s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Tô de olho no sinhô!

Tô de olho no sinhô!

Luciano Pires -

O jornal O Estado de São Paulo divulgou pesquisa do Ibope sobre a simpatia do eleitor por partidos políticos. Em 20 anos, de junho de 1988 até maio de 2007, uma das curvas permaneceu estável: 40% dos eleitores não simpatizavam com partido algum. Mas nas pesquisas de 2010 e 2012 a curva mudou de tendência e cresceu para 50% e 56% respectivamente. E agora em 2013, depois do mensalão e das loucuras que aconteceram e ainda estão por vir, a curva deve subir mais um pouco.

Por volta de 1982 o PMDB tinha a simpatia de 25% dos eleitores, caindo para 5% em 2012. O PSDB, que vinha de 10% em 1994, chegou a 5% em 2012. O PT, que vinha de 15% entre 1998 e 2000 e subiu para 33% entre 2002 e 2003, terminou 2012 com 24%. Enquanto isso Lula e Dilma alcançavam índices de popularidade excepcionais, mostrando que o brasileiro descola a figura do governante dos partidos de onde eles vêm.

Enquanto isso, a maior empresa de relações públicas do mundo, a Edelman, divulgou a edição 2013 da pesquisa que ela realiza desde 1998, o “Trust Barometer”. Ela entrevistou mais de 31.000 formadores de opinião em 26 países, examinando o índice de confiança em quatro instituições: governo, negócios, mídia e ONGs. Em 2011 o Brasil estava em primeiro lugar na lista, com um índice espetacular de 80% de confiança nas quatro instituições. Em 2012 caímos para 14º lugar, com 51%, subindo em 2013 para 12º com 55%.

Na edição de 2013 (que você encontra aqui: http://bit.ly/VjDa7j) , a avaliação global da capacidade de ação dos governantes revelou que 85% dos participantes acreditam que eles são incapazes de resolver os problemas sociais; 86% acham que são incapazes de tomar decisões éticas e morais, e 87% acham que jamais falam a verdade sobre questões complexas ou impopulares.

Há que se mergulhar profundamente na pesquisa para tirar conclusões que sirvam de reflexão sobre quais os caminhos da sociedade, mas de imediato dá para sacar que existe uma clara distinção entre “confiar no governo” e “confiar nos governantes”. A pesquisa da Edelman mostrou que, globalmente, 41% dizem confiar no governo, mas apenas 13% confiam nos governantes. E como confiança, simpatia ou popularidade não são a mesma coisa, fica evidente que existe um claro processo de destruição de valor em andamento. O resultado é uma transição da confiança: a pesquisa mostra que a maioria dos respondentes considera uma pessoa comum ou um professor, duas vezes mais confiável que um governante, o que abre uma avenida bem pavimentada para as redes sociais em relação às ruas esburacadas das mídias tradicionais.

Isso dá pano pra manga. Essa reflexão me trouxe à lembrança o humorista Clayton Silva, que faleceu nos primeiros dias de 2013. Era dele o personagem da Praça é Nossa que usava o bordão:

– Tô de olho no sinhô.

O recado para os políticos é claro: continuem assim que uma hora o caldo entorna.

Luciano Pires