s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Julinho Marassi e Gutemberg

Julinho Marassi e Gutemberg

Luciano Pires -

alt
Julinho Marassi e Gutemberg

Conhecidos como a dupla nº1 da Região Sul Fluminense, Julinho Marassi e Gutemberg trazem na bagagem shows para públicos superiores a 30.000 pessoas.

Eles já estão juntos desde 1990. Fizeram, neste período, grandes parcerias e amizades no meio. Seus primeiros shows eram chamados de “Espetáculos da Música Popular Brasileira”, hoje levantam a galera e as casas noturnas por onde tocam.

Com um repertório variado que mescla suas composições, sucessos da MPB do passado e do presente, a dupla nº 1 da Região Sul Fluminense já representou o Brasil no exterior, abriu shows de grandes estrelas e não tem limites.

Julinho Marassi e Gutemberg fazem, em média, seis shows por semana e ainda encontram tempo para dedicar-se a projetos sociais e assistenciais a menores carentes.

A dupla Julinho Marassi e Gutemberg, tem uma história de cumplicidade e parceria, que está completando no ano de 2010, vinte anos de sucesso.

Júlio Cesar Marassi nasceu no município de Barra Mansa/RJ no dia 22 de setembro de 1965, influenciado e incentivado musicalmente, desde pequeno, pelo pai, Olavo Marassi, tanto por ouvir, incansavelmente, sua grande e seleta coleção de discos de vinil, quanto pelas constantes serestas que o pai, e seus amigos, promoviam em sua casa nas madrugadas. Assim surgiu o músico Julinho. Começando sua carreira musical aos 8 anos, tocando timidamente seu violão e cantando nas missas de domingo da Igreja Matriz de sua cidade.

Aos 17 anos, ingressou na Faculdade de Odontologia de Volta Redonda/RJ. De festa em festa, de bar em bar, sempre por prazer (sem cachê), e com seu companheiro “violão”, seguido sempre de perto pela galera “de branco” (colegas da “Odonto”).

Durante a faculdade (anos 80) devido à febre do Rock’n Roll, também montou, junto com seu irmão, Guila (baixista – hoje Médico Gastroenterologista) e amigos, sua primeira banda Boca Atentada, onde não tocava instrumento, só cantava. Após algum tempo, aprendeu a “arranhar” um cavaquinho e acabou fundando com outro irmão, Marcus (pandeiro – hoje Médico Oftalmologista) e outros amigos um grupo de roda de samba Pelinha de Sapo que nunca cobrou cachê para tocar… era por prazer que pegavam músicas de todos os ritmos e transformavam em samba.

Já no final da faculdade, foi dando nele uma necessidade de passar para o papel, idéias e histórias que vinham à sua cabeça.

A partir daí, desabafos, decepções, alegrias, tristezas, dúvidas, certezas, imaginações, amores e desamores, foram aos poucos, se transformando em letras musicadas. Foram brotando letras e mais letras, de todos os ritmos e cores.

Em 1991, já formado e dando aula na Odonto e tocando profissionalmente, com um público fiel, em todos bares nos quais se apresentava, teve um feliz encontro com o percussionista, Gutemberg que foi apresentado à ele por uma aluna de faculdade.

Gutemberg Monteiro da Silva, nascido em 29 de maio 1961 na cidade de Volta Redonda/RJ, teve sua origem musical estudando e tocando piano na Igreja Metodista da cidade, participou de vários corais juvenis. Também nos anos 80 fez parte de uma banda de rock chamada Pura Frescura como tecladista. Gostava de tocar nos bares da cidade em parceria com amigos, como ficava “batucando” nas mesas, foi por conta dessas “batucadas” que foi presenteado por uma amiga com um atabaque, a partir daí surgiu uma grande paixão pelo instrumento.

Durante uma apresentação de Julinho no bar Gaia (em Barra Mansa), sua aluna de Faculdade perguntou se seu amigo Gutemberg poderia dar uma “palinha” com seu atabaque. Desde então, está formada “a dupla”, cujos instrumentos se encaixavam perfeitamente de forma harmônica, percussiva e diferente, com uma timbragem peculiar, simples e única! Parceria essa, que já perdura desde os anos 90.

Após esse encontro, as composições próprias continuaram à surgir, mais e mais, até que a quantidade de músicas próprias, eram suficiente para que fosse gravado um cd independente.

Foi em 1998, que a dupla gravou seu primeiro cd com banda chamado Questão de Tempo. Mas o cd (também independente) que realmente levou a dupla, a ser conhecida por pessoas de vários Estados do Brasil e até do exterior, só veio em 2002, gravado ao vivo na Boate Appaloosa (Quatis/RJ), onde a dupla se apresentava (todo sábado) por 8 anos seguidos, para um público médio de 1200 pessoas por noite. Esse cd chamado Julinho Marassi & Gutemberg ao vivo, com destaque prá música “Aos Meus Heróis”, feita em homenagem à MPB, citando os nomes e as obras de 30 artistas da nossa música.

Em 2005 surge um novo projeto, também independente, porém mais ousado… gravar um DVD de 15 anos da dupla, ao vivo! Que ficou pronto em setembro de 2006 e já está se espalhando no mesmo caminho do cd.

A dupla completa 20 anos de sucesso trilhando um caminho com suas composições de forma livre, com letras inteligentes, poéticas, simples, diretas e sinceras.

E nesse caminho, Julinho Marassi e Gutemberg vêm, devagarinho, despertando adeptos e fãs em todo Brasil, de norte a sul, e também no exterior, rompendo as barreiras físicas e geográficas através da internet, no novo site adupla.com.

Atualmente a dupla vem se dedicando a gravação de seu novo cd, um cd arrojado contendo além do violão e da percussão, um acompanhamento instrumental completo, novas canções do compositor Julinho Marassi e também “remix” e regravações de grandes sucessos da Dupla.

http://www.adupla.com/

[youtube]r_jPkh8djhY[/youtube]
[youtube]HgfH-5H-y2I[/youtube]
[youtube]TVkaCogAcws[/youtube]