s
Portal Café Brasil
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 784 – Avatar
Café Brasil 784 – Avatar
Se você está achando complicado lidar com ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Não pode nem rir
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Todo mundo (ou quase) viu nas redes sociais e nos grupos de whatsapp; vídeo de uma mulher careca de ares muito sérios discorrendo didaticamente sobre a necessidade de mudarmos nossa forma de ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Há quem chame isso de dissonância cognitiva, mas não é. ...

Ver mais

Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Você pode causar um impacto imediato, poderoso e ...

Ver mais

Edmundo Barreto Pinto

Edmundo Barreto Pinto

Luciano Pires -

alt
Edmundo Barreto Pinto

Edmundo Barreto Pinto foi eleito deputado pelo PTB no Rio de Janeiro.

O deputado tentava tornar ainda mais marcante a sua imagem pública, os jornalistas queriam fornecer mais um escândalo ao público

Em 1946, Barreto Pinto, um novo rico recém-eleito deputado (teve pouco mais de 200 votos, assumiu o mandato por ser um dos suplentes de Getúlio Vargas), teria acertado com os jornalistas David Nasser e Jean Manzon, da revista ‘O Cruzeiro’, uma reportagem sobre a sua importante presença na alta sociedade carioca.

A sessão de fotos foi realizada na casa da nova esposa, um palacete em Botafogo. Os jornalistas, devido ao calor, teriam sugerido que ele se dispensasse de vestir as calças, até porque as fotos o mostrariam da cintura para cima. O deputado, ingenuamente, teria concordado.

Correu, no entanto, a versão de que ele teria pago a reportagem, já incluindo a combinação de processar posteriormente os jornalistas, uma vez que todos ganhariam notoriedade com isso177. A publicação da matéria ‘Barreto Pinto sem Máscara’ (que chegou a ser republicada pela revista Time nos EUA), na qual o deputado aparece em várias fotos nestes trajes (tanto posando quanto nos preparativos), provocou grande celeuma, incluindo a questão do suposto acordo entre os repórteres e o fotografado.

A consequ?ência maior do imbróglio foi a cassação do deputado por ‘falta de decoro’, a primeira do Congresso brasileiro.

Quanto à publicação da matéria, não houve maiores conseqüências jurídicas ou legais. Um resultado que não surpreende, pois, como define, na sequ?ência, a própria Silvana Louzada, ‘ambas as versões, a de acordo remunerado entre as partes ou a de exploração da boa fé do parlamentar, remetem a procedimentos jornalísticos éticos espúrios, mas que eram bem absorvidos e mesmo incentivados pela direção da revista’.

Uma história que traz à tona, portanto, o lado ‘mau’ das relações entre fotógrafo e fotografado, a exemplo de muitas outras situações duvidosas e/ou criticáveis na imprensa brasileira, sempre em torno de dinheiro ou poder, relativamente freqüentes na história das empresas jornalísticas. Independente das questões éticas, percebe-se, no caso, a presença, apesar do conflito de versões, de um processo de negociação prévio entre fotógrafo e fotografado, que definiu uma previsão de formato para a matéria (que já incluía as fotos) e o estabelecimento de uma relação de confiança.

Resultou que, feita a reportagem, passamos a ter ou a manutenção do combinado (na versão do conluio entre todos) ou a quebra do acordo (na versão da ingenuidade do deputado, traído pelos jornalistas).

A primeira hipótese é possível, ainda que seja difícil acreditar em uma auto-promoção tão múltipla e radical, embora não se deva esquecer outras muito maiores, em outros níveis de decisão… Não sendo da prática comum do fotojornalismo, deixamos de considerar.

A segunda possibilidade, porém, é altamente característica da reportagem fotográfica. Corresponde ao fato de que o fotografado não tem controle sobre a imagem que vai ser publicada. Por mais que novas leis e decisões da justiça sobre os direitos de imagem tenham surgido e possam até inibir excessos, a decisão da publicação não pertence ao fotografado. Aliás, na maioria das vezes, como sabemos, também não pertence ao fotógrafo…

Esta é, sem dúvida, uma das mais imediatas dificuldades éticas do fotojornalismo e podemos notar que ela perpassa todos os depoimentos recebidos. Praticamente nenhum problema ocorre quando o fotografado é retratado (ou melhor, publicado) de uma forma positiva (do seu ponto de vista), mas tudo muda quando a combinação tácita é transgredida, como em uma das possibilidades desta comparação, ou quando o fotografado desenvolve novos interesses ou reconsidera os antigos.’

Texto de Aguinaldo Ramos, extraído da tese de mestrado A História bem na Foto, apresentada na UFRJ.”

.