s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

As visões se clareando

As visões se clareando

Luciano Pires -

Estou vendo e lendo muita gente cética com as mudanças que virão com o possível impeachment de Dilma Rousseff. Os argumentos se repetem: “tirar a Dilma pra botar o Temer?”, “ela será julgada por bandidos”, “tinha que mudar tudo”, “só vamos trocar de bandidos”.

Vou com  Lao-Tsé: “Toda jornada começa com o primeiro passo”.

Queremos mudar o Brasil do ponto A para o ponto B, e essa transição precisa ser feita de forma gradual e progressiva. Se feita abruptamente, com base em alguma revolução como querem alguns, vai dar no que já cansamos de ver: populismo e/ou sangue. Ou no surgimento de um Messias que dará em outra coisa que também já cansamos de ver: sangue e/ou populismo.

Estou entre os que acham que o homem é imperfeito, que ninguém tem a solução para os problemas do mundo, que evoluímos imensamente ao longo da história e que o que temos de fazer é melhorar o que temos de bom, sem tentar rompimentos que acabam, de novo, em populismo e/ou sangue.

Por isso, em vez de ficar paralisado com medo do outro bandido que está na esquina, prefiro combater o que está me atacando agora, liquidá-lo e só então enfrentar o outro. E para isso eu olho em volta para perceber o que está acontecendo ou aconteceu nos últimos 10 anos. O que vou elencar a seguir não segue uma escala de prioridade, são apenas fatos que me lembro sem precisar pesquisar:

– o desentorpecimento das mentes conquistadas pelo canto da sereia que há 50 anos promete o paraíso ético, do crescimento e da harmonia para os brasileiros. Como a história já demonstrou, quem promete o céu fica sempre na promessa;

– o desnudamento da república dos marqueteiros, dirigida por populistas, pelas promessas, permanentemente em campanha eleitoral;

– o desnudamento da maquiagem de números, estatísticas, histórias e personagens a serviço de uma narrativa que criava um mundo ideal, muito diferente do real;

– o desnudamento das relações entre o poder e o dinheiro, com compra explícita de votos, de decisões, de benesses;

– o desnudamento da fragilidade de nossas leis, que parecem feitas para serem burladas por quem conhece o caminho das pedras;

– o surgimento de uma geração de juízes, promotores, delegados e – por que não – políticos jovens, dispostos a recuperar valores que foram atropelados pelos interesses pessoais de muitos;

– o desmantelamento de quadrilhas poderosas, com quase 200 criminosos já processados só no Petrolão, mais de 60 presos, entre eles alguns dos homens mais ricos e poderosos do Brasil;

– a revelação dos planos, conversas de bastidores, relações espúrias e conspirações, explicitando o caráter (ou falta dele) dos que se diziam donos da verdade e do futuro;

– o desmanche dos discursos dos que se diziam paladinos da ética, vários deles metidos nas mesmas maracutaias que aqueles que diziam combater;

– a desqualificação do discurso dos progressistas e estatistas que, durante mais de 50 anos, venderam uma utopia e depois tripudiaram sobre a esperança dos que acreditaram neles;

– a revelação das contradições – uma quase esquizofrenia – dos que discursam para um lado e agem para outro;

– o desnudamento de órgãos da imprensa, institutos de pesquisa, ONGs, intelectuais, professores e artistas que se mostraram a serviço não de uma causa, mas de projetos de poder ou de ganhos pessoais;

– a politização de milhares de jovens que até meses atrás não estavam nem aí para as questões políticas e que acabaram se interessando, conversando e aprendendo sobre;

– o desnudamento dos partidos políticos, da falácia da “oposição x posição” e da estrutura política brasileira que é velha, ineficiente, corrupta e incompetente;

– o desnudamento do legislativo, executivo e judiciário, que expuseram suas limitações e a necessidade urgente de reformas;

– o desnudamento de lideranças dos tais movimentos sociais que se revelaram nada mais que peões do jogo do poder, interessados em agir a soldo de um projeto de poder enquanto se escondem atrás do discurso da proteção das minorias;

– a súbita percepção por milhões de brasileiros (ainda uma minoria dentro dos mais de 200 milhões de habitantes) de que são cidadãos, que têm direitos, que podem exigir serviços e produtos de qualidade;

– a percepção de que o estado monstruoso, em vez de incentivar os indivíduos, apenas tolhe sua liberdade, suas economias, sua capacidade de escolher o que for melhor para si e para a sociedade;

– a revelação do estado de completa bagunça institucional a que chegamos, com a ocupação de cargos importantes por indicados políticos, gente incompetente e a serviço de interesses escusos…

Olha, eu poderia ficar aqui até amanhã elencando as centenas ou milhares de coisas que mudaram nos últimos dias, meses e anos, especialmente as percepções, e que indicam que vem um Brasil novo por aí, menos tolerante com os espertinhos, mais interessado na garantia dos direitos individuais, mais respeitoso, mais propenso ao diálogo, menos apegado a velhos credos, menos crédulo nos messias salvadores, mais protegido dos discursos populistas que liquidam com o futuro.

Se você não enxerga essas mudanças, meus sentimentos.

Essas mudanças são vagarosas, vão acontecendo conforme contaminam as novas gerações, vão surgindo conforme a revelação das inconsistências entre discurso e prática destroem os mitos. Por isso ainda teremos de conviver com lama, ratos e idiotas úteis por um bom tempo. Mas o Brasil de 2016 não é o mesmo de 2003, 2005, 2008 ou 2010. As perguntas mudaram, as respostas têm de mudar. Por isso é preciso que mostremos a nós mesmos que podemos assumir a mudança e fazer com que aconteça o melhor.

Eu, como a maioria dos brasileiros, quero ver na cadeia todos que tiverem rabo preso, sejam do partido, clube, religião, opção sexual, cor ou estrato social que forem. Por isso nossa ação fundamental, de curto prazo, tem de ser preservar a Lava Jato até as últimas consequências.

Nos próximos dias veremos os Eduardos Cunhas da vida chamados a prestar contas com a justiça ou no mínimo caminharem para o ostracismo o que, creia, para quem ama o poder, é um castigo. Você que acha que não vai dar em nada deve ser o mesmo que dizia dois anos atrás que Marcelo Odebrecht jamais seria preso, não é? Que dizia que político não vai pra cadeia ou que ainda diz que “vai mas sai logo”. Pois é…

Dois anos atrás nem pra cadeia ia…

Algo mudou.

Ninguém mais mijará de porta aberta na minha frente. Acabou a indiferença.

E uma coisa espero que fique clara: se o Temer assumir e pisar na bola, derrubaremos o Temer. E derrubaremos todos os que vierem em seguida e não tiverem um compromisso conosco. Vamos sofrer, vai custar caro, mas é assim que funciona: mudar dói.

E essa mudança começa com a retirada do PT do poder, com a queda de todos que defenderam as falcatruas e, principalmente, com o pavor que essa reação popular incutirá entre os eleitos para nos representar em Brasília ou em nossas cidades.

Mas e se o impeachment não passar? E se a Dilma não cair? Bem, já teremos sentido o gostinho… Se eles acharem que estava difícil, não sabem do pesadelo que viverão até 2018.

Eles deixaram o Brasil amadurecer. Agora vão se ver conosco.

E a você que continua indiferente ou acha que tudo permanecerá como antes, ou que vai piorar, deixo um pedacinho do que Geraldo Vandré compôs em Disparada:

Mas o mundo foi rodando / Nas patas do meu cavalo

E os sonhos / Que fui sonhando

As visões se clareando / As visões se clareando

Até que um dia acordei.