s
Portal Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Café Com Leite 36 – A roupa que você usa

Café Com Leite 36 – A roupa que você usa

Luciano Pires -

Bárbara: Bom dia, boa tarde, boa noite! Babica, então, vamos conversar sobre um setor importante da sociedade?

Babica: Vamoooooos! Vamos falar do setor agrícola, não é?

Bárbara: Vamos falar sobre o agronegócio! Meu nome é Bárbara Stock e este é o Café Com Leite, um podcast para crianças inteligentes e para pais que se importam.

Babica: E eu sou a Babica, o avatar da Bárbara que vive dentro do celular dela! Também estarei aqui com você!

Bárbara: Babica, quem é o ouvinte de hoje?

Babica: Hoje são a Amanda e a Alice!

COMENTÁRIO DO OUVINTE

Bárbara: Ahahahahah que lindaaaasss! Cantando a nossa Melô!

Babica: Amanda e Alice, que legal! Será que o nosso editor, o Senhor A consegue colocar um acompanhamento no canto delas?

Babica: Ahahahahaha que legal, meninas! Essa melô não sai da cabeça da gente, né?

Bárbara: Muito bem, a Amanda e a Alice ganharam uma linda camiseta do Café Com Leite! E se você gostou do nosso Café com Leite, mande uma mensagem de voz para nós no whatsapp 11915670602. Se sua mensagem for escolhida, vamos publicá-la no próximo episódio e você ganhará uma camiseta muito legal!

Bárbara: Isso! Se seu áudio for escolhido, você ganha uma camiseta do Café Com Leite!  Vou repetir o whatsap: 11 915670602

SOBE A MÚSICA

Bárbara: Então, Babica, você sabe o que é o agronegócio?

Babica: Tenho uma vaaaaaga ideia…

Bárbara: O agronegócio é um conceito criado nos anos 50, nos Estados Unidos. Ele se refere a uma porção de atividades que estão relacionadas à produção de alimentos, bebidas, fibras e outros produtos agropecuários. Antes, esse conjunto era conhecido como setor primário.

Babica: Ah, entendi. Mas o agronegócio é de quem tem fazenda?

Bárbara: Não, não é só isso, Babica. O agronegócio envolve muitas outras indústrias e serviços que estão antes e depois da fazenda.

Babica: Antes e depois da fazenda? Como assim?

Bárbara: É. Antes da fazenda está tudo que os agricultores precisam para fazer seu trabalho. São as empresas que produzem sementes, fertilizantes, defensivos agrícolas, máquinas, equipamentos agrícolas e transportes.

Babica: tudo isso para o agricultor poder plantar e colher, não é?

Bárbara: Isso. Tudo isso antes da fazenda. Na fazenda os agricultores fazem seu trabalho e aí vem o depois da fazenda. As empresas que pegam tudo que o agricultor colheu, processam e distribuem.

Babica: Então tudo isso é o agronegócio. É como se tivesse muitas etapas desde a semente até o que a gente come.

Bárbara: Exatamente, Babica. E dentro do agronegócio existem todos os tipos de produtores, prestadores de serviços e fabricantes, sejam eles pequenos, médios ou grandes.

Babica: E onde o agronegócio está presente em nossas vidas?

Bárbara: Bem, o agronegócio está presente em muitas coisas que fazemos todos os dias. Por exemplo, quando compramos frutas, verduras ou pão, esses produtos ou a matéria prima da qual foram feitos, provavelmente vêm de uma fazenda do agronegócio. Também há fazendas do agronegócio que produzem alimentos para animais, como ração para cães e gatos. Quer um exemplo?

Babica: Querooooo!

Bárbara: Você sabe de onde vem esta roupa que estou vestindo?

Babica: Claro que sei. Vem da loja de roupas!

Bárbara: Isso é verdade, mas antes de chegar na loja, a roupa precisa ser feita. E você sabe como é feita a roupa?

Babica: Não, como é feita?

Bárbara: Bem, primeiro precisamos plantar uma planta chamada algodão. O algodão é o material principal que é usado para fazer a maioria das roupas que vestimos.

Babica: E como é feito o algodão?

Bárbara: Começa no agronegócio! Como já vimos, o agronegócio é uma grande parte da economia brasileira que envolve a produção, processamento e venda de produtos agrícolas, como frutas, verduras, grãos, carnes e outros alimentos.

Babica: Então se eu tiver um pomar com algumas frutas e verduras, e vender esses produtos para outras pessoas, sou do agronegócio?

Bárbara: Sim, até mesmo uma pessoa que faz compotas de doces para comercializar com seus vizinhos e na sua cidade, faz parte do agronegócio

Babica: Que legal. Mas por que quando a gente fala de agronegócio só aparecem fotografias de grandes fazendas, com tratores ou então muitos bois?

Bárbara: Porque os grandes são os que mais chamam atenção, Babica. Mas todo mundo que trabalha no campo e faz dele uma atividade econômica está dentro do agronegócio.

Babica: As grandes fazendas produzem grandes quantidades de alimentos, não é?

