s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Então... diante dos acontecimentos dos últimos dias eu ...

Ver mais

Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Recebi um convite para participar do podcast Beyond The ...

Ver mais

Café Brasil 924 – Portugal dos Cravos – Revisitado
Café Brasil 924 – Portugal dos Cravos – Revisitado
Lááááááááá em 2007, na pré-história do Café Brasil, ...

Ver mais

Café Brasil 923 – O Corcunda de Notre Dame
Café Brasil 923 – O Corcunda de Notre Dame
"O Corcunda de Notre Dame", obra-prima de Victor Hugo, ...

Ver mais

LíderCast 320 – Alessandra Bottini
LíderCast 320 – Alessandra Bottini
A convidada de hoje é Alessandra Bottini, da 270B, uma ...

Ver mais

LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
No episódio de hoje a revisita a uma conversa que foi ...

Ver mais

LíderCast 319 – Anna Rita Zanier
LíderCast 319 – Anna Rita Zanier
A convidada de hoje é Anna Rita Zanier, italiana há 27 ...

Ver mais

LíderCast 318 – Sidney Kalaes
LíderCast 318 – Sidney Kalaes
Hoje recebemos Sidney Kalaes, franqueador há mais de 30 ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

A tragédia e o princípio da subsidiariedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A tragédia e o princípio da subsidiariedade “Ações que se limitam às respostas de emergência em situações de crise não são suficiente. Eventos como esse – cada vez mais comuns por ...

Ver mais

Percepções opostas sobre a Argentina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções opostas sobre a Argentina “A lista de perrengues diários e dramas nacionais é grande, e a inflação, com certeza, é um dos mais complicados. […] A falta de confiança na ...

Ver mais

Economia + Criatividade = Economia Criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia + Criatividade = Economia Criativa Já se encontra à disposição no Espaço Democrático, a segunda edição revista, atualizada e ampliada do livro Economia + Criatividade = Economia ...

Ver mais

Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Ao longo dos anos, o Brasil experimentou uma variedade ...

Ver mais

Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
O Brasil está vivenciando duas lamas que revelam muito ...

Ver mais

Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Minhas palestras e cursos sobre liderança abrem assim: ...

Ver mais

Cafezinho 621 – Obrigado por me chamar de ignorante
Cafezinho 621 – Obrigado por me chamar de ignorante
Seja raso. Não sofistique. Ninguém vai entender. E as ...

Ver mais

Café Brasil 863 – Gaslighting

Café Brasil 863 – Gaslighting

Luciano Pires -

Sabe quem ajuda este programa chegar até você?

É a Terra Desenvolvimento Agropecuário, que é especializada em inteligência no agro.

Utilizando diversas técnicas, pesquisas, tecnologia e uma equipe realizadora, a Terra levanta todos os números de sua fazenda em tempo real e auxilia você a traçar estratégias, fazer previsões e, principalmente, agir para tornar a fazenda eficiente e mais lucrativa.

E para você que acredita no agro e está interessado em investir em um seguimento lucrativo e promissor, a Terra oferece orientação e serviços, para tornar esse empreendimento uma realidade.

terradesenvolvimento.com.br – razão para produzir, emoção para transformar.

A inteligência a serviço do agro.

Então, chega mais! Eu quero fazer uma perguntinha pra você: você quer pegar seu carro, moto ou caminhão e chegar com muito mais tranquilidade e conforto onde quiser? Então escuta essa aqui, ó:  com a Nakata você chega muito mais longe! Porque a Nakata é a marca líder em suspensão que garante a qualidade das peças do seu veículo, pra chegar sempre mais longe.

Tudo para você seguir o seu caminho com mais segurança. Quer chegar sempre numa boa, hein?

Então, não esqueça, quando chegar lá no seu mecânico de confiança para uma revisão ou quando precisar daquele reparo, peça Nakata. Seu mecânico sabe das coisas e com Nakata na mão, ele vai te ajudar a chegar ainda mais longe.

