s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Therezinha De Jesus

Therezinha De Jesus

Luciano Pires -


THEREZINHA DE JESUS


Dia 21 de novembro de 1981 me casei. E em algum momento imaginei como eu estaria vinte e cinco anos depois. Me imaginei pai. Me imaginei com cinqüenta anos. Me imaginei morando em minha casa própria… Nem sei se imaginei como seriam minhas bodas de prata. Será que eu estaria bem? Será que ainda estaria casado? Onde será que eu estaria morando? Como seriam meus filhos? Eu estaria bem de vida? Trabalhando onde? Difícil imaginar, não é? Para um jovem recém-casado, o futuro fica distante demais diante das expectativas do presente.
A única certeza que eu tinha era de que estaria rodeado pela família. Afinal, sempre tinha sido assim e vinte e cinco anos depois não seria diferente. Pois foi assim mesmo. Dia 21 de novembro de 2006, passei meus vinte e cinco anos de casamento rodeado da família. Filhos, sobrinhos, tios, primos e pais. Mas não foi como imaginei…
Meus vinte e cinco anos de casamento foram marcados pelo falecimento, velório e sepultamento de minha sogra a Dona Thereza, aos 74 anos. Dona Thereza estava debilitada, com problemas de saúde que a levaram a internação por duas vezes num intervalo de dez dias. Na segunda vez, o coração não resistiu. E quis o destino – ou ela – que fosse no dia das minhas bodas de prata. E passei por aquela enxurrada de sensações e sentimentos que nos afoga quando acompanhamos nossos filhos da primeira vez que enfrentam a morte repentina de um ente próximo e querido. Como consolar aquelas lágrimas tão jovens e doídas? Que resposta dar a uma adolescente que aos prantos diz:
– Eu rezei tanto pra Deus! Tanto…
Como encarar as lágrimas de netos que perderam a avó, que os queria tão bem e deixava isso claro a cada encontro, a cada olhar, a cada gesto?
Dona Thereza era a pastora que não deixava que as ovelhas escapassem. Quando percebia que uma estava arredia, tratava de trazer de volta para o rebanho. Como a maioria das mães, era a cola que mantinha a família unida.
No velório, chamava atenção a imagem de Jesus Cristo no caixão. Dona Thereza gostava muito dele.
Mas como é difícil “cair a ficha”…
Como toda família, a nossa também tinha rotinas em torno do pai e da mãe, do Vô e da Vó. Natal, aniversários e datas especiais eram em Bauru, todo mundo hospedado na casa da vó Thereza.
Agora, acabou.
E é preciso lembrar a cada segundo que… acabou. Ensinar o cérebro a aceitar algo que parece impossível. As pessoas que a gente ama não vão morrer nunca. Quem morre são os parentes dos outros. Os nossos, jamais. E quando isso acontece, a gente não aceita. Não aprendemos a viver sem referências.
No entanto… Não aceitar a morte é não aceitar a vida. Precisamos da perspectiva da morte para viver intensamente cada segundo de nossas vidas. E isso torna a morte nossa “cúmplice” e não inimiga. Você consegue pensar assim? Eu tô tentando. Mas tá difícil.
Minhas bodas de prata passaram e 21 de novembro virou data esquisita. De festa e de saudades. Pra rir e pra chorar. De alegria e de tristeza.  
Therezinha não é mais do Perez, da Mar, do Gui, da Deni, do Lu, da Lilian, do Dani, da Ju, da Gabi e do Vini.
Therezinha é de Jesus.