s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Vossa Excelência Achacadora

Vossa Excelência Achacadora

Luciano Pires -

O bicho pegou na Câmara dos deputados quando o ex-ministro Cid Gomes confirmou em alto e bom som que ali existem “400 ou 300 achacadores”. Quem assistiu ao embate Cid x deputados ficou, como diria aquela, estarrecido. Mas só os bobinhos achavam que Cid baixaria a crista e humildemente pediria desculpas. Não é de sua natureza.

Eu tive uma compreensão ampliada do embate. Ninguém diz o que Cid disse e permanece ali com um sorrisinho enquanto o mundo cai, só se comporta assim quem é maluco ou está desempenhando um papel. Sei que a tentação de considerar Cid maluco é grande, mas ele é antes de qualquer coisa um boquirroto e tenho convicção que serviu de instrumento para desestabilizar o legislativo. Puro jogo de poder.

Tive essa percepção ampliada por um livrinho que acabo de ler, chamado “O Nobre Deputado” de autoria do juiz de direito Márlon Reis que, através de um personagem fictício, o deputado Cândido Peçanha, descreve como o poder transforma dinheiro em mais poder, mais dinheiro, mais poder.

Na abertura do primeiro capítulo, está escrito: “…estou aqui para contar a verdade que todo político esconde de seus ‘eleitores’. Por que escrevi ‘eleitores’ entre aspas? Porque não existem eleições. A grande farsa eleitoral brasileira é o tema deste livro”. O que vem na sequência é, como diria aquela outra vez, estarrecedor: uma descrição detalhada dos intestinos do poder, de como tudo se move em torno do dinheiro e nós, eleitores, não fazemos qualquer diferença.

O livro descreve como age um achacador, o sujeito que usa sua posição de poder para exigir algo em troca, que pressiona, chantageia, rouba e engana, mas que é tratado como autoridade. Que flana impune sobre as leis, protegido pelo super poder que ganhou nas urnas: o de representar “o interesse do povo em diversos níveis: meu país, meu Estado, minha cidade, meus amigos, minha família, meus interesses próprios. Nessa ordem crescente.”

De certa forma eu já sabia do que o livro tratava, mas não tinha a riqueza de detalhes sobre até onde um achacador pode chegar, sobre como estamos reféns de um sistema que se auto protege, permitindo que vigaristas enriqueçam da forma mais pérfida imaginável, desviando dinheiro de quem mais necessita.

O livro, ao focar na história fictícia de um personagem inspirado em fatos reais, pode ser perigosamente interpretado como uma generalização, como um exagero, especialmente se você tiver simpatia por este ou aquele político ou partido. Talvez alguém se sinta tentado a dizer que o autor “esqueceu as regras de convivência democrática, desrespeitou o parlamento brasileiro de forma pueril, leviana e sem consistência, porque aponta o dedo, faz acusações, mas não diz o crime, não dá os nomes.” Não por acaso, essas foram as iradas palavras do Deputado Leonardo Picciani, do PMDB, para o ex-ministro Cid Gomes no embate na Câmara dos Deputados.

A semana na qual li o livro terminou num domingo marcante, o mesmo que deu início à semana na qual se deu o embate entre Cid e os deputados , o 15 de março de 2015, quando centenas de milhares de brasileiros foram às ruas para dizer “basta”.

Basta de quê?

Da certeza de que tanto Cid Gomes quanto os deputados que o atacaram expondo seus desmandos enquanto governador, estão certos.

Da angústia de imaginar que os achacadores podem não ser 300 ou 400, mas 1.000, 5.000, 10.000, 100.000…

Da certeza de saber que é tudo por dinheiro.

Basta.