s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Tanta Porcaria

Tanta Porcaria

Luciano Pires -

TANTA PORCARIA

Fui ligar a televisão na hora do jantar e meus filhos protestaram. “Chega, pai. Não agüentamos mais ouvir tanta porcaria”…


“Tanta porcaria”… É só abrir o jornal ou a revista. Ligar o rádio ou a televisão. Navegar pela Internet. Telefonar pro amigo. Bater um papo no bar da esquina. Conversar com o taxista… Tanta porcaria.


A isso foi reduzido o país que um dia eu sonhei ver entre os grandes, sem que para tanto precisasse ganhar a Copa do Mundo: tanta porcaria.


Pois refleti sobre o que ouvi de meus filhos. Sobre a cabeça de uma juventude que está mergulhada completamente em “tanta porcaria”. E começo a entender o espaço ocupado pelas baixarias na televisão. Pelos videogames. Pelas baladas sem fim. Pela aparente desconexão dos jovens com a realidade social do país. Afinal de contas, a opção é “tanta porcaria”…


O que é que um clima constante de “tanta porcaria” é capaz de criar, hein? Uma população de gente cansada, inerte, decepcionada, desligada, angustiada, broxada, desorientada, descomprometida…


Pense um pouco. Você acorda de manhã, cheio de energia para ir trabalhar, estudar, cuidar de sua vida. Abre os olhos para o mundo e o que vê é “tanta porcaria”. Abre os ouvidos para o mundo e o que ouve é “tanta porcaria”. O que acontece com sua energia? Com sua motivação? Com seu tesão?


Estamos vivendo neste Brasil de começo de milênio um processo sem precedentes de desmotivação, de humilhação, de desilusão, causado pela exposição sistemática, diária e constante a “tanta porcaria”. E o Brasil possível parece ser apenas o da porcaria.


Talvez devêssemos reduzir essa exposição, dedicar mais tempo a  coisas outras que não a “porcaria”. Será essa a fuga que a juventude desiludida encontrou? Daí a despolitização? A inércia?


Pode ser.


Mas conheço outro Brasil. Nele vivo eu, meus amigos e parentes, uma porção de brasileiros honestos e trabalhadores. Esse outro Brasil é gigantesco, cheio de coisas positivas, com milhões de pessoas fazendo acontecer, com gente honesta e empresas de primeiro mundo, com arte, cultura e um futuro promissor. Nesse Brasil existem dignidade, amor, virtudes, moral… Tem neguinho trabalhando como louco, fazendo acontecer, bem intencionado e disposto a ajudar o país a crescer.


Mas infelizmente esse outro Brasil só aparece na televisão em novelas, como se fosse ficção. Não existe espaço para ele em meio a “tanta porcaria”.


Por isso aquela catarse da Copa do Mundo, aparentemente a única alternativa capaz de nos elevar a auto-estima por algumas semanas, de nos transportar da porcaria para a glória. Gritamos, pulamos, extravasamos nosso orgulho contido, aquele orgulho de ser um brasileiro daquele “outro Brasil”. Até percebermos, num misto de angústia e desilusão, que o futebolzinho de nossa seleção era uma… Porcaria!


E não adiantou reclamar, chorar, ficar indignado, xingar…


Aquelas celebridades milionárias, que a mídia transforma em referências, representaram perfeitamente um Brasil.


O Brasil da “tanta porcaria”.


Atendi meus filhos.


Não liguei a televisão.