Porque só com a Nakata a gente sabe: é tudo azul pela frente.

Chega mais! Em nakata.com.br.

No episódio de hoje vamos explorar uma técnica de manipulação psicológica que tem sido cada vez mais discutida: o gaslighting, que é uma forma de abuso emocional que envolve uma pessoa tentando fazer com que outra duvide de sua própria percepção da realidade e sanidade mental. Fique esperto, cara. Tá acontecendo aí, do seu lado…

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires. Posso entrar?

“Fala meu amigo! Tudo bem, Luciano? Aqui quem está falando é Marcos. São seis horas da manhã aqui, então no meu caso aqui hoje eu vou te falar bom dia.

Você tem um… não é um comentário, nem pra ser publicado, nada, aí nos seus programas, é só mesmo um bate papo contigo.

Você tem participado da minha vida muito ultimamente. Ultimamente não, há bastante tempo. Eu tenho bastante coisa que não dá pra relatar aqui, se não eu acho que dá até um podcast inteiro.

Você já participou bastante e é um dos poucos que tem participado, impactado positivamente na minha vida. Eu sou assinante do Café Brasil, do plano menor lá, do doze reais, porque, realmente, eu não tenho condições, ainda, de contribuir com o valor maior, né?

O Café Brasil é o tipo da coisa que eu sempre que eu posso, cara, eu ajudo. Eu já tive… se você até consultar o meu histórico aí, eu paguei dois meses, parei de pagar, paguei um parei três, enfim, sempre, assim que eu arrumava um emprego, alguma coisa, o Café Brasil era o primeiro que estava na minha lista de contribuições.

E hoje, graças a Deus, eu consegui um emprego, pelo menos fixo, e até fiz a assinatura aí, que está no meu cartão de crédito, assim não tem jeito de eu esquecer e realmente, é uma coisa que vai e que enquanto eu conseguir pagar, cara, eu vou continuar pagando.

Sei que às vezes a gente fala, poxa, mas é só doze reais. Não é a questão do valor, porque se eu pudesse contribuir com cinquenta, o outra plano aí de cinquenta e poucos, eu contribuiria. É que às vezes, meu amigo, doze reais faz falta. Mas hoje, graças a Deus eu já superei isso.

Na verdade, o meu contato também, é porque, cara, eu morro de vontade de fazer, tem umas jornadas lá e pra mim, nesse meu emprego eu creio que me ajudaria bastante, mas é assim, cara, eu não tenho condição de pagar isso pra ter as jornadas.

Então, uma sugestão. Não quero nada de graça, tá? Mas uma sugestão. Talvez vá dar um pouco mais de trabalho pra vocês aí, mas eu acho que poderia fazer o seguinte, cara: o cara, cada vez que ele contribuir, por exemplo, você dá um crédito, alguma coisa, entendeu? E aí, a cada doze contribuições, cada doze créditos, você poderia liberar uma jornada, ou algum tipo do… algum pacote que tenha só no Premium, né? Pra quem tem uma certa contribuição, pra quem faz contribuições consistentes, né?

Então, é só uma sugestão mesmo, tá? Porque tem umas jornadas lá que eu estou muito afim de fazer, velho, mas por enquanto ainda não dá, entendeu?

Quando eu conseguir pagar os cinquenta eu vou fazer todas, mas, é só uma sugestão, acho que vai dar um trabalho aí pra vocês, não sei se tem interesse também, mas daria um trabalhinho aí pra vocês controlarem isso, mas seria uma coisa legal pra quem consegue contribuir com menos, né?

Tenho certeza que muita gente que contribui com menos, não é porque acha que não vale, é porque realmente não tem condição de contribuir com mais, entendeu? Então, acho que seria uma coisa legal, um diferencial pra quem contribui menos.

Então, meu amigo, um abraço pra você, pra Ciça, pro Lalá, fiquem com Deus aí e sucesso pro Cafezinho.

