s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Franklin da Flauta

Franklin da Flauta

Luciano Pires -

Toca flauta em dó, flauta em sol, flauta baixo e piccolo.

Autodidata, iniciou-se na flauta aos 14 anos, incentivado por Lenir Siqueira, buscando, em suas próprias palavras, “uma sonoridade lisa, sem vibrato, inspirada no som de Bebeto do Tamba Trio, característica também do cool jazz de Frank Wess e Herbie Mann”.

Estilisticamente, seu fraseado reflete o aprendizado informal em sessões de gravação com Altamiro Carrilho, Copinha, Jorge Ferreira da Silva (Jorginho) e a influência estrutural do flautista Eric Dolphy. Aos 15 anos de idade, começou a freqüentar o Clube de Jazz e Bossa, organizado por Jorginho Guinle, Sylvio Túlio Cardoso e Ricardo Cravo Albin.Nessa época formou, com Luiz Cláudio Ramos e outros, os conjuntos Rio 5 e Eco 5, apresentando-se em festas e em clubes.

Em 1968, entrou para a Faculdade de Engenharia Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro, abandonando o curso para dedicar-se exclusivamente à música. Fotógrafo, registrou com sua câmera, para capas de discos e divulgação, vários artistas nas décadas de 60 e 70. Atua, também, como tradutor para a língua portuguesa, de textos escritos em inglês, francês e espanhol.

Iniciou sua carreira profissional em 1967, acompanhando Roberto Carlos em sua primeira interpretação de um samba, “Maria, carnaval e cinzas” (Luís Carlos Paraná), música classificada em 5º lugar no III Festival de Música Popular Brasileira, realizado no Teatro Paramount (SP).

Participou de shows e gravações de vários artistas, como Sérgio Ricardo (1972), Toquinho, Vinicius e Marília Medalha (1972), Toquinho, Vinicius e Clara Nunes, no espetáculo e disco “Poeta, moça e violão” (1973), Toquinho, Vinicius e Clara Nunes, no evento “Phono 73” (SP), Toquinho e Paulinho Nogueira (1974), Toquinho, Vinicius e Maria Creuza (turnê no exterior -1974), Alaíde Costa (1974), Clara Nunes em apresentação no Midem (1974), Chico e Bethânia, em temporada de cinco meses no Canecão (RJ, 1975), Tom Jobim, Elis Regina, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa, Jorge Ben, Márcia, Francis Hime, Petula Clark, Gal Costa, Chico Buarque, Quarteto em Cy, Antonio Adolfo, Miúcha e Simone Guimarães, entre outros.

Atuou, também, na gravação de jingles para campanhas publicitárias e em trilhas sonoras de cinema e teatro, como o musical “Pippin”, com Marília Pêra e Marco Nanini (1974).

Em 1977, compôs e executou a trilha sonora da peça infantil “Princesa do mar sem fim”, de Benjamim Santos, encenada no Museu de Arte Moderna (RJ).

Sua música “Santo Amaro” (c/ Luiz Cláudio Ramos e Aldir Blanc) foi gravada por Miúcha, Quarteto em Cy, Dobrando a Esquina e pelos próprios autores.

Como arranjador, atua com Geraldo Azevedo, Os Flautistas da Pró-Arte, conjunto Dobrando a Esquina, entre outros.

Além de dar aulas particulares, lecionou no Centro Musical Antonio Adolfo e no Centro Calouste Gulbenkian.

Mantém, desde 1982, uma oficina de conserto de flautas, clarinetas e saxofones, prestando serviço a inúmeros profissionais das áreas erudita e popular. Para ele, o maestro Tom Jobim cunhou a expressão “fluthier”, parafraseando, para o campo da flauta, a expressão “luthier” (reparador de instrumentos de corda).

É um dos integrantes do Quinteto Pixinguinha e do conjunto Choro na Feira.

http://musicosdobrasil.com.br/franklin-da-flauta


Franklin da Flauta

[youtube]1K1GVciZCVQ[/youtube]