Bárbara: É. E depois vendem esses produtos para indústrias alimentícias, supermercados e outras empresas que vendem alimentos para nós, os consumidores. É um setor muito importante porque fornece alimentos para muitas pessoas no Brasil e em todo o mundo. Além disso, o agronegócio cria empregos e ajuda a movimentar a economia.

Babica: Nossa Bárbara, dei uma olhada no Google e ele diz que o Brasil, em 2020, forneceu alimentos para quase 800 milhões de pessoas, sendo 212 milhões da população brasileira e quase 600 milhões de outros países.

Bárbara: Ah, Babica, eu acho que hoje o Brasil alimenta fácil, fácil pelo menos 1 bilhão de pessoas no mundo.

Babica: Um milhão????

Bárbara: Bilhão, Babica. Bi-lhão! Você tem ideia de quanta gente é isso?

Babica: Não consigo nem imaginar…

Bárbara: Imagine que se essas pessoas entrassem numa fila para pegar um prato de comida, a fila daria a volta ao mundo mais de duas vezes…

Babica: Ainda não consigo imaginar! Um bilhão é mais que um estádio de futebol lotado de torcedores?

Bárbara: Ahahahahahah… Babica, sabe quantos estádios do tamanho do Maracanã seriam necessários para acomodar um bilhão de pessoas?

Babica: Deixa eu ver… tô consultando aqui… Nossa!

Bárbara: O que foi?

Babica: Tá dando que precisa de 13 mil Maracanãs para acomodar um bilhão de pessoas!

Bárbara: Tá vendo? Essa é a quantidade de gente que o agronegócio brasileiro alimenta no mundo!

Babica: Que loucura!

Bárbara: pois é. Por isso precisa de muitas terras. As medidas das terras usadas no agronegócio no Brasil são geralmente os hectares. Um hectare é uma unidade de medida de área que equivale a 10.000 metros quadrados.

Babica: Hummmm… deixa eu ver aqui! O estádio do Maracanã ocupa uma área de 2 hectares e meio no Rio de Janeiro.

Bárbara: Só dois e meio? Algumas propriedades agrícolas no Brasil podem ter apenas algumas dezenas de hectares, enquanto outras podem ter vários milhares. São pequenas propriedades e fazendas gigantescas que fazem o agronegócio.

Babica: Vou procurar aqui. Nossa! A Fazenda Estrela, localizada no estado do Mato Grosso, é uma das maiores fazendas do Brasil, com 200.000 hectares de terra! Isso dá80 mil Maracanãs! A Fazenda São José, localizada no estado do Pará, é outra das maiores fazendas do Brasil, com 100.000 hectares de terra.

Bárbara: No agronegócio é comum existirem propriedades que têm centenas ou milhares de hectares. Isso permite que esses agricultores produzam em quantidade muito maior, o que torna os produtos mais baratos. Além disso, as grandes propriedades agrícolas geralmente têm uma infraestrutura mais desenvolvida, incluindo estradas, silos, instalações de processamento e armazenamento. Isso ajuda a tornar a produção mais eficiente e aumenta a qualidade dos produtos agrícolas.

Babica: Tem fazenda que tem até aeroporto!

Bárbara: Na verdade, pista de pouso, Babica. Além de facilitar o acesso, muitas fazendas usam aviões para aplicar defensivos agrícolas e para semear o campo.

Babica: Nossa, Bárbara, no agronegócio tem de ser profissional, não é?

Bárbara: Sim, pois quem leva o agronegócio a sério, trabalha num segmento muito complexo! Não se trata só de comprar uma fazenda, plantar e colher. Vamos ao exemplo do algodão que faz nossas roupas?

Babica: Vamoooos!

Bárbara: A cadeia de produção e industrialização de algodão no Brasil envolve vários passos, desde o plantio até a distribuição dos produtos finais aos consumidores.

Tem o plantio, quando o algodão é cultivado por agricultores, que precisam seguir as boas práticas agrícolas para garantir uma boa qualidade da produção.

Tem a colheita, que é feita com o uso de máquinas.

Tem a classificação, quando o algodão é classificado de acordo com sua qualidade, cor e tamanho da fibra, para garantir que ele atenda às especificações dos compradores.

Tem o beneficiamento, quando o algodão é submetido a um processo de separar a fibra da semente.

Babica: Nossa! E tem ainda que empacotar isso tudo e transportar, não é?

Bárbara: Sim! Empacotar, armazenar, transportar… são muitas coisas a serem feitas para que o algodão chegue até a indústria.

Babica: E na indústria, acontece o quê?

Bárbara: primeiro tem a fiação, quando a fibra que chegou das fazendas é transformada em fio de algodão, que é vendido a fabricantes de tecidos. Depois vem a tecelagem, quando os fios de algodão são usados para produzir tecidos como pano, tecido para roupas, toalhas, entre outros. E por fim, vem a fabricação de produtos. Os tecidos de algodão são transformados em produtos finais, como camisas, calças, lençóis, entre outros.

Babica: Nossa, mas é muita coisa mesmo. E tudo isso conectado, não é?

