s
Portal Café Brasil
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 784 – Avatar
Café Brasil 784 – Avatar
Se você está achando complicado lidar com ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Não pode nem rir
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Todo mundo (ou quase) viu nas redes sociais e nos grupos de whatsapp; vídeo de uma mulher careca de ares muito sérios discorrendo didaticamente sobre a necessidade de mudarmos nossa forma de ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Há quem chame isso de dissonância cognitiva, mas não é. ...

Ver mais

Luiza Dionizio

Luiza Dionizio

Luciano Pires -

alt
Luiza Dionizio

Luiza Dionizio nasceu no dia de Nossa Senhora da Conceição, no subúrbio da Vila da Penha, em um dos seus melhores dias.  Bom, pelo menos pra quem já ouviu Luiza cantar. Devota da santa padroeira da Portela, se sagrou bicampeã  no Festival de Sambas de Terreiro da escola de Oswaldo Cruz. Em 2005 interpretando uma composição de Ratinho e no ano seguinte de Wanderley Monteiro e Luiz Carlos Máximo.

Devoção que a carreira depõe em bares, bailes, noites adentro, noites afora, projetos, estradas, sonhos e ilusões. Noites que temperaram o bonito canto, lhe propiciaram experiência e moldaram com mãos de escultor, o dom que nasceu com ela.

Sua primeira gravação foi no CD independente “Conexão Carioca”, em 1999. Uma coletânea, do baião ao blues, com compositores e intérpretes sem oportunidades nas grandes gravadoras. A faixa ” Da cor do seu batom” de Milton Sivans, na voz de Luiza, teve destaque e rendeu elogiosos comentários na Revista Música Brasileira.

A freqüência nas rodas de samba da década de 80  -“Pagode da Tia Doca” em Oswaldo Cruz e “Pagode do Arlindo” em Cascadura – fez com que conhecesse os tradicionais sambas das Velhas-Guardas, composições de Candeia, Cartola, Nelson Cavaquinho e novos sambas de compositores ainda desconhecidos, como Arlindinho, Zeca Pagodinho, Mauro Diniz e outros, que viriam a ser sucesso. Nas antigas rodas de samba suburbanas ninguém chegava cantando. Pra pegar a senha havia um critério de hierarquia e respeito à ordem de chegada. Mas Luiza somente queria curtir um bom samba. E de um pagode que findava partia para outro que estava iniciando. Assim como a “Rosalina”, personagem do samba de Luizinho To Blow e Serginho Meriti.

Mas ninguém canta samba, verdadeiramente, só porque prefere. Convidada pela cantora Dorina, do bairro vizinho Irajá, integrou o elenco do show “Ginga”, juntamente com João de Aquino, Paulão Sete Cordas e Nadinho da Ilha, nos teatros Rival e Villa-Lobos. Pronto. E o samba em  dia de Mário Quintana encontrou a moedinha perdida Luiza Dionizio.

O canto instintivo e de rara sensibilidade fez com que ministrasse aulas numa oficina musical no Conservatório Brasileiro de Música a convite do instrumentista Carlos Malta. Shows em homenagem a Cartola no teatro do BNDES ao lado de Elton Medeiros e Henrique Cazes, tributo a Clementina de Jesus com Moyseis Marques no Centro de Referência da Música Carioca, no teatro Rival com Dona Ivone Lara e Nilze Carvalho em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, apresentações com Luiz Carlos da Vila, Fátima Guedes, Moacyr Luz, e gravações nos CDs Renascença Samba Clube (Conceição da Praia), de Mário Lago (Devolve), de Délcio Carvalho (Notícias de Jornais), provaram que Luiza Dionizio é hoje uma das maiores intérpretes do samba.

Elegante e carismática, faz com que suas apresentações habitem por muito tempo a memória de quem a assiste. No palco, é uma cantora que coloca sua alma em cada palavra do samba que canta.

Já no seu primeiro cd, Devoção, Luiza conquistou definitivamente o público e a crítica. Prova disto, foram as indicações de melhor cantora de samba e de melhor cantora no voto popular, no XXI Prêmio da música brasileira em 2010. No dia da premiação, ao cantar no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, emocionou o musicólogo e crítico de música Zuza Homem de Mello, que fez questão de procurá-la para dizer “quando você cantou eu pensei, ali está uma cantora de verdade”.

Por sua história, talento e devoção à música, Luiza Dionizio é um presente para ouvidos que saibam ouvir.

http://www.luizadionizio.com.br

http://www.myspace.com/luizadionizio1

[youtube]EHGr8oTsQP4[/youtube]
[yotube]1PlVnKV2vn0[/youtube]