -

Lancei um sistema de assinaturas para o Podcast Café Brasil, um modelo no qual o interessado paga mensalmente dez reais e baixa os mesmos quatro programas semanais que sempre recebeu gratuitamente.

– Luciano, a pessoa paga para receber o que pode ter de graça? Tá ficando louco?

Bem, a proposta é a seguinte: aquilo que você acha que agrega valor em sua vida merece ser remunerado. Se você obtém conteúdo, aprende, cresce, se diverte com os artigos daquele blog, os vídeos daquele youtuber, os posts daquele crítico ou os áudios daquele podcaster, por que não remunerar o trabalho dele/dela?

Como era de se esperar, a discussão foi grande, mas três meses depois de lançar a assinatura, temos hoje 400 pagantes que fazem parte da Confraria Café Brasil e que recebem, mensalmente, além dos 4 programas, alguns presentinhos: uma versão especial do programa, e-books, ingressos para eventos, arquivos exclusivos e mais coisinhas que vêm por aí. Uma forma de agregar ainda mais valor à assinatura.

Os comentários que esses pagantes fazem são fascinantes. Praticamente todos falam da gratidão pelos benefícios que o Podcast traz, da satisfação de contribuir, de se sentir parte de um processo e que eu nem deveria me preocupar em enviar presentinhos extras.

E eu acho o máximo. Aliás, faço o mesmo com meia dúzia de outros produtores de conteúdo com os quais colaboro religiosamente.

No meio da discussão, recebi um comentário do ouvinte Milton Braga:

– O problema dos podcasters é que seu produto não vem numa caixinha, nem é colocado numa vitrine de shopping. Se fosse, acredito que as pessoas estariam pegando empréstimo para comprá-lo. Não sabem elas que seu “produto” é muito mais importante e vai durar muito mais que uma bolsa de marca famosa que hoje a atriz da novela das 8 usa.

Pois é… O Milton fala de percepção de valor, de um tema que me fascina, a transição do nosso atual modelo de “posse” para “acesso”. Não discuto na hora de pagar dez reais numa lata de cerveja quente na balada, quinze reais para estacionar o carro, dez reais para o flanelinha, trezentos reais numa bermuda, dois mil reais num aparelho celular, mas não aceito pagar para ler um artigo, para ouvir um programa. Só dou valor àquilo que posso pegar, ver, guardar no armário. Só valorizo a posse.

O sujeito paga 50 reais por um DVD que ficará parado num canto, empoeirando, mas resiste pagar menos de 20 reais pela assinatura mensal da Netflix, que não ocupa espaço e lhe permite assistir filmes infinitamente… A caixinha de plástico, a embalagem, o CD em mãos, a sensação de que ele é só seu, essa é a percepção de posse que está mudando, especialmente em razão da tecnologia, e que alterará completamente nossos hábitos de consumo.

Passa a valer não a posse, mas o usufruto dos benefícios que o produto traz. Não quero ser dono da caixinha ou do disco de plástico, que gasta recursos e energia para ser produzido, ocupa espaço, gera embalagem que tenho que jogar fora… Quero é o prazer de assistir ao filme quando e onde quiser, apenas apertando um botão. Não preciso do filme, preciso do acesso a ele. Não preciso do automóvel, preciso ser levado de um lugar para outro.

É essa percepção da posse, que é milenar, que começa a mudar, e juntamente com ela, nossos hábitos de consumo. Aplicativos como o Netflix, serviços como o Uber  e assinaturas como as que eu propus para o Podcast estão quebrando resistências, mudando culturas e criando uma nova espécie de consumidores.

Os que aprenderam a valorizar o acesso, não a posse.