s
Portal Café Brasil
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 784 – Avatar
Café Brasil 784 – Avatar
Se você está achando complicado lidar com ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Não pode nem rir
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Todo mundo (ou quase) viu nas redes sociais e nos grupos de whatsapp; vídeo de uma mulher careca de ares muito sérios discorrendo didaticamente sobre a necessidade de mudarmos nossa forma de ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Há quem chame isso de dissonância cognitiva, mas não é. ...

Ver mais

Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Você pode causar um impacto imediato, poderoso e ...

Ver mais

Cafezinho 417 – We are the world
Cafezinho 417 – We are the world
Os esforços tão valiosos dos artistas e de todos que ...

Ver mais

Gene Kruppa

Gene Kruppa

Luciano Pires -

Eugene Bertram Krupa nasceu em Chicago , Illinois, filho caçula de Anna (Oslowski) Bartlomiej Krupa. Bartlomiej era um imigrante da Polônia, e Anna nasceu em Shamokin , Northumberland County , Pensilvânia.

Gene Krupa foi um baterista excepcional desde o começo de sua carreira. Em 16 de dezembro de 1927 fez sua primeira gravação. A interpretação de Nobody’s Sweetheart, com a Austin High Gang, não marcou apenas o seu início na indústria fonográfica, mas logo uma revolução: pela primeira vez um músico se atreveu a gravar baixo e bateria. Por problemas técnicos, os engenheiros de som recusavam-se, até então, a gravar o baixo. A agulha de gravação saltava do rolo de cera, inutilizando o trabalho.

Isso até surgir Gene Krupa, que, com 18 anos, já tinha uma noção muito clara do papel do baterista numa formação. Ele queria ser mais do que um mero marcador de compasso e, além do mais, sabia tocar o baixo sem fazer a agulha saltar na gravação. Mas a pequena revolução ocorrida nos estúdios Okeh, de Chicago, não seria a única sensação envolvendo o seu nome.

Com o concerto de Benny Goodman no Carnegie Hall, em 16 de janeiro de 1938, um dia após o aniversário de Krupa, se escrevia mais uma página na história do jazz. Pela primeira vez o templo da música clássica abria suas portas para o jazz e, pela primeira vez, os espectadores escutaram um solo de bateria.

Krupa tornara-se um músico muito requisitado desde 1927. Vários nomes que hoje contam entre as lendas do jazz foram seus chefes, colegas ou amigos. Ele tocou com Benny Goodman e Glenn Miller, por exemplo, nos musicais da Broadway Strike Up The Band e Girl Crazy.

Krupa tocou durante quatro anos com Benny Goodman And His Orchestra, formação na qual pode destacar-se. Contudo, depois do solo de bateria em Sing, Sing, Sing, o público queria ouvir um solo do músico de Chicago em todas as canções. Goodman não gostou e Krupa acabou se desligando do grupo. Em abril de 1938 surgia Gene Krupa And His Orchestra, que marcou o início de seu grande sucesso.

Com suas técnicas, Gene Krupa tornou-se o grande mestre dos bateristas, ao mesmo tempo ídolo e professor de toda uma geração de músicos. The Gene Krupa Drum Method é o título de seu livro. Em 1941 criou o concurso Gene Krupa Drum Contest.

A seguir, rodou vários filmes em Hollywood, foi preso e condenado supostamente por posse de drogas. Nos anos 50 tocou com todos os grandes músicos da era, o clarinetista Buddy De Franco, o saxofonista Charlie Ventura e o trompetista Red Rodney, entre outros. Mas nunca se ateve a um só estilo, experimentando constantemente com os ritmos e novos elementos na bateria.

Embora fosse o primeiro baterista a tocar um solo no Carnegie Hall, Krupa conhecia os seus limites: “Eu sempre olhei bem para o público, ao fazer um solo, e quando notava uma certa agitação nas pessoas, sabia que era a hora de parar com o show e dar espaço para o grupo voltar a tocar”, diz o lendário baterista.

A saúde obrigou-o a limitar suas atividades nos anos 60. Gene Krupa tinha dores nas costas, teve leucemia e um enfarte também debilitou sua saúde. Em 1972 e 1973, ainda tocou algumas vezes com a Benny Goodman Reunion Band, antes de falecer em 16 de outubro de 1973. Sua arte nunca foi superada, dizem os críticos e entendidos. Gene Krupa foi “o começo e o fim de todos os bateristas”, disse Buddy Rich em seu túmulo, elogio que vale dobrado, vindo de um colega e concorrente.

http://en.wikipedia.org/wiki/Gene_Krupa

[youtube]mSqltiTvbTc[/youtube]
[youtube]rASrgaWFjII[/youtube]
[youtube]BZ5B7yqDYbA[/youtube]
[youtube]r8gvJnhTY2s[/youtube]