s
Portal Café Brasil
Por dentro das Big Techs
Por dentro das Big Techs
Alguma coisa está mudando na cultura do trabalho, e ...

Ver mais

Um pouquinho de história
Um pouquinho de história
Um pouquinho de história só para manter as coisas em ...

Ver mais

Não olhe para cima
Não olhe para cima
Não olhe para cima é uma comédia para ser levada a ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Muito bem! No episódio passado, eu introduzi o conceito ...

Ver mais

Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
O termo Mass Formation Psychosis, psicose de formação ...

Ver mais

Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
E aí? Pronto pro ano novo? Tá complicado, é? Muita ...

Ver mais

Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Olhe pela janela... o que restará daqui a 100 anos, de ...

Ver mais

LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
No programa de hoje temos Leticia Zamperlini e Cristian ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Hoje bato um papo muito interessante com Leandro Bueno, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Predicáveis: Classificação e Números (parte 4)
Alexandre Gomes
Os PREDICÁVEIS representam a mais completa classificação das relações que podem ser afirmadas DE UM PREDICADO. em relação a um sujeito, TANTO QUANTO as categorias (do ser) são a mais completa ...

Ver mais

Expectativas em relação à China
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Expectativas em relação à China “Embora ainda seja prematuro especular sobre os delineamentos básicos de uma nova e inevitável ordem internacional, a evolução dos acontecimentos parece apontar ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Formas Proposicionais A E I O (parte 3)
Alexandre Gomes
As distinções apresentadas na lição anterior são as bases da CONCEITUAÇÃO e do MANEJO das proposições. Usando a qualidade, ou tanto a quantidade quanto a modalidade, como base, TODA PROPOSIÇÃO ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Características das Proposições (parte 2)
Alexandre Gomes
As PROPOSIÇÕES podem ser agrupadas por cinco características; e cada uma dessas se divide em duas classes. As cinco características são: a) referência à realidade, b) quantidade, c) qualidade, d) ...

Ver mais

Cafezinho 457 – Eu não sabia
Cafezinho 457 – Eu não sabia
O jornalista, crítico da mídia e filósofo amador ...

Ver mais

Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Quando você mistura ignorância com arrogância, pitadas ...

Ver mais

Cafezinho 455 – Para pensar direito
Cafezinho 455 – Para pensar direito
George Orwell escreveu: "Se as idéias corrompem a ...

Ver mais

Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
A vida é curta demais pra gente ficar esperando. Mas ...

Ver mais

Alain

Alain

Luciano Pires -

alt
Émile-Auguste Chartier – Alain

Émile-Auguste Chartier (Mortagne-au-Perche, 3 de março de 1868 — Le Vésinet, 2 de junho de 1951), cujo pseudônimo literário era Alain, foi um jornalista, ensaísta e filósofo francês.

Ao longo de sua vida utilizará também outros pseudônimos, entre 1893 et 1914, tais como Criton (1893), Quart d’œil ou ainda Philibert, para assinar suas crônicas publicadas em La Dépêche de Lorient (até 1903) e La Dépêche de Rouen et de Normandie, bem como seus panfletos, em La Démocratie rouennaise.

De origem normanda, era o filho mais novo de Etienne Chartier, médico veterinário, e de Juliette Clémentine Chaline.

Após concluir a École normale supérieure, foi nomeado professor do ensino secundário em Pontivy, Lorient, Rouen e Paris.

A partir de 1903, passa a publicar crônicas semanais no jornal La Dépêche de Rouen et de Normandie denominadas Propos, que depois se tornaram diárias. Mais de 3000 dessas Propos serão publicadas entre fevereiro de 1906 e setembro de 1914. Considerados de alta qualidade literária, abordavam a política, a economia, a religião, a educação e a estética. Posteriormente foram reunidos e publicados em livro.

Em 1909, como professor do Liceu Henri IV, um dos mais reputados da França, exerceu profunda influência sobre seus alunos, dentre os quais Raymond Aron, Georges Canguilhem, André Maurois e Simone Weil.

Pouco antes da Guerra, foi militante pacifista. Com o início da guerra, sem renegar suas idéias e embora dispensado, alistou-se no exército francês, como artilheiro.

Em 23 de maio de 1916, é ferido no pé durante o transporte de munições para Verdun. Depois de algumas semanas, é transferido para o serviço de meteorologia e desmobilizado em 1917.

Depois de ver de perto as atrocidades da guerra, publica em 1921 seu célebre panfleto Mars ou la guerre jugée “Marte ou la guerra julgada”. Continuou a lecionar filosofia em Paris e nos anos seguintes publicou, entre outros, Les dieux (1934; “Os deuses”) e Histoire de mes pensées (1936; “História de meus pensamentos”).

No plano político, engaja-se no movimento radical, em favor de uma república liberal, estritamente controlada pelo povo.

Até o fim dos anos 1930, sua obra será guiada pela luta pacifista e contra a ascensão dos fascismos. Em 1934, será um dos fundadores do Comitê de Vigilância dos Intelectuais Antifascistas (CVIA).

Sua obra não tem caráter sistemático mas procura sobretudo despertar a reflexão. A partir de 1906 escreve artigos curtos, inspirados na atualidade e nos fatos da vida quotidiana, no estilo conciso que o caracteriza (as chamadas Propos), que abordam quase todas as áreas. Essa forma apreciada pelo grande público, o que, entretanto, provocou, fez com que alguns críticos se desinteressassem de um estudo mais aprofundado de sua obra filosófica.

Suas principais influências foram Platão, Descartes, Kant e Auguste Comte – mas ele se dizia, antes de tudo, um discípulo de Jules Lagneau (1851 – 1894), seu primeiro professor de filosofia.

Em 1936, já sofrendo de crises de reumatismo que o imobilizam, sofre um ataque cerebral que o condena à cadeira de rodas. Intransigente defensor da liberdade de pensamento e do indivíduo, Chartier recebeu, em 1951, o Grand Prix national des lettres. Pouco tempo depois, faleceu em Le Vésinet, na região de Paris. Foi enterrado no cemitério do Père-Lachaise, na capital francesa.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Émile-Auguste_Chartier

http://classiques.uqac.ca/classiques/Alain/Alain.html – em francês

http://wikilivres.info/wiki/Alain

http://alinalia.free.fr/ – Site oficial da Association des Amis d’Alain – em francês