s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Vaga-Lumes

Vaga-Lumes

Luciano Pires -


VAGA-LUMES



Recebi muitas respostas ao texto que escrevi quando completei meus quarenta e nove anos este ano. Uma delas fez com que eu visualizasse a cena. Quem escreveu foi Ledy Buttendorf: “Você não é diferente da gente. Já completei cinqüenta e posso adiantar que não dói. Sou avó e a Júlia é uma graça. Sexta-feira, 9,30h da manhã ela chegou ao meu escritório de advogada, dia lindo, sol iluminando tudo, não deu outra: fomos pra praia brincar, pulamos amarelinha riscada com graveto na areia dura, fizemos castelo, corremos, rimos e molhamos o pé na água fria. O trabalho teve que esperar pra hoje, mas ganhei o dia. Essa é a diferença: aos cinqüenta a gente é capaz de fazer escolhas especiais…”.


Pouco tempo antes, eu tinha recebido uma outra reflexão de um amigo, que escreveu assim: “Ontem ouvi uma expressão curiosa em um programa esportivo citando que o apelido de um determinado jogador é vaga-lume, pois às vezes brilha e em outras ocasiões fica apagado.
Realmente, as exigências do meio que nos cerca são grandes e, na maior parte do tempo, temos que brilhar. Acho que o importante não é ter um brilho forte por pouco tempo, mas sim fornecer luminosidade, ainda que mais branda, porém duradoura. São pequenas realizações que não se apagam e ficam na lembrança. Cito um exemplo: semana passada tinha umas 4 horas disponíveis no sábado e resolvi compartilhar com pessoas. Assim sendo, de improviso, convidei minha filha maior e de contra peso o pequeno Mateus, filho de nossa empregada, para pescar na represa.   Comprei caniços, linha, anzóis e iscas e fomos lá pra beira do lago onde ficamos conversando  por pelo menos duas horas e não pegamos nada de peixe apesar das inúmeras tentativas. Na volta parei em uma lanchonete como fazia nos velhos tempos e fomos felizes para casa. De repente vejo o valor daquele evento tanto para um bom papo com minha filha quanto à alegria do Mateus de sair um pouco da rotina e pescar pela primeira vez. O que mais marcou aquele frio dia foi o brilho de alegria nos olhos de meus dois valiosos companheiros. Provavelmente era o reflexo das poucas horas de vaga-lume que representei para eles. Preciso praticar mais vezes”.
 


A Ledy e meu amigo fizeram papel de vaga-lumes. Aquele garoto certamente levará pela vida toda a lembrança de sua primeira pescaria. E a neta da Ledy jamais se esquecerá dos castelos feitos na areia.


Quanto vale isso?


Pois pensei em escrever este artigo como um singelo presente de Natal. Mas depois concluí que um presente melhor seria lançar uma questão…


Tá sentado? Tá sentada?


Então tó:



– Você tem sido o vaga-lume de alguém? 


Boas Festas.