Grande Marcos, muito obrigado pelo seu comentário. Eu fiz questão de publicar porque ele é importante sim, viu? A sugestão é muito boa e como você me acompanha há muito tempo, sabe que a maioria do conteúdo que produzo é distribuído gratuitamente, não é? Já são mais de 1500 episódios de podcasts, meu caro. E lá no Premium, vira e mexe a gente libera conteúdos e jornadas gratuitas. Sua sugestão é ótima, mas a gente não tem como aplicar. Teria de ter um controle para o qual a gente não tem braços. Mas não fique triste. Mande um whatsapp pra nós falando qual a jornada que você quer fazer a  gente encontra uma forma de te atender, tá bom? Ninguém que valoriza nosso trabalho fica sem ser atendido. Grande abraço.

Cara, o mundo anda tão louco, tão manipulado que, vira e mexe, eu me pego duvidando de minha capacidade de compreensão dos acontecimentos. Eu olho para pessoas que eu sempre considerei inteligentes, defendendo ações indefensáveis, afirmando e reforçando mentiras inacreditáveis, comprando narrativas estapafúrdias com tanta convicção, mas com tanta convicção, que eu fico pensando que o problema sou eu.

Eu é que sou burro, eu é que estou louco, eu é que desaprendi tudo, eu é que sou ignorante que não entendo nada de nada…

Ou não. Vou contar aqui uma história…

A história começa com uma jovem chamada Paula herdando a casa da sua tia assassinada em Londres, em meados do século 19. Paula se muda para a casa com seu marido, o pianista Gregory. Desde o início, Gregory começa a fazer pequenas mudanças na casa e a se comportar de maneira estranha, deixando a Paula nervosa e insegura.

Conforme a história avança, Gregory começa a usar a técnica de gaslighting para manipular Paula e fazê-la duvidar de sua própria sanidade. Entre alguns detalhes, o mais pitoresco é que ele começa a diminuir a intensidade da luz a gás na casa. Ele mexe lá no fluxo do gás e a luz fica mais forte ou mais fraca. E, em seguida, nega que algo tenha mudado, fazendo com que a Paula comece a questionar sua própria percepção da realidade.

Enquanto isso, um detetive começa a investigar o assassinato da tia da Paula. Ele começa a suspeitar de Gregory e sua conexão com o assassinato. Com a ajuda do detetive, Paula começa a perceber que está sendo manipulada e lentamente começa a recuperar sua confiança em si mesma.

O clímax do filme acontece quando Gregory tenta matar Paula, mas o detetive chega a tempo de salvá-la. O filme termina com Paula finalmente recuperando sua confiança e saindo da casa para seguir em frente com sua vida.

A história que acabo de contar é do filme Gaslight, de 1944, dirigido por George Cukor e estrelado por Ingrid Bergman e Charles Boyer. Bergman ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo filme que foi um sucesso de bilheteria. Mas antes dessa versão, em 1940, outro filme com o nome de “Gaslight” (À Meia Luz), dirigido por Thorold Dickinson, já havia adaptado uma peça de teatro de meados do século XIX, intitulada “Gas Light” (Luz a Gás), de autoria do dramaturgo inglês Patrick Hamilton.

O “Gaslight” de 1944 foi um grande sucesso de bilheteria e é considerado um clássico do cinema de suspense.

Foi esse filme, por conta da técnica de regular a intensidade da luz da casa, manipulando o fluxo de gás, que deu origem ao termo “gaslighting”, que é usado até hoje para descrever a manipulação psicológica que Gregory usava em Paula.

O termo “gaslighting” passou a ser usado para descrever uma forma de abuso psicológico, em que uma pessoa manipula outra para duvidar de sua própria sanidade. A vítima pode começar a questionar sua memória, sua percepção da realidade e sua sanidade mental.

