s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Lillíssacar

Lillíssacar

Luciano Pires -

alt
Lilíssacar

Lillíssacar é um cantor, compositor, folclorista, e protetor da cultura de sua nação indígena, a nação Fulni-ô.

Aos 40 anos de idade, pai de três filhos, vem durante os últimos anos, fazendo apresentações de música e dança tradicionais e dando palestras sobre a vida cotidiana dos índios, em colégios e em eventos especializados.

Atualmente vem trabalhando, com todo gás, em seu primeiro CD solo “Onde o Asfalto Termina”.

Bem conhecido e respeitado dentro da tribo e da sociedade não-índia que vizinha à aldeia indígena, ele conta que a vida não é fácil no dia dia dos Fulni-ô, por causa da seca.

As músicas cantadas por ele, geralmente falam de Deus (dos Fulni-ô) do respeito ao cacique e ao pajé, e a importância destas duas figuras dentro da tribo.

Ele coordena um grupo de dança tradicional mantendo a cultura indígena entre os mais jovens da aldeia e, durante o mês de abril, ele organiza eventos para que o grupo possa desfilar nas cidades maiores para ganhar dinheiro e contribuir como sustento da comunidade indígena.

Lillissacar (que em língua portuguesa significa “periquito”) já não estranha o estúdio de gravação, conseguindo com a produtora Piper Music dois CD’s anteriores: “Yaathé do grupo Skatêlhassato” e “Flêetwtya do grupo do mesmo nome”.

Diz Steve Allen, produtor musical, diretor da Piper Music e padrinho do filho mais novo de Lillíssacar :- “É sempre um prazer trabalhar com Lillíssacar. Eu aprendo cada vez mais, somos bons amigos e os discos feitos por ele são vendidos pelos Fulni-ô para arrecadar dinheiro para projetos sociais e sustento da tribo. Sinto-me gratificado por ver que agora o seu trabalho é reconhecido. Estamos trabalhando juntos há 5 anos e houveram momentos difíceis durante este período. É chegada a hora de registrar sua voz num álbum solo para que as gerações indígenas e o público em geral, lembre-se de sua coragem e determinação. Ele merece!”

O projeto mais recente fora do estúdio de Lillíssacar é o “Museu Vivo” que é uma mini aldeia nos moldes tradicionais aonde os jovens da tribo possam ir e aprender a cultura dos antepassados. “É muito importante”, diz Lillíssacar, “Sem a cultura a nação morre”. Mostrando o caráter e a força de vontade deste homem multi – talentoso.

Os Fulni-ô são os únicos Índios do Nordeste do Brasil que preservam a sua língua, o “Yaathé”, do tronco lingüístico Macro – jê e que serve como defesa para os mesmos, pois o domínio da língua é interno e nenhum indivíduo que não pertence ao grupo tem acesso.

Os outros grupos perderam as suas línguas pela pressão imposto pela sociedade envolvente, restando apenas palavras soltas dos seus vocabulários e que, segundo os lingüistas, são impossíveis de resgatar os idiomas perdidos destes grupos.

Os Fulni-ô (o povo ao lado do rio em português) também conhecidos como Carnijós ou Carijós, vivem em sistema de aldeamento numa área de 11 505,71 hectares, no município de Águas Belas, cuja população soma 2 170 Índios*. A nação Fulni-ô conserva sua língua materna e seus rituais religiosos, sendo o Ouricuri o ritual de maior expressão.

http://forum.cifraclub.com.br/forum/9/65804/