Bárbara: Lembre-se que é preciso ter estradas, caminhões, trens, navios…

Babica: … armazéns, máquinas, aeroportos, energia elétrica…

Bárbara: Tá vendo? É assim que a sociedade funciona. Cada um tem um papel importante. Sem os milhares de caminhoneiros dirigindo pelas estradas do Brasil, seria impossível distribuir os produtos.

Babica: Mas o algodão é plantado em qualquer terra?

Bárbara: Não. A terra precisa ser preparada adequadamente para o plantio do algodão. E isso é um trabalho complexo que envolve várias fases.

É preciso primeiro fazer a Preparação do solo: O solo precisa ser limpo de plantas daninhas, roçado e aplainado para que as sementes possam ser plantadas uniformemente.

Depois tem de jogar fertilizantes.

Babica: Ah, esses eu sei. Fertilizante é uma espécie de vitamina usada para fornecer nutrientes às plantas de algodão para que elas cresçam fortes e saudáveis, não é?

Bárbara: isso mesmo. Depois que a terra está preparada, chega a hora de plantar as sementes. As sementes de algodão são a base para o plantio e precisam ser de boa qualidade para garantir um bom desempenho do cultivo.

Babica. Depois tem de regar! A terra precisa ser mantida úmida durante o processo de germinação e crescimento das plantas de algodão.

Bárbara: isso mesmo. E regar no agronegócio não é fazer como sua mãe que pega um regador e joga água nas plantinhas. Tem toda uma ciência envolvida nisso, para calcular a quantidade e frequência com que as plantações recebem a água.

Babica: Ah, e tem uma outra coisa muito importante, sobre controle de pragas, não é?

Bárbara: Ah, isso é fundamental. As pragas são qualquer espécie de inseto, animal ou doença que prejudique ou cause danos às culturas ou plantações. É importante acompanhar e controlar as pragas e doenças que podem afetar as plantas de algodão.

Babica: Ah, Bárbara, depois você me conta mais sobre isso?

Bárbara: Claro que sim. Outra coisa importante são as Máquinas agrícolas. Algumas máquinas agrícolas, como uma roçadeira, uma plantadeira e uma grade niveladora, são necessárias para preparar a terra e plantar as sementes de algodão. E tem as colheitadeiras também!

Babica: Eu já vi uma, Bárbara! Parece uma nave espacial!

Bárbara: Ahahahaha sim, Babica! Essas máquinas têm muita tecnologia e são bastante caras. Mas conseguem fazer o trabalho de colheita do algodão de forma muito eficiente, colhendo os frutos do algodão e separando as sementes das fibras.

Babica: Mas Bárbara, depois de tudo isso, os agricultores fazem a plantação na hora que quiserem?

Bárbara: Não. Babica. Outra ciência do agronegócio é saber exatamente quando plantar e quando colher. O período ideal para plantar algodão no Brasil varia de acordo com a região do país, mas geralmente ocorre entre os meses de setembro e dezembro. É assim porque o algodão é uma planta que precisa de muito calor e luz solar para crescer e produzir bons frutos.

Babica: Puxa vida… eu sempre pensei que era só comprar a fazenda, jogar as sementes e colher. Nunca pensei que tinha tanta coisa envolvida.

Bárbara: Ih, nós só estamos dando uma passeada pelo assunto, Babica. Se a gente fosse mergulhar fundo, você veria que existem muitos detalhes. O agricultor tem de se preocupar com a terra, com a chuva, com as pragas, com o sol, com a semente, com as vitaminas, com incêndios…

Babica: É mesmo! E a maioria desses assuntos tem a ver com a natureza, não é algo que a gente consegue controlar facilmente.

Bárbara: Não mesmo. Bem, hoje você aprendeu bastante sobre o agronegócio. Mas ainda tem muito mais!

Babica: Ebaaaaaaaaaaaaaaaa!

_________________________________________________________

Bárbara: Não esqueça então: se você está gostando deste nosso podcast, se quer que a gente cresça, contribua conosco! Tem várias formas! Quem sabe você nos ajuda a encontrar um patrocinador. Ou então faz uma contribuição pelo nosso PIX, que é o 11915670602

Babica: E tem uma novidade: o CLUBE CAFÉ COM LEITE! Inauguramos um espaço para reunir as pessoas que gostam do nosso conteúdo e que querem que a gente continue! Vá até o podcastcafecomleite.com.br e faça uma assinatura!

Bárbara: Isso mesmo! Pule pra dentro do Café Com Leite! Ajude a gente a continuar! No podcastcafecomleite.combr

Babica: Venha pro Clube Café Com Leite!

_______________________________________________________

Bárbara: Muito bem! Eu sou a Bárbara Stock…

Babica: E eu sou a Babica! O avatar de Bárbara que mora no super celular dela.

Bárbara: somos suas companheiras neste Café Com Leite, que é feito com muito carinho pela turma do Podcast Café Brasil. A edição é do Senhor A e a direção é do Luciano Pires.

E hoje vamos encerrar como o episódio?

Babica: Ah, eu escolhi uma frase que gosto muito, do Chorão. Não tem a ver com agricultura, mas se inspira nela…

Se você me deseja o zero, eu te desejo o cem… Cada um colhe o que planta e eu quero plantar o bem.