Parece uma bobagem, não é, cara? Afinal, quem é tão ingênuo para cair nessa técnica? Bom, aqui estão alguns exemplos do uso de gaslighting nos dias de hoje:

Relacionamentos abusivos: os abusadores muitas vezes usam a técnica de gaslighting para controlar suas vítimas, fazendo com que elas duvidem de sua própria sanidade e memória. Eles podem negar ter dito algo, ou fazer a vítima questionar se algo realmente aconteceu, para criar uma sensação de confusão e desorientação.

Em família: Um pai pode dizer a seu filho que suas lembranças de experiências de infância estão incorretas ou que nunca aconteceram, fazendo com que a criança duvide de suas próprias memórias e percepções.

Nas amizades: Um amigo pode constantemente criticar a aparência, estilo de vida ou escolhas de outro, fazendo com que o amigo duvide de seu próprio valor e identidade.

Política: Um líder político pode negar ou exagerar a existência de certos problemas ou eventos, mesmo diante de evidências esmagadoras, fazendo com que o povo duvide de sua própria compreensão da realidade. Políticos criam realidades alternativas que beneficiem seus interesses, fazendo com que as pessoas questionem o que é verdade e o que não é.

Mídia: algumas organizações de mídia podem usar a técnica de gaslighting para controlar a narrativa em torno de eventos importantes. Eles podem apresentar informações falsas ou distorcidas como verdadeiras, criando uma sensação de confusão e desorientação entre o público.

Ambiente de trabalho: os colegas de trabalho ou chefes podem usar o gaslighting para manipular outros funcionários, fazendo com que duvidem de sua capacidade e sanidade. Um supervisor, por exemplo, pode constantemente rebaixar as ideias e contribuições de um funcionário, fazendo-o se sentir incompetente e questionar suas próprias habilidades. As pessoas podem negar informações importantes ou apagar arquivos importantes, para que o outro comece a questionar se realmente fez algo errado.

Por fim, redes sociais: alguns usuários de redes sociais e influenciadores podem negar informações importantes, ou apresentar informações falsas como verdadeiras, criando uma sensação de confusão e desorientação.

Technologic
Guy-Manuel de Homem-Christo
Thomas Bangalter

Buy it, use it, break it, fix it
Trash it, change it, mail, upgrade it
Charge it, point it, zoom it, press it
Snap it, work it, quick, erase it
Write it, cut it, paste it, save it
Load it, check it, quick, rewrite it
Plug it, play it, burn it, rip it
Drag and drop it, zip, unzip it
Lock it, fill it, call it, find it
View it, code it, jam, unlock it
Surf it, scroll it, pause it, click it
Cross it, crack it, switch, update it
Name it, read it, tune it, print it
Scan it, send it, fax, rename it
Touch it, bring it, pay it, watch it
Turn it, leave it, start, format it

Technologic
Technologic
Technologic
Technologic

Tecnológico

Compre, use, quebre, arrume
Jogue no lixo, mude, envie e, mail, faça upgrade
Carregue, aponte, dê zoom, aperte
Agarre, trabalhe, rápido, apague
Escreva, corte, cole, salve
Ligue, cheque, saia, reescreva
Plugue, jogue, queime, ripe
Arraste e solte, comprima, descomprima
Tranque, preencha, ligue, ache
Veja, bloqueie, atole, desbloqueie
Navegue, faça scroll, pause, clique
Atravesse, destrave, troque, atualize
Nomeie, leia, ajuste, imprima
Escaneie, envie, passe um fax, renomeie
Toque, leve, pague, assista
Gire, deixe, comece, formate

Tecnológico
Tecnológico
Tecnológico
Tecnológico

Opa. Você ouve Technologic, com a dupla francesa Daft Punk… No vídeo aparece um robô cantando, que parece que significa uma criança. A TV está moldando sua mente. A repetição das palavras, sempre no tom imperativo de compre! Use! Mude! Tem a ver com a forma como sofremos as pressões a sociedade… e nossas crianças são como robôs sendo propgramados a fazer o que a tecnologia manda. Cara, é sombrio….

