s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Vem pra briga!

Vem pra briga!

Luciano Pires -

Tenho um podcast, programa em áudio distribuído pela internet, chamado Café Brasil. Simples, com reflexões, bom humor e música popular brasileira diferenciada. O programa nasceu em maio de 2005 na rádio Mundial de São Paulo e se transformou em podcast em setembro de 2006. Um dia achei que daria para veicular o programa em alguma emissora de alcance nacional e fiz o que a lógica manda: fui procurar as grandes redes. Algumas se interessaram, desde que eu tivesse 40 mil reais por mês para pagar pela veiculação. Argumentei sobre o conteúdo, senti que falava para as paredes. E depois vieram as fórmulas: mude o tom aqui, corte ali, bote outro tipo de música, não fale disto que é proibido, nem daquilo que “nosso público não aceita”. Aplicando as recomendações, meu programa ficaria igual às porcarias que vão ao ar diariamente, repletas de música idiota, texto idiota, apresentador à altura, falando para um público idiota.

A maioria das emissoras de rádio e televisão não faz parte da indústria da informação. Faz parte da indústria da propaganda.

Conteúdo? Só como isca para a publicidade. Existem cada vez menos exceções, mas para essas emissoras, jovens são vazios, só se preocupam com festas, só ouvem gente gritando e música enlatada repetitiva e de qualidade duvidosa. Mulheres são donas de casa, vazias, que só precisam de receitas de bolo e alguém comentando sobre a vida de celebridades. Ouvintes e espectadores são vistos como alguém de quem tirar algum.

Conteúdo? Ah, que bobagem.

Conclusão: é praticamente impossível vencer pelo conteúdo quando tratamos com diretores artísticos das emissoras de grande audiência. Propostas que não repitam fórmulas convencionais dificilmente são aceitas, a aversão a riscos é o grande assassino da criatividade. Mais fácil nivelar por baixo, fazer como todo mundo faz e brigar pela mediocridade dos anunciantes, que também preferem não fazer loucuras. De dentro das salas dos diretores de programação das grandes redes não sairá nenhuma ideia inovadora. São perigosas demais. A menos que caiam nas graças do dono da emissora… ou então que eles estejam desesperados.

E quem é que pode desesperá-los? Nós. Eu. Você. O público.

As pessoas ainda não inertes estão de saco cheio das fórmulas prontas, dos programinhas repetitivos com as mesmas propostas rasas e comerciais. É isso que explica o sucesso cada vez maior da anárquica programação da internet, que não tem o compromisso de agradar a todo mundo ao mesmo tempo, que traz de volta o inesperado, o irreverente, o politicamente incorreto, pulverizando a rotina insossa do blá, blá, blá de cada dia. A internet traz a liberdade de escolha, a independência, transferindo o poder definitivamente para o público e deixando muito claro que nós, espectadores, temos poder para provocar a renovação. Basta dar nossa atenção, nossa audiência, para o que presta e pressionar os patrocinadores a parar de injetar dinheiro nas porcarias que infestam as mídias tradicionais e sociais. Nunca foi tão fácil.

Eu estou fazendo minha parte. Minha audiência as porcarias não têm, e sempre que posso, provoco os diretores de marketing das empresas que dão o dinheiro que sustenta as barbaridades. Mas 10 anos atrás achei que era possível ir um pouquinho além.

Sozinho, pequenino, desconhecido, metido a besta e com a ajuda dos ouvintes, já publiquei 520 programas, totalizando 266 horas de conteúdo, 2.600 músicas apresentadas  e milhares de ideias valorizando a liberdade de expressão e semeando a autonomia de pensamento.

Liberdade.

E se você quer saber, a briga está só começando. Existem  centenas de outros como eu, colocando no ar suas ideias independentes através de podcasts, videocasts e blogs. E você tem um papel primordial. Gostou? Compartilhe! Tem penetração em alguma rádio e está interessado num conteúdo que não seja imbecil? Dê um alô pra gente. Só assim, fazendo a nossa parte, criando e compartilhando conteúdo pertinente, podemos nos livrar da ditadura da baixaria, do irrelevante, do medíocre.

O Brasil precisa de mais gente lutando por liberdade.

Obrigado a você que aceitou comprar a briga.