s
Portal Café Brasil
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 784 – Avatar
Café Brasil 784 – Avatar
Se você está achando complicado lidar com ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Não pode nem rir
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Todo mundo (ou quase) viu nas redes sociais e nos grupos de whatsapp; vídeo de uma mulher careca de ares muito sérios discorrendo didaticamente sobre a necessidade de mudarmos nossa forma de ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Há quem chame isso de dissonância cognitiva, mas não é. ...

Ver mais

Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Você pode causar um impacto imediato, poderoso e ...

Ver mais

Dzi Croquettes

Dzi Croquettes

Luciano Pires -

alt

Eles eram Wagner Ribeiro, Lennie Dale, Cláudio Tovar, Cláudio Gaya, Ciro Barcellos, Bayard Tonneli, Rogério de Poli, Carlinhos Machado, Paollete, Roberto Rodrigues,  Jorge Fernando, Eloy, Bene, Reginaldo.

Esses rapazes surgiram em 1972 num cenário de total repressão política em plena ditadura militar. Jovens, bonitos, gostosos, irreverentes, polêmicos e com uma absoluta necessidade de expressão estreiaram na Boite Ton Ton em Sampa e seguiram pro mundo.

A meu ver, eles deram inicio a uma nova linguagem teatral-musical causando furor, surpresa e encantamento. Foram inspiração pra muita gente. Vide “As frenéticas”, Ney Matogrosso.

Criaram uma comunidade com afinidades artísticas e de vida. No palco usavam um visual exagerado abusando do feminino com o vigor e a virilidade masculina, criando moda no auge dos anos 70. Desbunde total!
 
Os Dzi Croquettes  despertavam paixões. Chamavam a atenção pelo novo, pelo diferente, unindo a dança com o teatro com absoluta descontração, irreverência e muita alegria. O humor   improvisado oriundo da simplicidade (“Oriundo é ótimo, né gente?”).

Wagner Ribeiro, a Mammy, era uma espécie  de “cabeça” do grupo (criador dos textos) e Lennie Dale dançarino norte americano, teve  influência muito importante dentro da cultura brasileira, era o Pappy, “o corpo” do grupo (pela expressão corporal e as coreografias).

Eram rapazes ensolarados dispostos a curtir a vida com arte aproveitando o momento da melhor forma possível. A androginia intrigava e exercia uma enorme atração. O Sexo borbulhava. Suas apresentações pelo  Brasil e Europa nos anos 70 eram a mais pura manifestação de criatividade e sensualidade.

Quanto aos cenários e figurinos eram feitos por eles com sobras de fantasias de escola de samba, restos de alegorias, achados e artigos que encontravam no lixo. Transformavam as coisas com bordados e pinturas que viravam o LUXO do lixo, assim diziam.

Um show de purpurina, brilhos, escrachos  além da maquiagem inspirada nos clowns, roupas de couro criadas por eles, muitas cores contrastando seus corpos masculinos com o glamour feminino.
Sinônimo de impacto visual.  “A força do macho e a graça da fêmea”.                

Faziam tb um truque com a voz que ficava finissima para imitar o timbre feminino, além das expressões de vocabulário típicas criadas por eles.  Era um jeito DZI de ser. “Assim… né?”

http://www.bia-sion.com/blog/?p=34

http://va.mu/WtYy – Dzi Croquettes, gays e revolucionários

http://va.mu/WtZM – Os Dzi Croquettes remanescentes lembram o grupo performático que chega aos cinemas e ganha livro

http://va.mu/WtZb – Dzi Croquettes na Enciclopédia Itau Cultural

http://pt.wikipedia.org/wiki/Dzi_Croquettes – o filme

[youtube]4VSghVnwE0k[/youtube]
[youtube]otC5-2T8m9M[/youtube]
[youtube]3TqXReYAuHk[/youtube]