s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Bonde

Bonde

Chiquinho Rodrigues -

Eu não sei você, mas eu cheguei a andar de bonde, sim. (No tempo em que a Hebe ainda era paquita). Era uma barato! Eu ia com minha mãe visitar minhas tias lá no bairro do Brás. Bom demais era observar aqueles tipos craques de bonde que com elegância e malandragem subiam e desciam nas paradas com ele ainda em movimento. Os bancos eram duros, frios e o uniforme do motorneiro (esse era o nome do condutor de bondes) era impecável.

O motorneiro era em geral uma figura simpática, assim como um carteiro. Ali, todo paramentado, ele passava pra gente a maior segurança na sua maneira de conduzir, além de ser gentil e paciente com todas as pessoas que subiam e desciam do carro que pilotava. (Sem comparação com aqueles cavalos de hoje, que dirigem nossos ônibus e lotações e que são o terror das velhinhas que já sobem no veículo loucas atrás de um ferro (malícia zero aqui) pra
poderem se apoiar).

Pois bem, nunca me explicaram direito, nem hoje e nem na época, o que foi feito de todos os motorneiros quando os bondes deixaram de circular.

Será que foram remanejados? Viraram ascensoristas? Cobradores? Porteiros? Ambulantes? Sabe-se lá, né?

Eu nunca soube. E esse é um pensamento recorrente em mim toda vez que passo pela Rua Fradique Coutinho em Pinheiros onde lá trafegava um desses bondes e morou durante muitos anos minha tia Fernanda. (alguém sabe aí o nome dessa linha?).

Era só eu ouvir o som produzido pelo atrito das rodas contra os trilhos quando ele descia a rua, e eu já ia correndo até a porta pra observá-lo passar.

Aliás, você já ouviu ou imagina o som de um bonde andando nos trilhos? É lindo cara! E se não teve a oportunidade de ouvir na época, hoje só em gravação.

E existem ótimas gravações. Captadas com ótimos equipamentos e por bons profissionais.

Você lembra de um filme com o John Travolta em que ele interpreta um técnico de som que sai durante a noite captando sons com um antigo gravador Nagra e registra em áudio o som de um crime? (Esqueci o nome)

Bom… se você não lembra, não faz mal não. Não tem mesmo nada a ver com esta minha lenga-lenga toda. Era só um pretexto para eu te falar dessa fauna estranha chamada Técnico de Som.

Não sei o que seria da minha vida dentro de um estúdio sem ter a parceria de um desses malucos. E sabe… tive o privilégio de ter os melhores me conduzindo.

A maioria das pessoas que têm a música como entretenimento, não sabe e não tem a menor idéia do talento, da dedicação, sensibilidade e sapiência que são necessários para um profissional que pilota uma mesa de áudio.

Além de ter conhecimento técnico, estar disponível, ser pontual, trabalhar além do horário, estar “up to date” com as novidades e lançamentos, o cara tem que ter também muito saco pra aguentar ataques de estrelismos de cantores, atrasos de locutores afetados, donos de estúdio muquiranas, clientes pentelhos, maestros inseguros e produtores rodadores de lâmpadas. Isso tudo quase sempre sem reconhecimento algum e por um salário de merda.

Trabalhei com vários. E um deles foi o David.

Sabe… se algum dia Deus resolver participar de algum  congresso de deuses e tiver que fazer seu porfólio, eu não sei quem ele vai colocar na capa (talvez Juliana Paes, minha mãe, Jobim ou Os Beatles) mas na página que represente dedicação e competência, certamente estará a foto do David.

Eu nunca conheci ninguém tão organizado, dedicado e que fizesse algo com tanto amor quanto ele.

Não vou te contar dele operando áudio não.

Mas uma mesa de áudio de 24 canais tem mais ou menos uns 420 knobs (knobs são aqueles botões onde a gente regula graves, médios, agudos, reverber, volumes de instrumentos, fones e onde se faz muita merda quando não se sabe direito onde está mexendo).

E quando não tinha gravação ele tirava os 420 botões da mesa de som e limpava um a um com Veja e ESCOVA DE DENTES!

Ele é o único cara que conheço que vai dormir, e quando acorda, o pijama não está amarrotado e a gente não consegue encontrar sequer um fio de cabelo fora do lugar.

O David trabalhou durante muitos anos no Estúdio Bandeirantes e depois foi pro Estúdio Avant Garde, onde com o tempo, acabou se tornando sócio. Por onde passou, criou verdadeiras obras-primas. Referências na publicidade.

Outro maluco com quem trabalhei foi o Janjão (Só não sei direito o andar onde talvez ele deva ser internado, mas tenho certeza da sua insanidade sim).

Você conhece alguém viciado em manual de instruções?

O janjão é.

Ele lê o manual de tudo que encontra pelo caminho! Ele sabe de cor o manual de instruções do Pro Tools,  do Avid,  da instalação da caixa d água do prédio dele, do cel do sogro, do filtro Melitta, da caixa preta do Cesna, da enceradeira Electrolux, de todos os fornos microondas, regras de batalha naval, Badminton, caxeta, pôquer e disputa de palitinhos. Um pentelho!

Mas tê-lo pilotando uma mesa de áudio é ter a tranqüilidade e segurança de ser conduzido por um motorneiro em um passeio de bonde num ensolarado domingo de Jovem Guarda. (Época em que o Mário Lago era só uma poça d’água)

Você, amigo, que hoje grava seu programa de rádio, sabe o quanto se é dependente de um profissional assim. Eu poderia rechear esta crônica com centenas de histórias sobre técnicos de estúdio como: Miro, Shaolin, Zorro, Gato, Mica e muitos outros que por osmose e transpiração me ensinaram o pouco que sei.

Te tudo isto porque recebi muitos e-mails e telefonemas por conta da crônica “Uma História de Áudio”. E fiquei sabendo então que muitos estúdios fecharam suas portas nos últimos anos: Cardan, Zelão, Cinestudio, Sonima, Publisol, Eldorado, Sonotec e outros tantos.

No mês passado foi a vez do estúdio Avant Garde desistir da luta. E meu amigo David, depois de mais de 30 anos dedicado ao áudio, está desempregado. Vivendo praticamente de bicos em estúdios de ensaio. (sei que vai encontrar
algo adequado).

E o Janjão está voltando para Recife, sua terra natal. Pois aqui também não tem encontrado trabalho.

Histórias de áudio, que eu sempre pensei que fossem terminar num sutil, leve e demorado fade out. Sumindo aos poucos, levadas pelos próprios sinais dos tempos. Como o som desafinado de um apito de um trem que passa e se
perde ao longe, (Doppler explica isso) ou o som do atrito das rodas nos trilhos de um bonde subindo uma ladeira e sumindo numa madrugada qualquer da nossa infância.

Para onde irão os técnicos de som quando fecharem todos os estúdios? Pro mesmo lugar que os motorneiros?

Entendo sim que o velho deva dar lugar ao novo… que transições são necessárias. É o ciclo natural da vida.

Mas eu gostaria de uma transição mais lenta… mais gradual…

Eu insisto. Um final mais condizente com uma história de áudio. Um sutil e demorado fade out…

E não um inexorável e violento… mute geral.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues