s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 424 – Desimportância
Cafezinho 424 – Desimportância
Hoje, com todas as facilidades na mão, estamos fugindo ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Jeca Mineiro

Jeca Mineiro

Luciano Pires -

alt
Jeca Mineiro

José Silva (Jeca Mineiro) nasceu em Arceburgo/MG no dia 04 de setembro de 1913.

Iniciou sua carreira artística aos 10 anos de idade, quando passou a tocar viola e cantar em reuniões festivas em sua cidade natal. Aos 15 anos, recebeu de seu avô uma viola de presente.

Mudou-se para São José do Rio Pardo e continuou se apresentando em festas. Em 1946, mudou-se para São Paulo. No mesmo ano formou uma dupla com Chico Carretel e os dois passaram a se apresentar na Rádio Cruzeiro do Sul, no programa “Serra da Mantiqueira”. A dupla logo se desfez e, em seguida, formou uma nova parceria com Motinha, com quem atuou no programa “Serra da Mantiqueira”, na Rádio Bandeirantes.

Em 1949, formou dupla com Mineirinha. Em 1953, a dupla gravou o rasqueado “Perfume de Meu Bem”, de sua autoria. Gravou no ano seguinte “Mulher Ciumenta”, rasqueado de Palmeira e Nonô Basílio. Em 1955, foi formado o Trio Jeca Mineiro, Bambuí e Pirajá, que gravou em 1956 a toada “Filho de Ninguém”, de José Fortuna, e a moda de viola “Moda das duplas”, de Piraci.

No início dos anos 1960, formou nova dupla, agora com Nininha. O primeiro disco da dupla incluiu a canção rancheira “Meu Diário” , parceria com Teixeira Filho, e a guarânia “Quem é que não sente”, parceria com José Russo. A dupla faria ainda outras gravações nos quatro anos em que permaneceu atuando. Suas composições foram gravadas e conheceram sucesso na voz de outros intérpretes.

Em 1959, Nonô e Naná gravaram a valsa “Minas Gerais”. Em princípios dos anos 1960, Liu e Léu gravaram o valseado “Amarga Saudade”. Em 1963, Zilo e Zalo gravaram a moda de viola “Alma do Ferreirinha”. No mesmo ano, Paiozinho e Zé Tapera gravaram o bolero “A Dama de Vermelho”, que se tornaria um dos maiores sucessos de sua autoria e um dos clássicos do repertório sertanejo. Na Rádio Cultura, apresentou o programa “Lá no Pé da Serra”.

Na segunda metade dos anos 1960, por recomendações médicas, teve que parar de cantar, continuando, entretanto, a compor.

Em 1976, a dupla Chitãozinho e Xororó gravou em seu LP “Doce Amada”, a composição “Caboclo de Fato”, de sua autoria e Kambukira.

Em 1978, compôs, com o pintor de placas e cartazes Atílio Versuti, a canção “Fuscão Preto”, que se tornou um verdadeiro fenômeno da música sertaneja. Logo após ficar pronta, a música foi gravada pela dupla Giovanti e Mariel, numa prensagem particular.

Em 1980, o trio mineiro Vandeirante, Zé Batista e Darlon gravou-a por um pequeno selo. No fim daquele ano, Zé Tapera e Teodoro gravaram “Fuscão Preto” para a RCA. Estas gravações, entretanto, não obtiveram sucesso e passaram desapercebidas.

Em 1982, foi regravada pelo Trio Os Gladiadores e iniciou sua trajetória de sucesso. Com aquele trio vendeu mais de 100 mil cópias.

No mesmo ano, Almir Rogério a gravou e chegou a vender mais de 700 mil cópias.

A música “Fuscão Preto” recebeu versões nos Estados Unidos, “Black Mustang”, e na Itália, “Fiat Nero”, além de ter virado filme de Jeremias Moreira Filho, com atuação de Xuxa e Almir Rogério, entre outros. Recebeu também mais de 50 regravações. Em 1997, a gravação de “Fuscão Preto” na voz do Duo Ciriema foi relançado pela BMG, no CD da “Luar do Sertão” dedicado à dupla.

http://www.recantocaipira.com.br/jeca_mineiro.html

http://mpbantiga.blogspot.com.br/2011/01/jeca-mineiro.html