Bom, eu não sei se alguma dessas situações é familiar a você. Provavelmente sim, só não tinha o nome de “gaslighting , não é? A gente chama puramente de manipulação.

Existem várias formas de manipulação, não apenas mexendo no registro do gás… Vamos ver algumas aqui. Mas antes…

Vem cá: você curte de verdade os conteúdos deste podcast aqui? Eles agregam valor à sua vida, hein? Você sabe que a gente  é independente, não é? Que tem de batalhar todo dia para conseguir monetizar nosso conteúdo, que depende, portanto, de nossos ouvintes para seguir em frente?

Acho que você notou que eu ando falando aqui, a cada programa, cada vez mais, sobre a necessidade de você vir a assinar o Café Brasil.  Meu, não é à toa não. A situação ficou muito mais complicada depois da pandemia, a gente emendou uma coisa na outra, né? Para tudo por causa da pandemia, para tudo por causa da eleição, para tudo por causa do carnaval, sempre tem um problema empurrando as coisas pra frente, os patrocinadores desaparecem, ninguém mais toma definição, ninguém mais topa nenhuma parada que envolva dinheiro e a gente fica ao vento aqui, dependendo dos nossos assinantes.

Então, se você acha que esse conteúdo que a gente produz aqui traz algum valor na sua vida, cara: vem ser assinante, meu!

Por menos de meia pizza por mês você pode nos ajudar a continuar produzindo este  conteúdo, que chega semanalmente, gratuitamente, pra milhares de pessoas. Olha: a gente precisa de você.

Acesse o canalcafebrasil.com.br, escolha seu plano, faça uma assinatura, cara. Pule pro barco,  vamos juntos seguir combatendo o emburrecimento nacional.

Vai. Da uma pausa no podcast e tome nota: canalcafebrasil.com.br. Vai, a gente espera…

Every breath you take
Sting

Every breath you take
And every move you make
Every bond you break
Every step you take
I’ll be watching you

Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay
I’ll be watching you

Oh, can’t you see
You belong to me?
How my poor heart aches
With every step you take?

Every move you make
And every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake
I’ll be watching you

Since you’ve gone, I’ve been lost without a trace
I dream at night, I can only see your face
I look around, but it’s you I can’t replace
I feel so cold and I long for your embrace
I keep crying, baby, baby, please

Mmm, mmm, mmm, mmm
Mmm, mmm, mmm

Cada suspiro que você der

Cada suspiro que você der
E cada movimento que você fizer
Cada laço que você quebrar
Cada passo que você der
Eu estarei te observando

Todo santo dia
Cada palavra que você disser
Cada jogo que você jogar
Cada noite que você ficar
Eu estarei te observando

Oh, será que você não enxerga
Que você pertence a mim?
Como o meu pobre coração dói
Com cada passo que você dá?

Cada movimento que você fizer
E cada promessa que você quebrar
Cada sorriso que você fingir
Cada reivindicação que você fizer
Eu estarei te observando

Desde que você se foi, eu tenho estado perdido, sem rumo
Eu sonho à noite e só consigo ver o seu rosto
Eu olho em volta, mas é você que eu não consigo substituir
Eu sinto tanto frio e anseio pelo seu abraço
Eu continuo chorando, querida, querida, por favor

Mmm, mmm, mmm, mmm
Mmm, mmm, mmm

Rararararar Puff Daddy sampleando Every breath you take, do Police, que você sempre pensou que era uma canção de amor, né? Pois saiba que o Sting disse uma vez em uma entrevista que o hit de 1983 é, na verdade, sobre perseguir uma garota. Sacou? Ele fala de um amante parasita que não vai parar de se enredar cruelmente em sua vida. Putz… acabei de destruir sua curtição…

O manipulador pode atacar você com antecedência. O objetivo dele é manter você tão ocupado se defendendo e emocionalmente abalado que você não tem tempo suficiente para prestar atenção no próprio comportamento do manipulador. Ao te acusar, o manipulador gaslightere comprou tempo para ele mesmo. Ao deixar você em uma situação difícil – você não pode provar que algo nunca aconteceu. Mas você tenta e tenta provar a ele que não fez nada de errado – embora qualquer evidência que você produza não seja suficiente para o manipulador. Você fica mais preocupado em ser falsamente acusado do que em prestar atenção ao comportamento do gaslighter.

