s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Vossa Excelência Achacadora

Vossa Excelência Achacadora

Luciano Pires -

O bicho pegou na Câmara dos deputados quando o ex-ministro Cid Gomes confirmou em alto e bom som que ali existem “400 ou 300 achacadores”. Quem assistiu ao embate Cid x deputados ficou, como diria aquela, estarrecido. Mas só os bobinhos achavam que Cid baixaria a crista e humildemente pediria desculpas. Não é de sua natureza.

Eu tive uma compreensão ampliada do embate. Ninguém diz o que Cid disse e permanece ali com um sorrisinho enquanto o mundo cai, só se comporta assim quem é maluco ou está desempenhando um papel. Sei que a tentação de considerar Cid maluco é grande, mas ele é antes de qualquer coisa um boquirroto e tenho convicção que serviu de instrumento para desestabilizar o legislativo. Puro jogo de poder.

Tive essa percepção ampliada por um livrinho que acabo de ler, chamado “O Nobre Deputado” de autoria do juiz de direito Márlon Reis que, através de um personagem fictício, o deputado Cândido Peçanha, descreve como o poder transforma dinheiro em mais poder, mais dinheiro, mais poder.

Na abertura do primeiro capítulo, está escrito: “…estou aqui para contar a verdade que todo político esconde de seus ‘eleitores’. Por que escrevi ‘eleitores’ entre aspas? Porque não existem eleições. A grande farsa eleitoral brasileira é o tema deste livro”. O que vem na sequência é, como diria aquela outra vez, estarrecedor: uma descrição detalhada dos intestinos do poder, de como tudo se move em torno do dinheiro e nós, eleitores, não fazemos qualquer diferença.

O livro descreve como age um achacador, o sujeito que usa sua posição de poder para exigir algo em troca, que pressiona, chantageia, rouba e engana, mas que é tratado como autoridade. Que flana impune sobre as leis, protegido pelo super poder que ganhou nas urnas: o de representar “o interesse do povo em diversos níveis: meu país, meu Estado, minha cidade, meus amigos, minha família, meus interesses próprios. Nessa ordem crescente.”

De certa forma eu já sabia do que o livro tratava, mas não tinha a riqueza de detalhes sobre até onde um achacador pode chegar, sobre como estamos reféns de um sistema que se auto protege, permitindo que vigaristas enriqueçam da forma mais pérfida imaginável, desviando dinheiro de quem mais necessita.

O livro, ao focar na história fictícia de um personagem inspirado em fatos reais, pode ser perigosamente interpretado como uma generalização, como um exagero, especialmente se você tiver simpatia por este ou aquele político ou partido. Talvez alguém se sinta tentado a dizer que o autor “esqueceu as regras de convivência democrática, desrespeitou o parlamento brasileiro de forma pueril, leviana e sem consistência, porque aponta o dedo, faz acusações, mas não diz o crime, não dá os nomes.” Não por acaso, essas foram as iradas palavras do Deputado Leonardo Picciani, do PMDB, para o ex-ministro Cid Gomes no embate na Câmara dos Deputados.

A semana na qual li o livro terminou num domingo marcante, o mesmo que deu início à semana na qual se deu o embate entre Cid e os deputados , o 15 de março de 2015, quando centenas de milhares de brasileiros foram às ruas para dizer “basta”.

Basta de quê?

Da certeza de que tanto Cid Gomes quanto os deputados que o atacaram expondo seus desmandos enquanto governador, estão certos.

Da angústia de imaginar que os achacadores podem não ser 300 ou 400, mas 1.000, 5.000, 10.000, 100.000…

Da certeza de saber que é tudo por dinheiro.

Basta.