s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Não pode nem rir
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Todo mundo (ou quase) viu nas redes sociais e nos grupos de whatsapp; vídeo de uma mulher careca de ares muito sérios discorrendo didaticamente sobre a necessidade de mudarmos nossa forma de ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Há quem chame isso de dissonância cognitiva, mas não é. ...

Ver mais

Honoré de Balzac

Honoré de Balzac

Luciano Pires -

Filho de Bernard François Balssa, administrador do hospício de Tours, e de Anna Charlotte Sallambier, Honoré de Balzac foi o primeiro de três crianças (Laure, Laurence e Henry). Laure era, de longe, a sua favorita.

Estudou em Vendôme até 1814, quando o pai, Bernard François, foi nomeado diretor da Primeira Divisão militar em Paris e a família se instalou na rua do Templo, no Le Marais, bairro de origem da família.

Em 04 de novembro de 1816, começa a cursar Direito e obtém o diploma de bacharel três anos mais tarde. Ao mesmo tempo, tem aulas particulares teóricas na Sorbonne. Passou este período na casa do procurador Jean-Baptiste Guillonnet-Merville, um amigo da família e amante das letras, para quem trabalhou. Também teve estágio profissional com o tabelião Passez.

Com a aposentadoria do pai em 1819, a família foi para Villeparisis, mas Honoré permaneceu no Marais, vivendo da mesada paterna. Ampliou seu gosto pela literatura conhecendo as obras de Molière, Voltaire, Rousseau e Beaumarchais, dentre outros. Em 1817 já escrevera “Notas sobre a Filosofia e a Religião”, em 1818 “Notas sobre a Imortalidade da Alma”.

Em 1820 escreveu Cromwell, uma tragédia em 5 atos sobre a vida do estadista britânico que foi mal recebida pela crítica, e em 1821 “Sténie”. Entre 1822 e 1817, sozinho e com outros escreveu diversos romances sentimentais na forma de folhetins sob nomes fictícios e com isso se sustentava.

Imbuído de idéias religiosas e monarquistas, mudou-se para a Normandia para pesquisar sobre os “Chouans”, família monarquista que liderou “La Chouannerie”, revolta anti-monarquista (1794-1800). Escreveu o livro “Os Chouans” (o 1º sob nome verdadeiro) em 1829.

Tendo-se tornado um dos maiores nomes do realismo na literatura, as suas obras são, no entanto, cunhadas sobre a tradição literária do romantismo francês. Sua A Comédia Humana (La comédie humaine), que reúne oitenta e oito obras, procura retratar a realidade da vida burguesa da França na sua época.

Os hábitos de trabalho de Balzac tornaram-se lendários – escrever cerca de quinze horas por dia, impulsionado por um sem-número de xícaras de café. Com uma produção volumosa, é frequente que se apontem pequenas imperfeições em sua obra – o que, no entanto, não é suficiente para retirar de muitas delas o epíteto de obras-primas.

A prosa realista de Balzac e seu fôlego como um retratista quase enciclopédico de sua época sobrepujam eventuais características menos invejáveis de seu estilo e o posicionam como um bastião da literatura francesa.

A Comédia Humana, que conta com oitenta e oito obras, a maior parte romances e contos, é um retrato de uma época com seu conjunto de personagens fictícios e reais que chegou a proporcionar o comentário de que “Balzac estaria competindo abertamente com o Registro Civil”.

Formado advogado, Balzac acreditava em uma monarquia constitucional, e em uma aristocracia de tipo feudal, a qual ele dizia ser o intelecto do sistema social. Escreveu um panfleto em favor da primogenitude, e declarava não acreditar nos “direitos do homem”, na igualdade humana, ou na habilidade das massas e do povo de se autogovernarem. Ele afirmava “Um só homem deve ter o poder de fazer leis.”

Em 1822 conheceu Antoinette de Berny, mulher 22 anos mais velha do que ele, com quem manteve uma relação amorosa durante 10 anos. “Berny” era casada, amiga da família, filha de um músico da corte e de uma camareira de Maria Antonieta. Ela introduziu Balzac na vida mundana de Paris e era por ele chamada de “Dileta” e também “Laure”. A partir de 1825 passou a ter outro relacionamento, este com a Duquesa D’Abrantès, sem abandonar a Berny. Com ambas viveu uma vida de Dândi, tendo se tornado mais tarde apenas amigo da D’Abrantès. Em 1831 passou a manter correspondência com a Condessa de Castries, mas com foi por ela rejeitado no ano seguinte, vingou-se e escreveu “A Duquesa de Langeais”.

Atribuem-se-lhe dois supostos filhos, frutos de relacionamentos fugazes, Marie de Fresnay (n. 1834), filha de Maria de Fresnay, e Lionel-Richard Lowell (n. 1836), filho da Condessas Guidoboni-Visconti.

Ainda em 1832 recebeu uma carta de uma “A Estrangeira”, uma Condessa Polonesa (a Polônia era então posse do Império Russo), Eveline Hanska, casada. Em 1833 se encontraram na Suíça, depois em Saxe, na Itália e na Rússia. Mantiveram encontros fugazes até 1835 e depois disso por 8 anos somente por cartas. Em 1841 Eveline Hanska enviuvou, ela e Honoré se encontraram 1843. Estando Balzac já rico e célebre, se casaram na Ucrânia (para que Eveline não perdesse os bens para o regime tzarista) em março de 1850, tendo Balzac falecido em agosto.

A partir de 1825 tentou a vida de negócios: teve uma Editora que publicou obras de Jean de La Fontaine, Molière e outros; também investiu numa tipografia e numa fundição, tendo fracassado em todas essas atividades. Em 1835 passou a ser acionista majoritário do jornal “Chroquique de Paris”, o qual fechou 6 meses depois. Em 1839 presidiu a “Societé des Gens de Lettres”, onde buscou proteger os direitos autorais e se candidatou à Academia Francesa, não tendo sido eleito. Em 1843 fundou a revista “La Revue Parisienne que só teve três números publicados.

Casado havia apenas 5 meses, faleceu 18.08.1850 e foi dito que, tão entusiasta de sua obra, na agonia chamou pelo médico Horace Bianchon, personagem muito presente em sua Comédia Humana. Balzac foi sepultado no cemitério do Père Lachaise, em Paris, e seu jazigo conta com uma estátua realizada por Auguste Rodin. O discurso foi feito por Victor Hugo.


Honoré de Balzac