s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Cafezinho 438 – O homem cordial
Cafezinho 438 – O homem cordial
Brasileiro Cordial é aquele que age conforme a emoção, ...

Ver mais

Magazine

Magazine

Luciano Pires -

alt

O Magazine, um dos grupos mais conhecidos da chamada new wave brasileira, teve sua origem no Verminose, grupo punk com Kid Vinil nos vocais, Lu Stopa no baixo, Trinkão na bateria e Ted Gaz na guitarra.

Em 1983, depois do famoso episódio do quebra-quebra generalizado provocado pelos punks ( no show do Verminose no teatro Lira Paulistana), é decidida a mudança radical no som da banda. O Verminose deixou o punk rock de lado e adotou uma sonoridade new wave e o nome Magazine, baseado no grupo homônimo inglês (com atividades encerradas), liderado pelo carismático vocalista Howard Devoto.

Nesse momento, aparecem duas outras importantes figuras do meio musical – Tico Terpins e Zé Rodrix (ex-Sá, Rodrix e Guarabira), integrantes do lendário grupo Joelho de Porco, uma das maiores bandas de rock do Brasil.

Ambos amigos de Pena Schmidt, produtor do Magazine, começam a compor demos para o repertório do grupo, todos sucessos absolutos nos shows como: “Casa da Mãe”, “Franguinha Assada” e “Kid Vinil” (que continha o epíteto “o herói do Brasil”).
 
O novo Magazine começou a fazer shows e uma nova demo foi produzida por Pena Schmidt – o que foi capital para a contratação do grupo pelo selo Warner.

Pena consegue trazer Guti, um executivo da gravadora Warner, para assistir a um show do Magazine no Victoria Pub. Assim, a então emergente banda new wave consegue a oportunidade de debutar com um compacto por uma grande gravadora. Na época, a prática comum era testar o mercado com compactos. O grupo, então, entra no estúdio de Tico Terpins e Zé Rodrix e grava duas músicas – “Sou Boy” e “Kid Vinil” – com produção de Pena Schmidt.

Em 1983 foi lançado o compacto simples “Sou Boy”. Com forte apoio da Warner, logo se tornou um hit nacional. Seguem-se inúmeras aparições na televisão, dezenas de shows e a história tragicômica do office-boy se torna um dos personagens mais marcantes da new wave brasileira.

Embalado pelo sucesso de vendas do compacto, a Warner se anima em colocar o grupo de volta ao estúdio para gravar um LP.

“Magazine”, o LP que foi lançado em 1984, continha as várias canções compostas por Tico Terpins e Zé Rodrix e mais releituras de músicas da jovem guarda, que faziam parte do repertório do grupo ao vivo. Deste LP foi tirado o segundo compacto, “Adivinhão”, originalmente gravada por George Freedman em 1961.

No mesmo ano de 84, o grupo entra em estúdio para registrar um novo compacto: “Tic Tic Nervoso”, um novo estouro nacional, provando que o Magazine não era um grupo de um hit só. Com a agenda lotada, tocando em todo o território nacional, nos lugares mais insólitos, Kid lembra de shows inesquecíveis como o de Manaus: “serviram pra gente depois do show, uma tartaruga gigante inteira preparada na hora…”, refeição muito exótica.

“Tic Tic” era uma composição da dupla Antonio Luiz e Marcos Serra. Muito do seu sucesso se deveu ao esmerado arranjo de Liminha e Ted Gaz, e à original interpretação e performance de Kid. Essa música foi na mesma época gravada por outro grupo, o Spray, mas sem o charme e bom humor do Magazine.

O Magazine, após dois grandes sucessos, “Sou Boy” e “Tic Tic Nervoso”, estava em crise sobre qual direção seguir. Mesmo assim, pressionados pela necessidade de colocar no mercado um novo compacto, lançaram “Glub Glub no Clube”, composição de Ted Gaz e amigos. Essa música seguia uma linha mais eletronica, sintonizada com o gosto de Ted – fã de Thomas Dolby e de grupos que se utilizavam de tecnologia de ponta, como o Human League. Os shows do Magazine naquela época eram o retrato da linha tomada por Ted Gaz, com muito aparato tecnológico, muitos sintetizadores, baterias eletronicas e cenários elaborados.

“Glub Glub no Clube”, o terceiro compacto do Magazine, apesar de ótimo, não foi bem recebido pelo público. Com certeza, não era uma música com apelo popular de um “Sou Boy”, o que fez com que a gravadora Warner não investisse tanto em sua divulgação.

Neste momento de impasse, sem planos de gravar um novo LP, o Magazine é convidado pela rede Globo para fazer a música-tema do que viria a ser sua próxima novela, “A Gata Comeu”. Com produção de Pena Schmidt e Liminha, produtores dos primeiros compactos do grupo, o Magazine literalmente reinventou uma nova música sobre a letra antropofágica de “Comeu”, balada de Caetano Veloso: fez uma música ao mesmo tempo rock ‘n’roll, pop e comercial. Foi o terceiro grande hit comercial do Magazine, com direito até a um videoclip produzido pela Globo. .

O sucesso de “Comeu”, por um tempo, mascarou os problemas internos do grupo. O impasse era entre Ted e Kid: Ted e sua natural liderança musical, que o levava cada vez mais para o lado mais pop da new wave; Kid e a sua vontade de retornar às raízes mais rock ‘n’roll e punk do começo do grupo. Tudo isso, aliado ao stress gerado pelos anos de turnes, cobranças do público e da gravadora , trabalhos paralelos na rádio e TV, acabou gerando a saída de Kid do Magazine. Hoje em dia, com a perspectiva gerada pelos anos de experiencia, Kid admite que talvez tivesse sido uma decisão precipitada; talvez um “break” tivesse sido uma solução melhor para todos.

Logo após sua saída do grupo, Kid já engatou um novo projeto – o Kid Vinil e os Heróis do Brasil – com o guitarrista de blues André Cristovam, esporádico substituto de Ted Gaz no Magazine. Os outros membros do Magazine ainda tentaram continuar com o grupo trazendo o vocalista Pedrinho (ex-Beijo na Boca), chegando a gravar um compacto 12 polegadas pela Continental, que tambem não vendeu quase nada. Chegou assim ao fim a primeira fase do Magazine.

http://kidvinil.com.br/magazine.html

[youtube]IeHY4YrGgr8[/youtube]
[youtube]5mjx8xGXNzM[/youtube]
[youtube]bGPb9fIsuN4[/youtube]