s
Portal Café Brasil
Pacto brutal
Pacto brutal
Terminei de assistir a Pacto Brutal, a mini série da ...

Ver mais

Isca Intelectual – O paraquedas de Da Vinci
Isca Intelectual – O paraquedas de Da Vinci
Cerca de 500 anos atrás, Leonardo da Vinci teve a ideia ...

Ver mais

Isca Intelectual – Música na cabeça e no corpo
Isca Intelectual – Música na cabeça e no corpo
Na isca de hoje, você verá Anna-Maria Helefe fazendo ...

Ver mais

Isca Intelectual – O mago Steve Ray Vaughn
Isca Intelectual – O mago Steve Ray Vaughn
Quando você domina sua técnica, tem repertório e ...

Ver mais

Café Brasil 834 – A Lei de Gresham
Café Brasil 834 – A Lei de Gresham
Quando lancei meu livro Brasileiros Pocotó em 2004, e ...

Ver mais

Café Brasil 833 – Rio, beleza e caos
Café Brasil 833 – Rio, beleza e caos
Um cantinho e um violão / Este amor, uma canção Pra ...

Ver mais

Café Brasil 832 – Carta Aberta Ao Brasil – Revisitado
Café Brasil 832 – Carta Aberta Ao Brasil – Revisitado
Em 2016 viralizou uma carta aberta ao Brasil, que um ...

Ver mais

Café Brasil 831 – Nossos problemas
Café Brasil 831 – Nossos problemas
Problemas, problemas, problemas.... todo mundo tem ...

Ver mais

LíderCast 237 – Marcus Kanieski
LíderCast 237 – Marcus Kanieski
No programa de hoje temos Markus Kanieski, advogado de ...

Ver mais

LíderCast 236 – Paulo Ganime
LíderCast 236 – Paulo Ganime
No programa de hoje temos Paulo Ganime, Deputado ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A boa e velha realidade
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Frases que começam com as expressões “Então…” ou “Veja bem…” não têm como dar certo. Caso o cidadão receba resposta principiando com essas pérolas, pode esperar: Vem chumbo. Você ...

Ver mais

A visão pornográfica de mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A minha família está passeando no Brasil. Eles estão aproveitando as férias escolares do nosso filho mais velho. Ontem uma menina de treze anos conversou com a Bruna, minha esposa. A menina lhe ...

Ver mais

Encontro de Cidades Criativas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Encontro de Cidades Criativas  “As cidades surgem como espaço de encontro; uma cidade é um conjunto de pessoas com oportunidades distintas.” Ana Carla Fonseca A XIV Conferência da Rede de Cidades ...

Ver mais

Nós do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nós do Brasil  Nossas heranças e nossas escolhas “No Brasil, o futuro de uma criança está em grande parte determinado pelas condições socioeconômicas de sua família no momento do nascimento. ...

Ver mais

Cafezinho 516 – Pra quem decidiu não escolher
Cafezinho 516 – Pra quem decidiu não escolher
Tem uma frase de Willian James, que diz: “Quando você ...

Ver mais

Cafezinho 515 – Você nunca foi tão hipócrita
Cafezinho 515 – Você nunca foi tão hipócrita
O convívio civilizado entre interesses conflitantes é ...

Ver mais

Cafezinho 514 – Saia da Zona da Indiferença
Cafezinho 514 – Saia da Zona da Indiferença
Zona da Indiferença é uma área onde quando forçados a ...

Ver mais

Cafezinho 513 – A lei de Gresham cultural
Cafezinho 513 – A lei de Gresham cultural
Existe um princípio econômico chamado Lei de Gresham, ...

Ver mais

Adélia Prado

Adélia Prado

Luciano Pires -

alt
Adélia Prado

Adélia Luzia Prado Freitas (Divinópolis, 13 de dezembro de 1935) é uma escritora brasileira. Os textos retratam o cotidiano com perplexidade e encanto, norteados pela fé cristã e permeados pelo aspecto lúdico, uma das características o estilo único.

Segundo Carlos Drummond de Andrade, “Adélia é lírica, bíblica, existencial, faz poesia como faz bom tempo: esta é a lei, não dos homens, mas de Deus. Adélia é fogo, fogo de Deus em Divinópolis”. A escritora também é referência constante na obra de Rubem Alves.

Professora por formação, exerceu o magistério durante 24 anos, até que a carreira de escritora tornou-se a atividade central.

Em termos de literatura brasileira, o surgimento da escritora representou a revalorização do feminino nas letras e da mulher como ser pensante, tendo-se em conta que Adélia incorpora os papéis de intelectual e de mãe, esposa e dona-de-casa; por isso sendo considerada como a que encontrou um equilíbrio entre o feminino e o feminismo, movimento cujos conflitos não aparecem nos textos.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Adélia_Prado

http://www.releituras.com/aprado_bio.asp

http://va.mu/KOYe – Adélia Prado no Jornal de poesia

http://www.algosobre.com.br/biografias/adelia-prado.html

Alguns poemas

Amor feinho

Eu quero amor feinho.
Amor feinho não olha um pro outro.
Uma vez encontrado, é igual fé,
não teologa mais.
Duro de forte, o amor feinho é magro, doido por sexo
e filhos tem os quantos haja.
Tudo que não fala, faz.
Planta beijo de três cores ao redor da casa
e saudade roxa e branca,
da comum e da dobrada.
Amor feinho é bom porque não fica velho.
Cuida do essencial; o que brilha nos olhos é o que é:
eu sou homem você é mulher.
Amor feinho não tem ilusão,
o que ele tem é esperança:
eu quero amor feinho.


O sonho encheu a noite
Extravasou pro meu dia
Encheu minha vida
E é dele que eu vou viver
Porque sonho não morre.


Casamento

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como “este foi difícil”
“prateou no ar dando rabanadas”
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.


Não quero faca, nem queijo. Quero a fome.

Deus é mais belo que eu. E não é jovem. Isto sim, é consolo.

Minha tristeza não tem pedigree, já a minha vontade de alegria, sua raiz vai ao meu mil avô.

[youtube]BcFhohzPc7Q[/youtube]
[youtube]sisSlTXY6bM[/youtube]