Já viu isso acontecer? Pois é…

Suponha que o gaslighter em sua vida é viciado em maconha. E você suspeita que ele roubou o seu dinheiro para alimentar o vício dele. Antes mesmo que você tenha a chance de confrontá-lo, o gaslighter calmamente diz que está preocupado que você seja alcoólatra.

– Quem? Euuuuuu?

Pronto. Você imediatamente entra em modo de defesa. Cara, ninguém nunca acusou você de ser um bêbado, cara! Isso é um choque, que joga você uma espiral descendente. O gaslighter começa a citar momentos em que sabia que você estava bêbado – mas você não se lembra de nenhum deles. O gaslighter então acusa você de ter apagado as provas, e que é por isso que você não se lembra. Cara: será, hein? Diante da convicção dele, você então começa a questionar sua sanidade – e esse é exatamente o objetivo do gaslighter. Enquanto isso, ele continua roubando.

Leve isso para a área de comentários das mídias sociais…

A outra técnica é muito velha: acuse-o do que você faz, chame-o do que você é”. Alguns gaslighters projetam inconscientemente, por culpa ou vergonha, a culpa nos outros. No caso do transtorno de personalidade narcisista, por exemplo, os narcisistas acham que estão muito bem e pensam que todos os outros têm um problema. Eles têm a autoconsciência excessiva de rejeitar questões que desafiam seus pontos de vista. Isso é chamado de comportamento egossintônico. É muito difícil fazer com que um gaslighter narcisista procure ajuda através de aconselhamento, porque eles acham que você é o problema e não eles. O comportamento de projeção pode chegar ao ponto em que um gaslighter delirantemente acredita que está sendo perseguido pela vítima, quando na verdadeele é o perseguidor.

Você já viu algo assim? Pois é…

Combater o gaslighting pode ser um processo difícil, mas é possível com algumas estratégias eficazes. Aqui vão algumas sugestões:

Reconheça o problema: É importante identificar quando alguém está tentando manipular você. Se você está se sentindo confuso, desorientado ou duvidando de suas próprias percepções da realidade, pode ser um sinal de que está sendo vítima de gaslighting.

Fale com alguém de confiança: Compartilhe suas preocupações com alguém de confiança, como um amigo, um terapeuta ou um profissional de saúde mental. Eles podem ajudá-lo a validar suas preocupações e oferecer suporte emocional.

Mantenha registros: Se você está sendo manipulado por outra pessoa, é importante manter registros detalhados dos eventos e conversas que ocorrem. Isso pode ajudá-lo a lembrar dos fatos com mais clareza e a manter a perspectiva sobre o que está acontecendo.

Desafie as declarações falsas: separe declarações falsas ou distorcidas, da verdade. Desafie essas declarações e apresente evidências concretas que contradizem as alegações falsas.

Confie em sua intuição: Se algo não parece certo, confie em sua intuição. Não se deixe levar pela manipulação ou pelas tentativas de desacreditar suas percepções. Lembre-se: você tem o direito de confiar em suas próprias experiências e sentimentos.

Estabeleça limites claros: Se você está sendo manipulado por outra pessoa, estabeleça limites claros em seu relacionamento. Comunique suas expectativas e deixe claro que não tolerará comportamentos manipuladores.

E por fim: Procure ajuda profissional: Se você está lutando para lidar com o gaslighting, considere procurar ajuda profissional de um terapeuta ou psicólogo. Eles podem ajudá-lo a desenvolver estratégias eficazes para lidar com a manipulação e fortalecer a sua autoestima e confiança.

Entendido, então? O gaslighting é uma forma de manipulação psicológica que tem como objetivo fazer a vítima questionar a sua própria sanidade. O manipulador mente descaradamente para a vítima, levantando dúvidas sobre o seu comportamento, inteligência, emoções e relacionamentos. Ele também nega a realidade, faz chantagem e ameaças emocionais, além de aumentar gradualmente as manipulações. O manipulador não segue as suas próprias palavras e é carinhoso para confundir a vítima. A frequência de manipulações pode levar a vítima à exaustão mental, reduzindo a sua capacidade de tomar decisões. O manipulador faz acusações descabidas e constrange a vítima publicamente ou privadamente. A humilhação é outro sinal de alerta comum do gaslighting. É importante que você considere os alertas dos familiares e amigos para sair dessa situação.

Stand by me
Ben E. King
Jerry Leiber
Mike Stoller

When the night has come
And the land is dark
And the Moon
Is the only light we’ll see

No, I won’t be afraid
Oh, I won’t be afraid
Just as long as you stand
Stand by me

So darling, darling, stand by me
Oh, stand by me
Oh, stand, stand by me
Stand by me

If the sky that we look upon
Should tumble and fall
Or the mountains
Should crumble to the sea

I won’t cry, I won’t cry
No, I won’t shed a tear
Just as long as you stand
Stand by me

And darling, darling, stand by me
Oh, stand by me
Woah, stand now
Stand by me, stand by me

Darling, darling, stand by me
Oh, stand by me
Oh, stand now
Stand by me, stand by me

Whenever you’re in trouble
Won’t you stand by me?
Oh, stand by me
Woah, stand now
Oh, stand

Fique Comigo

Quando a noite chegar
E a terra ficar escura
E o luar
For a única luz que se vê

Não, não vou ter medo
Oh, eu não vou ter medo
Enquanto você ficar
Ficar comigo

Então, querida, querida, fique comigo
Oh, fique comigo
Oh, fique, fique comigo
Fique comigo

Se o céu que contemplamos
Se despedaçar e cair
Ou as montanhas
Desmoronarem até atingir o mar

Não vou chorar, não vou chorar
Não, eu não vou derramar uma lágrima
Enquanto você ficar
Ficar comigo

E querida, querida, fique comigo
Oh, fique comigo
Uau, fique agora
Fique comigo, fique comigo

Querida, querida, fique comigo
Oh, fique comigo
Oh, fique agora
Fique comigo, fique comigo

Sempre que tiver problemas
Não vai ficar comigo?
Oh, fique comigo
Uau, fique agora
Oh, fique

Olha que legal, cara! É assim então, ao som do clássico Stand by Me, de Ben E. King, Jerry Leiber e Mike Stoller, na interpretação inacreditável de nosso pagodeiro Péricles…sim , o grande Péricles, que vamos saindo encantados.

Lembre-se: é importante lembrar que a técnica de gaslighting é um grave abuso psicológico, que pode levar a sérios danos emocionais e mentais para a vítima. Por isso, é essencial ficar atento aos sinais e buscar ajuda caso se perceba sendo manipulado dessa forma.

O Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, é claro, você aí,  que completa o ciclo.

De onde veio este programa tem muito mais, acesse canalcafebrasil.com.br e torne-se um assinante. Além de conteúdo original e provocativo, você vai nos ajudar na independência criativa, a levar conteúdo para muito mais gente.

E se você gosta do podcast, imagine só uma palestra ao vivo, cara. E eu já tenho mais de 1000 no currículo. Aliás, acabo de lançar uma sobre assédio moral nas empresas. Conheça os temas que eu abordo no lucianopires.com.br.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Para terminar, uma frase do pintor, autor, poeta, fotógrafo, cineasta, cantor e guitarrista Billy Childish:

“Lembrem-se, um fato é um fato, não importa o quanto os mentirosos entre vocês possam tentar abafá-lo.”